Página inicial
 
Mural de recados
26.06 | Gustavo
Muita gente acha que a soluçao pra o central é subir pra serie C,so que nao adia ...
26.06 | A verdade nua e crua!
Vi aqui alguns comentários sobre se gastar R$ 500 mil em uma atração do São João ...
26.06 | beto
CENTRAL DEVIA ERA ACABAR DEMOLIR E NIGUEM NUNCA MAIS LEMBRA QUE EXISTIU ESSE LIX ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
13/10/2015
10h23 | esportes - SELEÇÃO BRASILEIRA
ELIMINATÓRIAS para a COPA de 2018: Seleção Brasileira vence a Venezuela no Castelão e se recupera de derrota na estreia
Brasil venceu por 3 a 1, com dois gols de Willian e um de Ricardo Oliveira

Um gol anotado com menos de um minuto de jogo trouxe a tranquilidade que a Seleção Brasileira precisava para construir uma vitória por 3 a 1 sobre a Venezuela, nesta terça-feira, no estádio Castelão, em Fortaleza. O triunfo trouxe os primeiros três pontos ao time canarinho nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018. Na rodada de estreia, a equipe decepcionou com uma atuação apagada e perdeu por 2 a 0 para o Chile, em Santiago.


A falta de ímpeto no duelo com os atuais campeões da Copa América fez Dunga trazer algumas novidades para o campo. Alisson substituiu Jefferson no gol, enquanto Filipe Luis entrou na vaga de Marcelo na lateral esquerda. Já Ricardo Oliveira tomou o posto de Hulk no ataque.

Apesar de ter jogado com certa facilidade, a Seleção alternou entre momentos bons e ruins e deixou claro que Neymar faz muita falta para o esquema tático de Dunga. O atacante do Barcelona cumpriu nessa terça-feira a última partida da suspensão aplicada por conta de sua expulsão na fase de grupos da Copa América.

Willian, aos 36 segundos e aos 41 minutos da etapa inicial, e Ricardo Oliveira, aos 28 do segundo tempo, fizeram os gols que garantiram a vitória para o Brasil. Santos, aos 19 do segundo tempo, descontou para os visitantes.

O próximo compromisso do Brasil será diante da Argentina, cuja equipe está pressionada após conquistar apenas um ponto nas duas rodadas disputadas até aqui. O jogo está marcado para o dia 13 de novembro e será realizado na casa dos hermanos. Já a Venezuela tentará se recuperar de sua segunda derrota consecutiva na partida contra a Bolívia. O confronto está agendado para o dia 12 de novembro

O Jogo – Foram necessários 36 segundos de jogo para a Seleção levantar a torcida cearense das arquibancadas. Luiz Gustavo fez o desarme no meio-campo e lançou Willian na frente. O meia do Chelsea bateu firme e contou com a desatenção do goleiro Baroja para abrir a contagem.

A Seleção voltou a criar outra boa oportunidade aos 12 minutos. Filipe Luís acertou cruzamento da esquerda e Ricardo Oliveira concluiu para grande defesa de Baroja. O artilheiro do Santos mostrou vontade no ataque e se movimentou com frequência para puxar a marcação. Mas, mesmo com maior volume de jogo, o Brasil voltou a apresentar deficiências no setor de criação e deixou de explorar a fragilidade defensiva da Venezuela como deveria.

Aos 30 minutos, Douglas Costa partiu livre para dentro da área e atendeu aos gritos de Oscar para tocar em vez de chutar. O camisa 11 se entregou à marcação rival e não conseguiu alcançar o passe. Aos 32, Daniel Alves teve a oportunidade em cobrança de falta, mas mandou direto para a linha de fundo. A Venezuela, então, ganhou espaço e esboçou uma pressão. Aos 37 minutos, Alisson não saiu bem na bola e só assistiu Chíchero cabecear com perigo para fora.

A brusca queda de rendimento levou a torcida a vaiar a Seleção Brasileira. Parte dos presentes respondeu ao protesto com aplausos, o que parece ter motivado o time canarinho a voltar para o jogo. Aos 41 minutos, o lateral Filipe Luís avançou pela esquerda e tocou para dentro da área. Oscar aplicou um belo corta-luz e deixou a bola limpa para Willian. O meia enfiou a bomba e acertou o ângulo do goleiro venezuelano.

O Brasil voltou do intervalo melhor em campo e acertou o travessão da Venezuela com Douglas Costa, aos sete minutos. Luiz Gustavo, logo em seguida, chutou com perigo, mas mandou direto para fora. A Venezuela respondeu aos 13, em cabeçada de Seijas defendida por Alisson. Na sequência, Oscar foi lançado em velocidade, mas tentou aplicar o drible dentro da área e acabou desarmado antes da finalização.

Foi aos 19 minutos que a Venezuela descontou. O time aproveitou mais uma bola aérea para vencer Alisson com o meia Santos. A melhora no rendimento do Brasil só foi possível com a entrada de Lucas Lima no lugar de Oscar. O time ganhou mais volume de jogo e chegou ao terceiro gol aos 28 minutos. Ricardo Oliveira recebeu cruzamento de Douglas Costa e concluiu sem chances de defesa para Baroja. Para a alegria da torcida, Dunga ainda colocou Kaká e Hulk na sequência do segundo tempo.

Na reta final da partida, aos 41 minutos, Lucas Lima mostrou que tem condições de ser titular da Seleção e fez bela jogada pela direita. O meia do Santos passou como quis pela marcação e cruzou fechado para a área, mas os atletas canarinhos não conseguiram concluir ao gol. Aos 46, a última chance criada por Daniel Alves esbarrou na zaga rival e saiu pela linha de fundo.

BRASIL 3 X 1 VENEZUELA

Local: Estádio Castelão, em Fortaleza (CE)
Público: 38.970
Renda: R$ 2.722.220,00
Árbitro: Darío Ubriaco (Uruguai)
Assistentes: Carlos Pastorino e Nicolás Taran (ambos do Uruguai)
Cartões amarelos: Douglas Costa (Brasil); Oswaldo Vizcarrondo, Roberto Rosales e Arquímedes Figuera (Venezuela)

GOLS:
BRASIL: Willian, aos 36 segundos e aos 41 minutos do primeiro minuto, e Ricardo Oliveira, aos 28 minutos do segundo tempo
VENEZUELA: Christian Santos, aos 19 minutos do segundo tempo

BRASIL: Alisson; Daniel Alves, Miranda, Marquinhos e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Elias, Oscar (Lucas Lima), Willian e Douglas Costa (Kaká); Ricardo Oliveira (Hulk).
Técnico: Dunga

VENEZUELA: Alain Baroja; Roberto Rosales, Oswaldo Vizcarrondo, Fernando Amorebieta e Gabriel Cíchero; Tomás Rincón, Alejandro Guerra (Arquímedes Figuera), Christian Santos, Luis Seijas (César González) e Ronald Vargas (Jhon Murillo); José Rondón.
Técnico: Noel Sanvicente
 
Gazeta Press 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker