Página inicial
 
Mural de recados
19.10 | Antonio do Salgado
Respondento a Paulo. Meu chefe a diretoria é nova no clube, mais os funcionár ...
18.10 | MARCOS LEITE
É VERDADE PAULO RICARDO, DIRETORIA VAI ARRUMAR A KSA, ISSO NÃO PODE SER FEITO DA ...
18.10 | Paulo R
! Antônio, amigo a nova diretoria só faz 15 dias que assumiu o club e vc pergunt ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
02/04/2017
10h55 | esportes - COPA DO NORDESTE
COPA DO NORDESTE - Sport 3(4)x (2)1 Campinense/PB - Rubro Negro na semifinal
O enredo de Sport x Campinense na fase final da Copa do Nordeste foi o mesmo de 2016. Os mandantes venceram em casa, ambos pelo mesmo placar, e a decisão foi para os pênaltis. A primeira diferença é que desta vez não valia uma vaga na final, algo que não diminuíra a tensão nas arquibancadas. A segunda mudança em relação ao ano anterior é que a decisão foi na Ilha do Retiro - não no Amigão. A única semelhança foi a que no fim das contas mais importou. Os visitantes perderam dois pênaltis e os mandantes, desta vez o Sport, acabou vencendo a decisão nos pênaltis e avançou à semifinal da Copa do Nordeste.

Mais uma vez, o goleiro Magrão foi decisivo quando as penalidades foram necessárias para definir o futuro do Leão. O camisa 1 rubro-negro defendeu a cobrança de Thiago Orobó e deu a vantagem ao Leão, que foi perfeito nas quatro cobranças necessárias. Com a classificação, o Sport pegará o Santa Cruz na semifinal da competição regional nos dias 23 e 26 de abril, sendo a primeira partida na Ilha do Retiro e a segunda no Arruda.

O jogo

O clima na Ilha do Retiro era diferente. A primeira decisão de 2017 mudou os ares do clube e apesar da desvantagem após a partida de ida em Campina Grande, a confiança estava alta. Isso foi visto pelo bom público no estádio e pela empolgação dos rubro-negros na arquibancada - com quase 20 mil rubro-negros, maior público do ano na Ilha. Ainda faltavam 15 minutos para o apito inicial, mas os gritos vindos de todos os setores do Adelmar da Costa Carvalho davam a impressão de que a partida havia começado mais cedo.

Na verdade, ela começou assim que o apito final foi dado no estádio Amigão na última quinta-feira. As declarações de Rithely ao sair do gramado e as mudanças feitas de última hora por Ney Franco neste domingo, que promoveu as entradas do lateral-esquerdo Evandro e do volante Fabrício, nas vagas de Mansur e Everton Felipe, respectivamente, foram provas de que algo precisava ser feito. E logo.

A ordem foi entendida por todos os jogadores. O Sport começou fulminante e foi letal no primeiro ataque. Aos quatro minutos de partida, Rithely lançou em profundidade com perfeição, Rogério acreditou na bola e com um toque deslocou Gledson. Com o gol aberto, o camisa 17 ainda fez questão de chutar com toda a raiva possível para o fundo das redes.

Apesar da motivação, os donos da casa não foram afobados nem se deixaram levar pela empolgação da torcida. Após o gol, soube colocar a bola no chão e trabalhar as jogadas com mais calma. O resultado parcial de 1 a 0 ainda classificava o Campinense, mas não era necessário ter agonia alguma. A Raposa tentou responder, mas sem sucesso e o Leão começou a arrumar uma cilada mortal.

Em uma jogada mal construída pelos visitantes, aos 17 minutos, Rithely avançou com a bola pela lateral direita e tinha a opção de passar para Diego Souza, que estava mais perto, ou tentar lançar Rogério ou André, posicionados dentro da área. Preferiu o camisa 87. Diego avançou já dentro da área, deixou um zagueiro no chão e fez o gol que já dava a classificação ao Sport.

