Página inicial
 
Mural de recados
28.05 | Aldery
Fala sério gente, menos de 500 pessoas no estádio é vergonhoso! Depois querem ti ...
28.05 | Manoel
O time do central é péssimo tem umas três peças e um garoto da base que entrou m ...
28.05 | Danilo
Warley, qual foi o público de Central 3x2 Coruripé? ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
03/11/2013
18h54 | esportes - SÉRIE C
SÉRIE C: Drama, suor e euforia: Santa Cruz está de volta à Série B do Brasileiro
Clique e confira!

DO SUPER ESPORTES. 

Acabou o sofrimento da nação tricolor. Depois de seis tenebrosos anos longe padecendo nas divisões mais inferiores do futebol nacional, o Santa Cruz está de volta à Série B do Campeonato Brasileiro. Em um jogo dramático, mais de 60 mil tricolores que lotaram o Arruda puderam, finalmente, soltar o grito da garganta e, aliviados, comemorarem o fim de uma era negativa do clube. Com gols do novo matador André Dias e o xodó Caça-Rato, o Santa Cruz bateu o Betim por 2 a 1 se garantiu na Série B 2014.

Embalados pela euforia que transbordava das arquibancadas lotadas do estádio do Arruda, a equipe coral partiu para cima do Betim nos minutos iniciais do jogo. Os mineiros, acostumados a jogar para um estádio vazios, atônitos diante de tamanha massa humana, pareciam perdidos em campo. O Santa Cruz se apercebeu desse momento claudicante do adversário e procurou ir para o abafa, criando perigo em dois bons lances antes da partida chegar ao seu décimo minuto.

Passado o nervosismo inicial, o Betim passou, gradativamente, a ocupar com mais consciência os espaços no meio-campo e a fechar mais as linhas defensivas - que eram bem exploradas pelos tricolores. Assim, as ações se equilibraram e os mineiros chegavam com maior frequência ao ataque, começando a levar perigo em alguns momentos.

À medida que o tempo passava, o nervosismo mudava de lado. Se inicialmente era o Betim que sentia a pressão do estádio lotado, com o passar dos minutos, eram os jogadores do Santa Cruz que acusavam o peso de não decepcionarem as dezenas de milhares de tricolores que lotavam as dependências do Arruda. O equilíbrio, entretanto, prevaleceu ao longo da etapa inicial e o empate em 0 a 0 ao intervalo refletiu o que se viu em campo.

Logo no início do segundo tempo, por pouco André Dias não fez explodir o grito de emoção dos mais de 60 mil tricolores que faziam uma bela festa no Arruda. Com um minuto de etapa complementar, o atacante chutou após bom cruzamento de Raul, mas foi parado pelo goleiro Felipe, que defendeu com os pés.

Aos 12 minutos, porém, o novo matador do Arruda, uma aposta do técnico Vica, não desperdiçou. Após cobrança de falta, a bola bateu na barreira e sobrou nos pés de André Dias. Com a precisão que lhe é característica, o centroavante dominou e fuzilou para o fundo das redes do Betim. Explosão de alegria. Festa nas arquibancadas. O grito de gol fez balançar as estruturas do Colosso do Arruda. O gol que deixava o Santa Cruz ainda mais próximo do retorno à Série B.

20 minutos do segundo tempo. Aliviada e contando os minutos para o fim do jogo, à espera da tão sonhada celebração do acesso, a torcida coral comemorava até a corrida de Caça-Rato em direção a Vica para entrar em campo como se fosse um gol. Mas enquanto o ídolo tricolor ainda escutava as orientações do treinador, o Betim tinha uma falta próxima à área do Santa Cruz. A bola sobrevoou a área coral. Max subiu mais alto do que todo mundo e cabeceou. Tiago Cardoso nada pôde fazer. Gol do Betim. Tensão no Arruda.

Acostumada com o sofrimento, a torcida tricolor sentiu o peso do empate dos mineiros e a euforia que pulsava o Arruda deu lugar à tensão e ao drama nas arquibancadas. Dentro de campo, os jogadores também sentiam o peso da decisão. Nervoso, o Santa Cruz viu o Betim crescer no jogo. Tiago Cardoso, um gigante em decisões, salvou o time pelo menos em três ocasiões, com grandes defesas.

O tempo passava e o empate teimava em persistir no placar. A aflição exalava dos poros de cada um dos 60 mil tricolores no Arruda. 42 minutos. Três para o fim do tempo regulamentar. Uma bola cruzada atravessa toda a área do Betim. Como se fosse obra do destino, a esférica sobra para o xodó coral. De peixinho, Flávio Caça-Rato mandou para o fundo do gol de Felipe. E, pela segunda vez na noite, o atacante faz explodir o Arruda. Desta vez, com um gol. O gol do acesso. O fim do martírio coral.

Ficha técnica

Santa Cruz 2
Tiago Cardoso; Oziel, Everton Sena, Renan Fonseca e Tiago Costa; Sandro Manoel, Everton Heleno (Luciano Sorriso), Dedé e Raul; Siloé (Caça-Rato) e André Dias (Leandro Souza). Técnico: Vica.

Betim 1
Felipe, Adalberto, André Luiz (Carlos Júnior), Max e Tiago Santos; Denilson, Jean Cleber, Patrik (Da Silva) e Wescley; Marion (Tássio) e Rodrigo. Técnico: Moacir Júnior.

Local: Arruda (Recife-PE).
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Carlos Augusto Nogueira Junior (SP)
Gols: André Dias (S) e Caça-Rato (S); Max (B)
Cartões amarelos: Tiago Cardoso (S)
Público: 60.040
Renda: R$ 1.392.610,00

.
 
 
 
eXTReMe Tracker