Página inicial
 
Mural de recados
29.04 | Paulo alvinegro
Gostei muito da contratação de Marcelo bonan excelente goleiro. ...
28.04 | Antonio
Esse Danilo Costa parece ser um monstro na zaga ...
28.04 | Anderson
Esse zagueiro Danilo parece ser um bom jogador para a nossa PATATIVA!!!! ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
11/03/2010
21h20 | esportes - Libertadores
Washington garante a vitória do São Paulo sobre o Nacional paraguaio: 2 a 0
Ao som da bandinha do estádio Defensores del Chaco, Tricolor desafina, mas se salva na etapa final. Time é vice-líder no Grupo 2 da Libertadores

Em um Defensores del Chaco vazio, que só não estava silencioso por conta de uma animada bandinha, o São Paulo não jogou por música. Pelo contrário, desafinou em vários momentos, mas Washington acertou o tom no segundo tempo e salvou o time em Assunção: 2 a 0 sobre o Nacional do Paraguai, com dois gols do atacante.

Com o resultado, o Tricolor é o více-líder do Grupo 2 da Libertadores, com seis pontos. O líder é o Monterrey, com sete. O próximo jogo do São Paulo na Libertadores será na quinta-feira, contra o próprio Nacional, às 21h30, no Morumbi.

Richarlyson conduz pressão tricolor nos minutos iniciais

O técnico Ricardo Gomes fez mistério até momentos antes do início do jogo. Após um treino secreto na última terça-feira, o comandante não deu pistas do que colocaria em campo. A expectativa era de que Richarlyson fosse improvisado na lateral esquerda, mas Júnior César foi o escolhido.

A opção por Richarlyson em sua posição de origem se mostrou interessante no início da partida. Aos quatro minutos, o volante roubou uma bola próximo à entrada da área do Nacional e esticou para Dagoberto, que por muito pouco não conseguiu uma finalização perigosa. O paraguaio Miranda se jogou de carrinho e colocou a bola para escanteio. Dois minutos depois, Richarlyson apareceu de novo. Ele arrancou com a bola dominada e soltou a bomba de fora da área, acertando em cheio a trave à direita do goleiro Caffa, que ficou apenas torcendo.


Enquanto o São Paulo dominava, o Nacional só conseguiu finalizar aos 11 minutos, em cabeçada sem perigo de Aquino. Nada comparável, por exemplo, ao passe de Marcelinho Paraíba para Washington, logo na jogada seguinte. O atacante dominou com a direita e bateu com a canhota. O goleiro Caffa saiu do gol e defendeu com o pé, aos 12.

A superioridade tricolor, no entanto, parou nos 15 minutos iniciais.A partir dali, o Nacional começou a tocar a bola e o São Paulo exibiu algumas deficiências já conhecidas. Cicinho, por exemplo, tinha dificuldade em sair para o ataque. Marcelinho Paraíba insistia nas jogadas individuais e desperdiçava boas chances de criar perigo. Hernanes estava sumido. E Dagoberto por pouco não foi expulso. Aos 27, o atacante fez falta dura em Riveros perto da linha do meio de campo, mas levou apenas o amarelo.

O Nacional aproveitou o apagão tricolor e quase foi para o intervalo em vantagem.  Aos 42, em cruzamento baixo na área, Miranda falhou e a bola sobrou limpa para Aquino finalizar. O chute saiu rasteiro, bem aonde estava Rogério Ceni. 

Apagado, Marcelinho Paraíba é sacado no intervalo

Preocupado com a queda da equipe na reta final da primeira etapa, Ricardo Gomes decidiu mexer. Trocou Hernanes por Cléber Santana, mas o time continou pecando na troca de passes.

O Nacional percebia o momento favorável e crescia. Aos dez do segundo tempo, depois de boa tabela pela direita, Bordón recebeu livre para finalizar, mas o chute bateu em Cicinho e foi para escanteio. Dois minutos mais tarde, Ramos arriscou do bico direito da grande área e Rogério Ceni pegou.

E foi justamente quando o Nacional mandava na partida que veio o alívio tricolor. Aos 13, Dagoberto recebeu na direita e foi cortando para o meio. O atacante deu um leve toque para o Washington, que se aproveitou de uma linha de impedimento mal feita e entrou livre na área. O atacante teve calma, driblou o goleiro e abriu o placar.  

O gol acalmou o São Paulo, que passou a trocar passes com mais paciência e inteligência. Nem a entrada do atacante Beltran no lugar de Melgarejo foi o suficiente para assustar o Tricolor.

O Nacional sentiu o baque, foi tomado pelo nervosismo, e quase levou o segundo em belo voleio de Dagoberto, aos 34. O mesmo Dagoberto que por muito pouco não acertou uma bomba de fora da área, quatro minutos depois.

Logo depois do bom chute de fora da área, Dagoberto deu lugar a Fernandinho. E o atacante brilhou aos 44. Recebeu passe de Cléber Santana, dominou no peito, foi para cima da marcação e rolou para Washington, livre, fechar o marcador.

Ficha técnica: 

NACIONAL (PAR) 0 x 2  SÃO PAULO
Caffa, Ramos, Piris, Herminio Miranda e Ricardo Mazacotte; Melgarejo (Beltran), Bordón, Riveros e Carlos Ruiz (Arturo Aquino) (Ariel Bogado); Marcos Miers e Victor Aquino.Rogério Ceni, Cicinho (Rodrigo Souto), Alex Silva, Miranda e Júnior César; Jean, Richarlyson, Hernanes e Marcelinho  Paraíba (Cléber Santana); Dagoberto (Fernandinho) e Washington.
Técnico: Éver Almeida.Técnico: Ricardo Gomes.
Gol: Washington, aos 13 e aos 44 do segundo tempo.
Cartões amarelos: Dagoberto (São Paulo); Herminio Miranda e Rivero (Nacional).
Estádio: Defensores del Chaco, em Assunção (PAR). Data: 11/03/2010. Árbitro: Enrique Osses (CHI). Auxiliares: Julio Díaz Pardo (CHI) e Sergio Román (CHI).

.
 
 
 
eXTReMe Tracker