O sufoco leonino era gigante e o técnico Ney da Matta tomou uma atitude rápida e radical. Aos 25 minutos de jogo fez duas modificações. Tirou Ronael e Negretti e promoveu as entradas de Fernando Pires e Maranhão. O restante do primeiro tempo foi ver o Campinense dominar a posse de bola, mas não saber o que fazer com ela.

Enquanto isso, o Leão aguardou no seu campo e não se arriscou. O terceiro gol poderia ter vindo ainda no primeiro tempo quando Rogério tentou lançar André, mas errou feio o passe. Se tivesse mais capricho no lançamento, ou levantasse a cabeça e visse Diego Souza do outro lado do campo entrando na diagonal, a história poderia ter sido diferente.
 
 

Segundo tempo

Com 2 a 0 no placar, o Sport não precisava se arriscar. Estava classificado com o resultado, mas não teve como degustar por muito tempo esse sabor assim que a segunda etapa começou. Com menos de quatro minutos de bola rolando, Augusto fez grande jogada pela direita, passou pela marcação e tocou para Reinaldo Alagoano. O camisa 9 teve calma o suficiente para tocar para a entrada da área, onde Fernando Pires teve toda a calma do mundo para ajustar o corpo e chutar no canto direito de Magrão.

O gol fez com que Ney Franco decidisse mudar. Viu que Rodrigo estava em uma tarde para esquecer e colocou o time para cima ao tirar o volante Rodrigo e promover a entrada do meio-campista Everton Felipe. Deu certo em pouco tempo. Em contra-ataque, aos 14 minutos da etapa final, Rogério cruzou rasteiro no meio da área, André finalizou, mas teve o chute bloqueado e a bola subiu. No rebote, Diego Souza, de bicicleta, ampliou para o Leão.

O resultado, que seguia o mesmo roteiro da partida de ida, já que o mandante abriu 2 a 0 e sofreu um gol antes de fazer o terceiro, levava a partida para os pênaltis e isso não era o interesse de nenhuma das equipes. A partida ficou eletrizante e a sensação era que qualquer um dos lados poderia fazer mais um gol a qualquer ataque. Por volta dos 35 minutos, o Campinense deu sinais de que aceitaria a decisão por pênaltis. Decisão tomada muito cedo. O Sport não desistiu de seguir pressionando e investiu pesado com Lenis pelo lado direito. A pressão não surtiu o efeito esperado e as penalidades máximas decidiram a partida.

Pênaltis

O Sport elegeu Ronaldo Alves, Everton Felipe, Lenis, Fabrício e Diego Souza para as cobranças. O Leão foi perfeito e Diego Souza sequer precisou cobrar a sua penalidade. Isso porque Magrão defendeu a cobrança de Thiago Orobó e viu Joécio chutar por cima da sua trave, na última batida paraibana. O erro carimbou a vaga rubro-negra nas semifinais. 

Ficha do jogo

Sport 3 (4)

Magrão; Samuel Xavier, Ronaldo Alves, Durval e Evandro (27’ do 2ºT); Rodrigo (Everton Felipe, aos 13’ do 2ºT), Rithely, Fabrício e Diego Souza; André (Lenis, aos 25’ do 2ºT) e Rogério. Técnico: Ney Franco

Campinense 1 (2)

Glédson; Osvaldir, Joécio, Paulo Paraíba e Gilmar; Negretti (Fernando Pires, aos 25’ do 1ºT), Magno, Augusto (Thiago Orobó, aos 27’ do 2ºT) e Jussimar; Maranhão (Ronaell, aos 25’ do 1ºT) e Reinaldo Alagoano. Técnico: Ney da Matta.

Local: Ilha do Retiro. Árbitro: Antônio Dib Morais (PI). Assistentes: Mauro Cezar Evangelista (PI) e Rondinelle dos Santos Tavares (AL). Gols: Rogério (4’ do 1º) e Diego Souza (17’ do 1ºT e 14’ do 2ºT) (S); Fernando Pires (aos, 3’ do 2º). Cartões amarelos: Rogério, Rithely e Evandro (S); Oswaldir e Thiago Orobó (C). Público: 19.308. Renda: R$ 403. 520,00.
 
DO SUPER ESPORTES PE

.
 
 
 
eXTReMe Tracker