Página inicial
 
Mural de recados
28.04 | Antonio
Esse Danilo Costa parece ser um monstro na zaga ...
28.04 | Anderson
Esse zagueiro Danilo parece ser um bom jogador para a nossa PATATIVA!!!! ...
28.04 | Gabriel
O Central precisa de um bom plano de marketing, filmar bastidores, como é a roti ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
02/01/2016
11h20 | esportes - SPORT
SPORT - Perto do Leão, Walter acumula gols, altos e baixos e briga contra balança

Apesar de ainda não concretizada, a possível contratação de Walter pelo Sport já gera enorme repercussão na torcida. Muitos rubro-negros pensam em como serão as atuações do jogador pela equipe. A fim de estimar a eventual contribuição que o atacante daria à equipe, nada melhor do que recorrer ao que ele já fez na carreira.

Walter é um jogador de notável qualidade. Em quase todas as equipes que participou, demonstrou técnica refinada, capacidade de distribuir assistências e, mais do que isso, de marcar gols. O problema é que o talento dentro de campo quase sempre veio acompanhado por dificuldades fora dele - a mais célebre, claro, é a luta contra a balança.

Por isso, ao longo da carreira, Walter foi um atacante que alternou ótimos momentos e fases apagadas. Uma trajetória cheia de altos e baixos.

Walter em Atlético-PR x Corinthians (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)Walter vive a expectativa de defender o Leão (Foto: Giuliano Gomes/PR Press)

O primeiro grande momento de Walter foi em 2008, quando marcou seis gols e foi considerado o melhor jogador do Internacional que parou nas semifinais da Copa São Paulo de Juniores. Na mesma temporada, subiu para os profissionais e passou a ter eventuais oportunidades no time de cima. Sempre que era acionado, mostrava que podia ser importante. Ma a concorrência era enorme, as chances, escassas - e os problemas extra-campo se avolumaram. Em 2010, acabou negociado com o Porto, de Portugal.

Em terras lusas, nunca conseguiu mostrar grande futebol. Tanto que só ficou na equipe no segundo semestre de 2010 e no ano de 2011. Desde então, tem sido repetidamente emprestado pela equipe, com quem tem vínculo até 2017 (com cláusula para prorrogar até 2019).

O primeiro clube na volta ao Brasil foi o Cruzeiro, no início de 2012. Passagem apagada: foram apenas 11 jogos e só três gols marcados. O futebol apresentado foi tão discreto que o treinador da Raposa na época, Celso Roth, não se opôs à saída do atacante para o Goiás na metade daquela temporada.

Quando chegou ao Goiás, Walter voltou a demonstrar quão grande era seu talento. Disputou a Série B e foi a principal peça do Esmeraldino no título. Marcou 14 gols naquela campanha e deu cinco assistências. No ano seguinte, 2013, ainda na equipe do Centro-Oeste manteve o nível - mesmo na exigente Série A. Mais uma vez foi o destaque do Goiás e, com 13 gols, ajudou o clube a chegar ao sexto lugar na competição.

Despertou o interesse, mais uma vez, dos gigantes do futebol brasileiro. Foi contratado pelo Fluminense. Mas teve atuação irregular no Rio de Janeiro. Em parte pela forte concorrência de Fred, mas os problemas com excesso de peso e a impaciência de ficar no banco de reservas também pesaram. Os números demonstram o baixo aproveitamento: em 23 partidas daquela Série A, marcou apenas dois gols.

Em 2015, depois de um Carioca sem brilho, o atacante voltou a se destacar. Não mais pelo Fluminense, mas pelo Atlético-PR, para quem foi emprestado no segundo semestre. Na Série A, teve participação importante - principalmente no primeiro turno. No total, fez 32 jogos pela competição e marcou nove gols. Rendimento que o fez voltar a ser pretendido não pelo Sport, mas por outros clubes do cenário nacional. 

DO GLOBOESPORTE.COM/PE 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker