Página inicial
 
Mural de recados
19.10 | Antonio do Salgado
Respondento a Paulo. Meu chefe a diretoria é nova no clube, mais os funcionár ...
18.10 | MARCOS LEITE
É VERDADE PAULO RICARDO, DIRETORIA VAI ARRUMAR A KSA, ISSO NÃO PODE SER FEITO DA ...
18.10 | Paulo R
! Antônio, amigo a nova diretoria só faz 15 dias que assumiu o club e vc pergunt ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
14/09/2013
18h26 | esportes - SÉRIE B
SÉRIE B > Na estreia do técnico Geninho, Sport bate o Figueirense por 1 a 0
Oferecimento: Clínica Pet Legal

O futebol é um esporte que tem muito de poder simbólico, capaz de mobilizar forças do inconsciente com muita intensidade. Falando em inconsciente, é espantoso o poder invisível da troca de um treinador. E não há nada mais simbólico do que o novo técnico chegar na sexta-feira e no sábado já se sentar no banco de reservas. Demonstrando que está ali para cumprir a sua função. Não só orientar a equipe, mas também ser o alvo das responsabilidades pelas decisões técnicas e táticas. Geninho, o novo comandante rubro-negro, não se limitou ao simbólico. Em sua primeira opção tática, escalou três zagueiros, liberou os laterais, que jogaram como alas, e foi feliz. Assim como em 2010, estreou com vitória diante do Figueirense. Com gol de Felipe Azevedo, o Sport fez 1 a 0 sobre os catarinenses e pôs fim à sequência de cinco jogos sem vencer.

Com três zagueiros em campo, os laterais rubro-negros Patric e Marcelo Cordeiro tinham maior liberdade para explorarem as alas do campo. Nitidamente de ânimos renovados, diante da presença do novo técnico no banco de reservas, os jogadores do Leão partiram para o ataque, em busca de abafar o Figueirense nos minutos iniciais. A iniciativa resultou por pouco tempo. Logo, os catarinenses equilibraram as ações do jogo. Percebendo as subidas dos dois laterais do Sport, o Figueira adiantou a marcação, bloqueando os avanços dos alas.

 


Após equilibrar a partida, o Figueirense teve um breve momento de superioridade. Explorando a descompactação entre os setores de defesa e meio-campo leoninos, que deixava muito espaço para o time catarinense progredir na intermediária rubro-negra, o Sport viu o adversário criar boas oportunidades. Magrão, porém, quando foi acionado cumpriu bem sua função de defender o gol rubro-negro.

Assim que corrigiu o posicionamento entrelinhas no setor defensivo, o Sport voltou a ter predominância nas ações ofensivas na etapa inicial. Embora defendesse de forma compacta e fechasse as linhas de passe do Leão, aos 29 minutos, o Figueirense não foi capaz de segurar a boa subida de Patric pelo lado direito. O lateral, ontem atuando mais como um ala, cruzou para a área, Rithely falhou a finalização, mas Felipe Azevedo não. O atacante empurrou a bola para o fundo do gol e deixou o Sport à frente do placar.

 

Na volta para o segundo tempo, em saída rápida, o Leão por pouco não ampliou a vantagem no marcador. Felipe Azevedo foi bloqueado por Bruno Pires quando chutou para o gol já dentro da área. O Figueirense respondeu um minuto depois, levando perigo em lance de falta pela lateral de campo, mas sem conseguir concretizar no empate. E a toada dinâmica, com os dois times se intercalando em boas chegadas, manteve-se como tônica da etapa complementar.

 


Aos 13 minutos, Rithely perdeu grande oportunidade de marcar o segundo gol do Leão no jogo. O volante falhou de frente para a barra, que estava completamente aberta. O lance não foi o único desperdício rubro-negro. Displicentes na finalização, Felipe Azevedo e Marcos Aurélio se revezaram nas falhas. Com a vantagem mínima, os Leões sofreram de forma desnecessária no fim da partida, com o Figueirense todo lançado ao ataque, apostando em bolas alçadas à área. Mas Magrão salvou o Sport, segurando o resultado e a vitória.

Ficha técnica

Sport 1
Magrão; Toby, Vinícius Simon e Pereira; Patric, Anderson Pedra, Rihtely, Lucas Lima (Ailton) e Marcelo Cordeiro (Peri); Felipe Azevedo (Nunes) e Marcos Aurélio. Técnico: Geninho.

Figueirense 0
Tiago Volpi; André Rocha, Douglas Marques, Bruno Pires e Wellington Saci; Nem, Luan (Zé Roberto), Maylson (Marcelo Toscano) e Rodrigo; Ricardinho (Pablo) e Rafael Costa. Técnico: Vinícius Eutrópio.

Local: Ilha do Retiro (Recife-PE).
Árbitro: Francisco de Assis Almeida Filho.
Assistentes: Arnaldo Rodrigues de Souza (CE) e Anderson Silveira Ribeiro (CE).
Gol: Felipe Azevedo (S)
Cartões amarelos: Toby (S), Rithley (S), Patric (S); Bruno Pires (F), Tiago Volpi (F)
Cartões vermelhos: Patric (S); André Rocha (F)
Público: 11.825 total
Renda: RS 155.240,00
 
Do Super Esportes 

 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker