Página inicial
 
Mural de recados
27.04 | Givaldo
Esse tal de Patativa devia mudar o nome para Urubu, esse desgraçado só faz corta ...
27.04 | Patativa
Meu Deus isso foi mostrado e um gramado ou um chiqueiro ...
26.04 | MARCOS LEITE
O CENTRAL PERDEU VÁRIOS BONS JOGAGORES Q DISPUTARAM O PERNAMBUCACNO DESSE ANO, A ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
04/07/2015
21h29 | esportes - COPA AMÉRICA
Em jogo emocionante, Chile vence Argentina na disputa de pênaltis e ganha 1º título de expressão
Placar de 0 a 0 persistiu até segundo tempo da prorrogação; Chile bateu Argentina por 4 a 1 nos pênaltis para a festa da torcida no Estádio Nacional, em Santiago

O Chile pôs fim neste sábado a uma longa espera. No mesmo Estádio Nacional em que foi derrotada pela Argentina na final de 1955, a equipe da casa deu o troco ao vencer a atual vice-campeã mundial nos pênaltis (por 4 a 1) e finalmente conquistou seu primeiro título na história ao sediar de novo uma edição da Copa América. O histórico último gol da disputa foi marcado por Alexis Sánchez.

Até então, a torcida chilena se contentava com quatro vice-campeonatos. Havia deixado o título escapar também em 1956 (para Uruguai), 1979 (Paraguai) e 1987 (novamente para o Uruguai).

O título, que também mantém a Argentina em desgraça (sem um troféu desde 1993), coroa uma campanha invicta. Antes da revanche deste sábado, quando foi superior, o Chile tinha passado pela fase de grupos com duas vitórias (Equador e Bolívia) um empate (México). Em seguida, eliminou o Uruguai nas quartas de final e deixou também o Peru para trás. 

Neste sábado, empurrado pela torcida, o Chile foi quem criou a primeira boa chance na partida. Aos dez minutos, Demichelis afastou parcialmente cruzamento rasteiro de Isla. A bola subiu e, na sobra, Vidal pegou de primeira, batendo no canto esquerdo, onde estava Romero. O goleiro argentino espalmou e contou com ajuda da defesa para afastar definitivamente o perigo da área.

A resposta veio em nove minutos, em cobrança de falta da ponta direita. Depois de muita demora por conta de troca de empurrões dentro da área, Messi bateu à meia altura, em direção ao gol. Desviada no meio do caminho, a bola quase enganou o goleiro Claudio Bravo, companheiro do argentino no Barcelona, que conseguiu fazer a defesa no reflexo.

Foi assim, com marcação dura e algumas vezes faltas, que a defesa chilena segurou os avanços argentinos no primeiro tempo e se impôs. Em uma dessas disputas, Di María levou a pior e se machucou, sendo substituído por Lavezzi ainda os 28 minutos. Apesar da baixa precoce, a Argentina continuou aparecendo noataque, ainda que sem grandes lances de Messi.

Também agressivos defensivamente, os argentinos passaram a combater e irritar Valdivia, principal nome da criação chilena, da mesma forma. Só que, a despeito da cobrança do meia, nenhum jogador recebeu cartão amarelo, ao contrário do time anfitrião, que foi para o intervalo com três jogadores advertidos: Francisco Silva, Gary Medel (por um forte chute na barriga de Messi) e Marcelo Díaz.

Por pouco, o Chile também não terminou a primeira etapa castigado com desvantagem no placar. Na última boa jogada, Lavezzi recebeu bola atrasada da linha de fundo e finalizou de primeira, no centro da área. Mas em cima de Bravo, que, sem se movimentar, espalmou a bola para frente e foi beneficiado ainda por uma falta assinalada na sequência.

No retorno do intervalo, sim, os argentinos levaram os primeiros cartões - e também novas investidas chilenas. A partir dos 15 minutos, no entanto, o time treinado por Gerardo Martino livrou-se momentaneamente do domínio adversário e voltou a levar perigo, mesmo que em jogadas de bola parada, principalmente escanteios. Mas o Chile seguia mais coeso taticamente.

Aos 29 minutos, na tentativa de encontrar mais espaços na defesa adversária, Jorge Sampaoli sacou Valdivia – que não gostou da substituição, como de costume – e colocou Matias Fernández em campo. Passados sete minutos, uma boa chance foi criada. Só que, novamente, desperdiçada, em voleio de Sánchez, que mandou a bola rente à trave direita do goleiro argentino depois de ter sido acionado com absoluta liberdade dentro da área.

Em um raro momento de liberdade dado a Messi, a Argentina quase marcou. Ele arrancou do meio-campo, passou por dois marcadores e abriu na esquerda para Lavezzi, que, de primeira, cruzou rasteiro. Vindo de trás, na segunda trave, Higuaín concluiu para fora, para alívio chileno. Foi esse o último lance do tempo regulamentar. No último lance da primeira metade da prorrogação, quem errou foi o Chile, em arremate de Sánchez por cima do gol.

Sem grandes oportunidades nos 15 minutos finais, o título foi decidido nos pênaltis. Matias Fernández abriu a série balançando a rede, e Messi empatou. Depois disso, Arturo Vidal e Charles Aránguiz criaram vantagem graças aos erros de Gonzalo Higuaín (em chute por cima do gol) e Éver Banega (que teve cobrança defendida por Bravo). Com um chute fraco, no centro do gol, Sánchez soltou o grito de campeão das milhões de gargantas chilenas.

CHILE (4) 0 X 0 (1) ARGENTINA

Local: Estádio Nacional, em Santiago (Chile)
Público: 45.693 espectadores
Árbitro: Wilmar Roldán (Colômbia)
Assistentes: Alexander Guzmán e Cristian de la Cruz (ambos da Colômbia)
Cartões amarelos: Francisco Silva, Medel, Marcelo Díaz e Aranguíz (Chile); Rojo, Mascherano e Banega (Argentina)

Pênaltis:
CHILE: Matías Fernández, Vidal, Aránguiz e Sánchez converteram
ARGENTINA: Messi converteu; Higuain e Banega perderam

CHILE: Bravo; Isla, Medel, Francisco Silva e Beausejour; Marcelo Díaz, Aránguiz, Vidal e Valdivia (Matías Fernández); Vargas (Angelo Henríquez) e Alexis Sánchez
Técnico: Jorge Sampaoli

ARGENTINA: Romero; Zabaleta, Demichelis, Otamendi e Rojo; Mascherano, Biglia e Pastore (Banega); Messi, Di María (Lavezzi) e Aguero (Higuain)
Técnico: Gerardo Martino
 
Fonte: Super Esportes. 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker