Página inicial
 
Mural de recados
16.10 | MARCONDES
É VERDADE CLEO, SE PESQUEIRA É AZUL E AMARELO ELES USA TODO D AZUL , TEM CABENSE ...
16.10 | VICTOR HUGO
OS 2 CAIXÕES DE PANCADA DA SEGUNDONA, FERROVIARIO DO CABO E CHÃ GRANDE JÁ ESTÃO ...
14.10 | CLEO
EU ACHO Q O PESQUEIRA TEM JOGAR TODO DE AMARELO SÓ O NUMERO AZUL, JÁ TEM MUITOS ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
15/10/2013
21h43 | esportes - SÉRIE B
SÉRIE B: Sport perde para o América/MG em plena Ilha do Retiro - 3x1
Clique e Confira.
Do Super Esportes 
 
O Sport vinha empolgado após um bom segundo tempo diante do Oeste no último sábado (12), que lhe valeu uma goleada e a tranquilidade no G4 da Série B. Diante de um adversário que estava atravessado em sua garganta - no primeiro turno o América-MG fez 5 a 0 em Minas Gerais -, o Leão até saiu na frente do placar, após a sorte voltar a sorrir ao atacante Marcos Aurélio. Os rubro-negros, contudo, não mostraram consistência, foram incapazes de segurar a vantagem no marcador e viram o América-MG primeiro equilibrar as ações do jogo e empatar. No segundo tempo, o rendimento do time comandado por Geninho caiu. O Coelho se aproveitou da desordem leonina e construiu a virada, vencendo por 3 a 1. 

Dizem os economistas que se dedicam aos estudos dos números e das probabilidades no futebol que este esporte é único. Dentre as modalidades esportivas de invasão, o futebol é aquele em que o favoritismo é mais relativizado. É que talento e habilidade caminham lado a lado com a sorte, o que dá um ar de improbabilidade aos jogos. E foi com esta combinação que Marcos Aurélio abriu o placar na noite desta terça-feira frente ao América-MG, na Ilha do Retiro. O habilidoso atacante rubro-negro contou com o seu talento para penetrar na área dos mineiros. Porém, ao perder o controle da bola, precisou contar com a sorte para que, após um bate e rebate, a esférica lhe caísse aos pés e, de voleio, encobrisse o goleiro Matheus, aos 15 minutos. 

As estatísticas do futebol apontam que, em um jogo equilibrado, quando um clube mandante abre o placar, a probabilidade de embalar na partida é maior do que a de se ver pressionado pelo visitante. O Sport, contudo, não foi capaz de se impor frente ao Coelho. A partida seguiu em alto nível, bastante movimentada e aberta, com os dois times criando perigo. Aos 38, logo após o Leão falhar em lance ofensivo, o América encaixou um contra-ataque e, aproveitando a falha na marcação da defesa rubro-negra, Elsinho recebeu sozinho dentro da área, empurrando a bola para o fundo do gol de Magrão, que nada pôde fazer para impedir o empate. A partida só foi para o intervalo empatada porque Patric, vítima de sua falta de habilidade, foi incapaz de marcar o segundo gol do Leão quando tinha o gol de Matheus aberto à sua disposição. 

Depois de uma primeira etapa em ritmo acelerado, Sport e América-MG tentaram imprimir a mesma toada no segundo tempo. Os dois times voltaram a campo bastante acelerados, mantendo o nível dos 45 minutos iniciais. Mas à medida que o tempo passava e o cansaço começava a pesar no rendimento dos atletas de ambos os lados, o nível técnico da partida foi caindo. Ansiosos por obterem uma vitória diante de uma Ilha do Retiro com bom público nas arquibancadas, os rubro-negros demonstravam latente falta de coletividade na construção de seu jogo ofensivo e, ao partir de forma desordenada para o ataque, deixava espaços na defesa.

 

Foi após uma falha na transição ofensiva que o Leão viu o Coelho partir de forma eficiente para a intermediária defensiva rubro-negra. Magrão ainda salvou no primeiro lance, após chute de Alessandro. Mas a sorte que acompanhou Marcos Aurélio na etapa inicial, parece que permaneceu ali mesmo, naquele ponto da área do tobogã. Desta feita, o felizardo foi Bady, que diante do gol desguarnecido, fuzilou para o fundo das redes, aos 38. Contrariando o que reza a probabilidade, Bady ainda encontrou tempo para marca o terceiro gol dos mineiros e bater, de virada, o Sport em sua própria casa. 


