Página inicial
 
Mural de recados
23.04 | Davi
Parabéns ao Salgueiro pela campanha q vem fazendo,embora nos ultimos anos o time ...
23.04 | Patativa
Será que os dirigentes do Salgueiro administram o clube tal como os do Central, ...
23.04 | Alvinegro
Deixa de criticar em vem pra luta também,ninguém administra tantos problemas soz ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
02/05/2010
12h55 | esportes - Felicidade.
Após brasileiros, Baggio também credita a Ayrton Senna o tetra na Copa de 1994
'Acho que foi o Senna que puxou a bola para o alto', diz o italiano, que perdeu o último pênalti na final contra o Brasil, no ano da morte do piloto

Rose Bowl Stadium, Los Angeles, EUA. Dia 17 de julho de 1994. Final da Copa do Mundo entre Brasil e Itália. Quem vencesse o duelo, se tornaria o país com o maior número de títulos mundiais: quatro. Após empate sem gols no tempo normal e na prorrogação, o tetracampeonato seria decidido nos pênaltis. Na quinta cobrança italiana, bola nos pés de Roberto Baggio, o então melhor jogador do mundo, eleito em 1993. Um chute por cima do gol que brasileiros e italianos nunca mais iriam esquecer.

Baggio garante que nunca tinha isolado uma penalidade. Taffarel e Márcio Santos creditaram o título brasileiro a Ayrton Senna, morto em 1994 em um acidente na Fórmula 1, no circuito de Ímola, na Itália. Sem uma explicação lógica para a cobrança com força desproporcional, o ex-atacante italiano também "culpou" o piloto brasileiro pela conquista verde e amarela.

- Nunca havia cobrado um pênalti por cima do gol. Acho que foi o (Ayrton) Senna que puxou aquela bola para o alto. Acredito que foi ele que fez o Brasil vencer - revelou.

Em entrevista exclusiva ao "Esporte Espetacular", Baggio relembrou a partida contra o Brasil e os momentos de angústia que duraram e duram até hoje, num bate-papo descontraído com o produtor Thiago Asmar, que presenteou o ex-jogador com uma camisa da seleção brasileira.

- É uma ferida que nunca vai se fechar. Sempre sonhei disputar uma final de Copa do Mundo e o rival dos meus sonhos era o Brasil. Quando tive a oportunidade, desperdicei aquele pênalti.

Ídolos: Zico e Flamengo de 80

E será que o craque italiano guarda alguma mágoa do Brasil pela derrota na final da Copa de 94? Nenhuma! Baggio garante que, pelo contrário, admira muito o futebol brasileiro e tem como ídolo Zico. Ele ainda revela que cresceu assistindo aos jogos do Flamengo na década de 80.

Fã do time rubro-negro que conquistou quatro Campeonatos Brasileiros (1980/1981/1983/1987) e um Mundial Interclubes (1981), o ex-camisa 10 da Seleção Azurra se inspirava no Galinho em campo e, em 1993, foi eleito o melhor jogador do mundo.

Logo após a cobrança, Baggio se sentiu mal, mas depois, como bom budista, desenvolveu um raciocínio que o consolou:

- Na hora, quis cavar um buraco para me esconder. Depois, pensei que, como o Brasil tem muito mais habitantes que a Itália, eu fiz mais gente feliz com aquela cobrança - conta o craque italiano.

Do globoesporte.com

 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker