Página inicial
 
Mural de recados
25.07 | Patativa
Respondendo esse rapaz chamado franco,sou torcedor e sócio do central desde 1986 ...
25.07 | MARCOS LEITE
O CENTRAL TEM Q FAZER LOGO A ELEIÇÃO, PRA SE ESTRUTURAR PRA 2018 Q JÁ TÁ GARANTI ...
25.07 | luciano
pra resolver o problema do central, não é preciso fechar as portas , e sim os só ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
10/06/2013
22h41 | esportes - SELEÇÃO BRASILEIRA
Renovado, Brasil mantém só três da Copa de 2010; Espanha tem 18

Do globoesporte.com 

Julio César, Daniel Alves e Thiago Silva. Isso é tudo que o Brasil carrega da Copa do Mundo de 2010 para a Copa das Confederações, três anos depois. Sobreviventes de uma renovação completa, que passou por dois técnicos, dezenas de convocados, e resulta em uma condição bem distinta dos demais favoritos ao título do torneio. A seleção brasileira é, de longe, a que manteve menos jogadores. Só esses três, um abismo de diferença para a Espanha, que preservou 18 dos 23 campeões mundiais, e o Uruguai, com 17 caras repetidas.

A "geração Neymar" é composta por atletas que mal haviam surgido para o futebol em 2010. O santista chegou a ser cogitado naquela Copa do Mundo, mas outros eram ilustres desconhecidos. Casos de Lucas, que ainda era chamado de Marcelinho no São Paulo, dos atuais campeões europeus, Dante e Luiz Gustavo, e do volante Fernando.

Muitos estrearam na Seleção com Mano Menezes. O treinador assumiu logo após a derrota para a Holanda no Mundial, que culminou na saída de Dunga. Além de Julio César, Daniel Alves e Thiago Silva, o único jogador brasileiro que estará na Copa das Confederações, e já disputou uma Copa do Mundo, é o atacante Fred, convocado em 2006 por Carlos Alberto Parreira.

O que importa é a qualidade"
Felipão

O fato constata a queda de jogadores considerados fundamentais naquele momento, casos de Maicon, Lúcio, Kaká, Robinho e Luis Fabiano. E Felipão não se incomoda com a safra totalmente nova. Ao contrário. Abre as portas da Seleção para que novatos possam entrar.

- Alguns jogadores terminaram o ciclo, outros não estão nas melhores condições. Tinha de haver uma renovação dentro de um critério. Começou a ser feita em 2010 e ainda continua. Até a última convocação pode haver dois ou três jogadores novos - disse o técnico.

Cenário bem diferente da Espanha. Campeã na África do Sul, em 2010, ela levará ao Brasil praticamente o mesmo time. Entre os titulares que fizeram história há quatro anos, o zagueiro Puyol e o lateral-esquerdo Capdevila não fazem mais parte do grupo. Além deles, caíram Marchena, Llorente e Xabi Alonso, esse último apenas por lesão. Em seus lugares, são novidades Jordi Alba, Azpilicueta, Monreal, Cazorla e Soldado.

REMANESCENTES DE 2010
BRASIL Julio César, Daniel Alves e Thiago Silva
ESPANHA Casillas, Valdes, Reina, Sergio Ramos, Piqué, Albiol, Arbeloa, Busquets, Javi Martínez, Xavi, Iniesta, Fabregas, Navas, David Silva, Mata, Torres, Villa e Pedro
URUGUAI Muslera, Silva, Castillo, Máxi Pereira, Lugano, Godín, Scotti, Cáceres, Alvaro Pereira, Arévalo Rios, Diego Pérez, Gargano, Eguren, Lodeiro, Forlán, Cavani e Suárez
ITÁLIA Buffon, Marchetti, Bonucci, Chiellini, Maggio, De Rossi, Pirlo, Marchisio, Montolivo e Gilardino
MÉXICO Ochoa, Guardado, Torres Nilo, Salcido, Rodríguez, Moreno, Torrado, Giovani dos Santos, Hernández e Barrera
JAPÃO Kawashima, Konno, Nagatomo, Uchida, Endo, Nakamura, Hasebe, Honda e Okazaki
NIGÉRIA Enyeama, Ejide, Echiejilé e Ideye

A estrutura do meio-campo, considerado setor mais poderoso dos líderes do ranking da Fifa, está mantida com os quatro do Barcelona: Busquets, Xavi, Iniesta e Fábregas, que tem atuado como atacante.

O Uruguai, que surpreendeu o mundo ao ser quarto colocado na África, também tem praticamente o mesmo plantel: 17 de 23 foram mantidos. Entre as ausências, destacam-se as de Loco Abreu e do lateral Fucile, que defendeu o Santos e é o único titular de 2010 a ter perdido lugar na Celeste.

Porém, ao contrário da Espanha, campeã da Eurocopa no ano passado, o Uruguai não faz boa campanha nas eliminatórias e corre sério risco de não ir à Copa do Mundo de 2014. Muitos criticam o envelhecimento da equipe, cujo maior trunfo é o mesmo de anos atrás: o trio ofensivo formado por Forlán, Suárez e Cavani.

Mesmo após o retumbante fracasso no Mundial, quando foi eliminada na primeira fase, a Itália manteve dez jogadores em três anos. Número que indica uma reformulação, só que mais contida que a do Brasil. Astros como Buffon, De Rossi e Pirlo seguem na Azzurra, que ganha o reforço de Balotelli, principal novidade.

Também são dez os remanescentes do México, que aposta na maturidade de Giovani dos Santos e nos gols de Chicharito Hernández, dupla que entrou em campo na África do Sul. Já o Japão, primeiro adversário brasileiro na Copa das Confederações, dia 15, em Brasília, tem nove atletas que foram convocados há três anos.

Só mesmo a Nigéria praticamente se equivale à seleção brasileira, com quatro sobreviventes de 2010. O Taiti não entra na comparação porque não participou do Mundial de 2010. Mesmo "na lanterna" nesse quesito, Luiz Felipe Scolari confia em sua Seleção e avisa:

- O que importa é a qualidade.


.
 
 
 
eXTReMe Tracker