Geninho comemora gol do Sport (Bernardo Dantas/DP/D.A Press)
 
O Sport vinha empolgado após um bom segundo tempo diante do Oeste no último sábado (12), que lhe valeu uma goleada e a tranquilidade no G4 da Série B. Diante de um adversário que estava atravessado em sua garganta - no primeiro turno o América-MG fez 5 a 0 em Minas Gerais -, o Leão até saiu na frente do placar, após a sorte voltar a sorrir ao atacante Marcos Aurélio. Os rubro-negros, contudo, não mostraram consistência, foram incapazes de segurar a vantagem no marcador e viram o América-MG primeiro equilibrar as ações do jogo e empatar. No segundo tempo, o rendimento do time comandado por Geninho caiu. O Coelho se aproveitou da desordem leonina e construiu a virada, vencendo por 3 a 1. 

Dizem os economistas que se dedicam aos estudos dos números e das probabilidades no futebol que este esporte é único. Dentre as modalidades esportivas de invasão, o futebol é aquele em que o favoritismo é mais relativizado. É que talento e habilidade caminham lado a lado com a sorte, o que dá um ar de improbabilidade aos jogos. E foi com esta combinação que Marcos Aurélio abriu o placar na noite desta terça-feira frente ao América-MG, na Ilha do Retiro. O habilidoso atacante rubro-negro contou com o seu talento para penetrar na área dos mineiros. Porém, ao perder o controle da bola, precisou contar com a sorte para que, após um bate e rebate, a esférica lhe caísse aos pés e, de voleio, encobrisse o goleiro Matheus, aos 15 minutos. 

As estatísticas do futebol apontam que, em um jogo equilibrado, quando um clube mandante abre o placar, a probabilidade de embalar na partida é maior do que a de se ver pressionado pelo visitante. O Sport, contudo, não foi capaz de se impor frente ao Coelho. A partida seguiu em alto nível, bastante movimentada e aberta, com os dois times criando perigo. Aos 38, logo após o Leão falhar em lance ofensivo, o América encaixou um contra-ataque e, aproveitando a falha na marcação da defesa rubro-negra, Elsinho recebeu sozinho dentro da área, empurrando a bola para o fundo do gol de Magrão, que nada pôde fazer para impedir o empate. A partida só foi para o intervalo empatada porque Patric, vítima de sua falta de habilidade, foi incapaz de marcar o segundo gol do Leão quando tinha o gol de Matheus aberto à sua disposição. 

Depois de uma primeira etapa em ritmo acelerado, Sport e América-MG tentaram imprimir a mesma toada no segundo tempo. Os dois times voltaram a campo bastante acelerados, mantendo o nível dos 45 minutos iniciais. Mas à medida que o tempo passava e o cansaço começava a pesar no rendimento dos atletas de ambos os lados, o nível técnico da partida foi caindo. Ansiosos por obterem uma vitória diante de uma Ilha do Retiro com bom público nas arquibancadas, os rubro-negros demonstravam latente falta de coletividade na construção de seu jogo ofensivo e, ao partir de forma desordenada para o ataque, deixava espaços na defesa. 

Foi após uma falha na transição ofensiva que o Leão viu o Coelho partir de forma eficiente para a intermediária defensiva rubro-negra. Magrão ainda salvou no primeiro lance, após chute de Alessandro. Mas a sorte que acompanhou Marcos Aurélio na etapa inicial, parece que permaneceu ali mesmo, naquele ponto da área do tobogã. Desta feita, o felizardo foi Bady, que diante do gol desguarnecido, fuzilou para o fundo das redes, aos 38. Contrariando o que reza a probabilidade, Bady ainda encontrou tempo para marca o terceiro gol dos mineiros e bater, de virada, o Sport em sua própria casa. 

Ficha técnica 

Sport 1 
Magrão; Patric (Felipe Azevedo), Aílson, Gabriel e Marcelo Cordeiro; Anderson Pedra, Rithely, Lucas Lima e Aílton (Chumacero); Marcos Aurélio e Neto Baiano (Nunes). Técnico: Geninho. 

América-MG 3 
Matheus; Elsinho, Jaílton, Victor Hugo e Danilo; Gualberto (Marcelo Rosa), Andrei Girotto, Bady e Nikão (Alessandro); Elvis e Willians (Cléber). Técnico: Silas. 

Local: Estádio da Ilha do Retiro (Recife-PE). Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra (SP). Assistentes: Lorival Cândido das Flores (RN) e Ubiratan Bruno Viana (RN). Gols: Marcos Aurélio (S); Elsinho (A), Bady (2) (A) Cartões amarelos: Felipe Azevedo (S); Willians (A), Elvis (A), Andrei Girotto (A), Matheus (A) Cartões vermelhos: Público: 18.737 Renda: R$ 243.065,00


.
 
 
 
eXTReMe Tracker