Página inicial
 
Mural de recados
25.04 | kaio
Licius saiu ? ...
25.04 | Israelito Almeida
Maravilhosa Graça! CONCORDO PLENAMENTE DO Alcino PM. Venho falando isso a ano ...
25.04 | Beltrão
Digamos que a espinha dorsal de uma equipe, seja formada de 5 jogadores que rece ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
05/12/2012
10h37 | esportes - FINAL
Sul-Americana - 1º jogo da final: Tigre x São Paulo - La Bombonera - Buenos Aires
Clique e Confira

O ano de 2012 parecia perdido para o São Paulo. Eliminado das principais competições, o time parecia fadado a amargar mais um ano sem títulos enquanto todos os rivais levantaram troféus. Mas a sorte mudou e agora o clube tricolor está a dois jogos de conquistar pela primeira vez na sua história a Copa Sul-Americana, um torneio que há bem pouco tempo atrás era visto como de menor valor em comparação especialmente à Copa Libertadores, considerada um xodó no Morumbi. Quis o destino que a competição virasse uma tábua de salvação da temporada e tanto jogadores quanto torcida abraçaram a causa e trataram o desafio como de vida ou morte.

O ato final da jornada começa nesta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), no mítico estádio La Bombonera, do Boca Juniors, em Buenos Aires. Mas do outro lado não serão os temidos xeneizes, mas sim o antes desconhecido Tigre, uma equipe modesta que tem nas seis conquistas da Série B argentina seu ápice, mas que vem surpreendendo e eliminou o favorito Millonarios, na Colômbia, na semifinal.

Pés no chão
Os são-paulinos chegam para o primeiro jogo cientes da tradição infinitamente superior à do rival, mas tomam cuidado para não considerar a fatura ganha. "Pressão que existe é normal porque temos que buscar a vitória e as conquistas, temos que voltar a vencer um campeonato. Muitas equipes que disputaram essa competição têm uma história maior que o Tigre e não passaram. O que vale é o momento. Uma final de campeonato entre Brasil e Argentina resgata a rivalidade entre esses dois países", resumiu o goleiro Rogério Ceni.

 

A campanha tricolor até aqui tem sido marcada pela capacidade da equipe construir o resultado fora de casa e apenas administrar no Morumbi. Foi assim contra o Bahia (vitória por 2 a 0, em Salvador), Liga de Loja (empate em 1 a 1, no Equador), Universidad de Chile (vitória por 2 a 0, em Santiago) e Universidad Católica (igualdade em 1 a 1, também na capital chilena). Na final, no entanto, o critério do gol marcado fora de casa não vale; prevalece o saldo de gols nos duelos. Igualdade leva à prorrogação e, se necessário, pênaltis.

Empolgação não falta aos brasileiros. Além de já ter garantido a classificaçãopara a primeira fase da Copa Libertadores por meio do Campeonato Brasileiro, os reservas bateram o Corinthians no último domingo e a confiança para o duelo desta quarta aumentou. Enquanto isso os titulares descansaram para se preparar mais adequadamente e esperam manter o embalo dos últimos jogos para abrir vantagem. Até por isso o técnico Ney Franco não vai abrir mão do esquema com três atacantes e abrirá Lucas e Osvaldo pelas pontas para servir Luis Fabiano, formação que garantiu a reação da equipe na temporada. O time não terá surpresas e irá com força máxima para o duelo.

O elenco assistiu a uma série de jogos dos rivais nos últimos dias e identificou na bola aérea a principal dificuldade a ser combatida. Botta, centroavante, é quem mais inspira cuidados. Além da parte técnica, uma possível catimba dos adversários é vista com preocupação. Existe o temor de que os argentinos possam tentar provocar uma guerra de nervos e cavar alguma expulsão. "Temos que jogar com inteligência e a cabeça no lugar, sem cair na catimba deles e na pilha da torcida. O segredo é impor nosso ritmo de jogo", receitou Lucas, que faz seu penúltimo jogo pelo clube antes de se transferir para o Paris Saint-Germain.

Sem muita empolgação
Se do lado são-paulino o clima é de empolgação, o mesmo não se pode dizer do Tigre. A imprensa argentina tem dado pouco espaço para a decisão da Sul-Americana e a expectativa é que La Bombonera não esteja lotada. Javier García, goleiro titular que já desfalcou a equipe contra o Millonarios, segue machucado.

"Para o São Paulo será apenas outra final, enquanto para o Tigre é a glória", compara o zagueiro Mariano Echeverría. "Acho que tomaremos consciência daquilo que estamos fazendo apenas com o tempo. O Tigre internacionalmente não tem história e, em sua segunda participação na Copa Sul-Americana, já chegou à final", diz o atacante Maggiolo.

Ficha Técnica
TigrexSão Paulo

Fase
Final Rodada
Data
05/12/2012 Horário
21h50 Local
Estádio La Bombonera , em Buenos Aires Árbitro
Antonio Arias (Fifa/Paraguai).

Assistentes
Rodney Aquino (PAR) e Dario Gaona (PAR)

Tigre

Damián Albil; 
Norberto Paparatto, Mariano Echeverría e Alejandro Donatti;
Martín Galmarini, Gastón Díaz, Diego Ferreira e Lucas Orban;
Rubén Botta, Diego Ftacla e Ezequiel Maggiolo.

Técnico: Néstor Gorosito.

São Paulo

Rogerio Ceni; 
Paulo Miranda, Rafael Toloi, Rhodolfo e Cortez; 
Welington, Denilson e Jadson; 
Lucas, Osvaldo e Luis Fabiano.

Técnico: Ney Franco.


.
 
 
 
eXTReMe Tracker