Página inicial
 
Mural de recados
23.04 | Patativa
Será que os dirigentes do Salgueiro administram o clube tal como os do Central, ...
23.04 | Alvinegro
Deixa de criticar em vem pra luta também,ninguém administra tantos problemas soz ...
23.04 | Paulo alvinegro
Gostaria de deixar bem claro que tem um indiota mandando mensagens para este blo ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
26/02/2010
00h21 | esportes - LIBERTADORES
Em dia de recorde de Ceni, Tricolor perde o jogo e a liderança para o Once Caldas
Time da casa vira partida no segundo tempo e mantém invencibilidade no Palogrande pela competição continental: 18 jogos sem perder

Tinha tudo para ser uma noite boa para o São Paulo . Além de mostrar em campo, no primeiro tempo, superioridade técnica sobre o anfitrião Once Caldas, o goleiro Rogério Ceni entrava para a história. Com o gol de falta aos 33 minutos, tornava-se o maior artilheiro isolado do clube na Taça Libertadores, com 11 tentos. Mas, na segunda etapa, o time comandado por Milton Cruz caiu de produção, foi derrotado pelo dono da casa, de virada, por 2 a 1, na noite desta quinta-feira, no estádio Palogrande, em Manizales, e perdeu a liderança.

Com o resultado, os colombianos, que seguem sem derrotas em casa em 18 jogos na história da competição continental - foram 12 vitórias e seis empates -, assumiram o primeiro lugar do Grupo 2, com seis pontos ganhos. O Tricolor segue com três somados, empatado com o Monterrey (MEX).

O próximo compromisso do time paulista na Libertadores é contra o Nacional, no Paraguai, no dia 11 de março. E o Once Caldas recebe o Monterrey no dia 10.

Ceni abre o placar e entra para a história

Agência/EFE

Ceni celebra seu 11º gol em Libertadores

A torcida do Once Caldas atendeu aos apelos da comissão técnica e compareceu em grande número ao estádio Palogrande. Empolgação não faltou no início: chuva de papel, cantos e muita, muita fumaça. O time, em campo, sentiu a vibração e foi para cima.


O técnico Juan Carlos Osorio surpreendeu na escalação ao montar o esquema com três volantes de marcação no meio e três atacantes fixos. Com Moreno, Uribe e Santoya na frente, a equipe da casa armou uma blitz e não deixou o Tricolor passar do meio-campo nos primeiros minutos. O primeiro lance de perigo colombiano aconteceu aos quatro minutos, quando Santoya avançou nas costas de Jorge Wagner pela esquerda e bateu cruzado. Rogério Ceni espalmou pela linha de fundo.


Aos poucos, a empolgação colombiana diminuiu. O Tricolor, finalmente, conseguiu sair para o jogo. Aos dez minutos, em rápido contra-ataque, Washington deu passe açucarado para Cléber Santana, travado no momento do chute. Na volta, Cicinho cruzou para Washington, que cabeceou por cima do gol adversário.


O tempo passava, e o São Paulo controlava bem as ações do adversário. Fiel ao estilo da marcação forte e saída rápida para o ataque, o time ganhou jogada pelas duas pontas. Isso porque Milton Cruz mudou o posicionamento de Hernanes. O camisa 10 foi jogar bem aberto pela esquerda para fazer dupla com Jorge Wagner e aproveitar os avanços de Vélez. O mesmo aconteceu pela direita, com Cléber Santana aparecendo para o jogo e contando com a companhia de Cicinho.


O melhor futebol do São Paulo se refletiu em vantagem no marcador aos 33 minutos. Hernanes fez bela jogada pela esquerda e foi derrubado na entrada da área. Falta que Rogério Ceni cobrou rasteiro, no meio da barreira, que abriu. A bola desviou e enganou o goleiro Martinez, que pulou para o lado esquerdo, enquanto a bola entrou no lado direito. Festa para Ceni, que, com o tento, tornou-se o maior artilheiro da história do São Paulo na Taça Libertadores, com 11 gols marcados.


O gol fez o estádio Palogrande se calar. E o São Paulo, no contra-ataque, quase fez o segundo. Marcelinho recebeu passe de Washington pela esquerda, cortou a marcação e bateu rasteiro, de pé direito. A bola saiu à direita do gol de Martinez, com perigo.


O Once Caldas, após alguns minutos perdidos, voltou ao ataque. E, antes do fim do primeiro tempo, só não empatou a partida porque parou em Rogério Ceni. Aos 41, o goleiro defendeu em dois tempos uma cobrança de falta de longe de Valencia. E, já nos descontos, o camisa 1 fez grande defesa em chute cruzado de Moreno, após falha de Xandão pelo alto. 

Virada do dono da casa

No segundo tempo, o técnico do Once Caldas resolveu partir para o tudo ou nada. Ele sacou o volante Castrillón para colocar o meia-atacante Cardenas. Logo aos três minutos, o time teve grande chance com Santoya, que recebeu passe açucarado de Moreno e chutou rasteiro, obrigando Rogério Ceni a fazer grande defesa. No minuto seguinte, saiu o gol de empate. Após cobrança de lateral, Marcelinho Paraíba foi tentar ajeitar de peito para Jorge Wagner e tocou fraco. Santoya aproveitou o vacilo e cruzou na cabeça de Uribe, que se antecipou a Xandão e testou firme, no canto direito de Rogério Ceni. O estádio Palogrande veio abaixo.


O São Paulo sentiu o golpe e, por muito pouco, não tomou o gol da virada logo depois. Cardenas fez bela jogada pela esquerda e, de pé direito, acertou o travessão de Rogério Ceni. Na volta, Santoya chutou em cima de Miranda.
O Once Caldas adiantou sua marcação e armou novamente uma blitz. Tinha o controle da partida. Estranhamente, o São Paulo mudou o posicionamento que tinha dado certo no primeiro tempo. Hernanes, que havia ido muito bem pela esquerda, foi para a direita, e Cléber Santana,i para a esquerda. E o time demorou a acertar o seu posicionamento. Quando conseguiu, teve uma grande chance para marcar. Aos 24, Cléber Santana, da entrada da área, deu passe açucarado para Washington que, cara a cara com Martinez, chutou em cima do goleiro, perdendo um gol inacreditável.


Já dizia o ditado popular que quem não faz, toma. E foi exatamente o que aconteceu com o São Paulo. Dois minutos após Washington não conferir, aos 26, Moreno marcou um golaço. Após falha de Jorge Wagner na esquerda, o camisa 17 arrancou do meio-campo, passou por Jean, deu "ovinho" em Miranda, invadiu a área e bateu cruzado, sem defesa para Ceni. Festa para o atacante, que reestreava no time colombiano. Logo depois, o mesmo Moreno arriscou bomba de fora da área. O goleiro são-paulino, milagrosamente, evitou o terceiro gol.


Irritado com o desempenho do time, Milton fez a primeira alteração. Sacou o apagado Marcelinho Paraíba e colocou Rodrigo Souto, que reestreou pelo Tricolor. Com isso, deu ainda mais liberdade para Cléber Santana e Hernanes encostarem em Washington. A tentativa, no entanto, não deu certo. Isso porque o time já não contava com o apoio dos laterais. Cansados, Cicinho e Jorge Wagner não passavam mais do meio-campo. O time só voltou a assustar Martinez aos 41, em lance de Cléber Santana pela esquerda. Ele avançou sobre a marcação adversária, cortou para o meio e bateu rasteiro. O goleiro colombiano rebateu como pôde e, na sobra, a defesa colombiana afastou o perigo.

Ceni ainda precisou trabalhar antes do apito final, com algumas defesas simples. Mas certamente o goleiro deve ter deixado o campo com uma sensação de tristeza, mesmo no dia em que atingiu mais uma marca histórica. Ricardo Gomes, que se recupera de um sangramento cerebral e está de licença, também não deve ter gostado de ver o resultado negativo pela TV. 

Ficha técnica: 

ONCE CALDAS 2 x 1 SÃO PAULO
Martinez, Vélez, Vizcarrondo, Henríquez e Nuñez; Castrillón (Cardenas), Valencia e Arias; Moreno, Uribe (Amaya) e Santoya (Baena).Rogério Ceni, Cicinho, Xandão, Miranda e Jorge Wagner; Jean, Richarlyson, Cléber Santana e Hernanes; Marcelinho Paraíba (Rodrigo Souto) e Washington.
Técnico: J. Carlos Osorio.Técnico: Milton Cruz.
Gols: Rogério Ceni, aos 33 minutos do primeiro tempo; Uribe, aos quatro minutos, e Moreno, aos 26 minutos do segundo tempo.
Estádio: Palogrande, em Manizales (COL). Data: 25/02/2010. Cartão amarelo: Henríquez. Árbitro: Pozo (CHI). Auxiliares: Patrício Basualto (CHI) e Francisco Mondria (CHI).

 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker