Página inicial
 
Mural de recados
24.11 | Kaio
Tbm tem q trazer o Naldinho e Caça Rato e trazer um zagueiro experiente ...
22.11 | CLEO
VERDADE MARCONDES ESSA É A HORA DA MASSA ALVINEGRA AJUDAR O CENTRALZÃO. ...
22.11 | MARCONDES
TODOS UNIDOS PELO CENTRAL, IMPRENSA, DIRETORIA E TORCIDA SÓ ASSIM O CENTRAL VAI ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
11/12/2014
00h38 | esportes - Futebol
River Plate bate Nacional, derruba tabu e conquista título inédito da Copa Sul-Americana
CLIQUE E CONFIRA.
 Gazeta AFP/Maxi Failla
 
Gazeta Press 
 
Na noite desta quarta-feira, o River Plate conquistou a primeira Copa Sul-americana de sua centenária história. Atuando no inflamado Monumental de Núñez, os milionários fizeram o dever de casa e superaram o Atlético Nacional, pelo placar de 2 a 0. Os gols do triunfo mandante saíram apenas na segunda etapa, em lances análogos: aproveitando escanteios cobrados por Pisculichi, no setor esquerdo, os defensores Mercado e Pezzella usaram a cabeça para construírem a vantagem em Buenos Aires.

Com o troféu levantado, se encerra um tabu de 17 anos. A última conquista internacional da formação de Buenos Aires havia ocorrido em 1997, na disputa da extinta Supercopa Sul-americana. Na ocasião, a banda roja superou o São Paulo de Darío Pereyra, com atuação excepcional de Marcelo Salas, pelo placar de 2 a 1, após uma igualdade sem gols no Morumbi.

Além da conquista pessoal, o River Plate encerra um jejum imposto pelo indigesto adversário: desde 1997, o Atlético Nacional não era derrotado em solo argentino. Porém, o retrospecto entre as equipes ainda segue equilibrado, com quatro vitórias colombianas, três empates e três triunfos milionários.

Em 2003, os argentinos também chegaram à decisão da Sul-americana. Contudo, acabaram derrotados pelo surpreendente Cienciano, do Peru. Na ocasião, a banda roja, comandada pelo chileno Manuel Pellegrini, atualmente no Manchester City-ING, empatou por 3 a 3 em Buenos Aires e terminou derrotada em Arequipa, distante 2.335 metros do nível do mar, por 1 a 0.

Armani brilha e garante placar zerado no período inicial

O fato de ser argentino e torcedor fanático do River Plate injetou em Armani, goleiro do Atlético Nacional, uma notável sede de interromper a bela festa milionária em Buenos Aires. O arqueiro já começou trabalhando aos dois minutos, em venenoso cruzamento de Pisculichi na área alviverde. Aos oito minutos, o atleta voltou a espalmar uma investida do perigoso enganchemandante e ainda se esticou no rebote para evitar o gol de Carlos Sánchez.

Quando o relógio apontou a marca dos 11, Teo Gutiérrez teve sua primeira chance na partida. Porém, após cruzamento de Vangioni, o colombiano tentou cabecear no contrapé de Armani e acabou encobrindo a meta alviverde. Cinco minutos depois, o centroavante foi acionado com liberdade na área e finalizou cruzado. Porém, lá estava o inspirado goleiro argentino para espalmar com consistência.

Em um intervalo de quatro minutos, Armani praticou três defesas incríveis. Aos 27 minutos, o argentino espalmou uma bela cabeçada de Teo Gutiérrez, após cruzamento do Rodrigo Mora. Com 30 jogados, o goleiro visitante voou no canto esquerdo para evitar o primeiro gol do insistente centroavante colombiano. E, no ataque seguinte, se antecipou e impediu a conclusão do camisa 19, que recebeu um belo passe do parceiro de ataque uruguaio.

A primeira boa chance do Atlético Nacional veio apenas quando o relógio apontou a marca dos 34: em rápido ataque pela ponta esquerda, Luís Ruíz cortou mercado, entortou Ponzio e cruzou na área. Porém, atento, Barovero segurou firme para salvar os donos da casa. Cinco minutos mais tarde, o goleiro milionário fez milagre para evitar a festa colombiana. Acionado em liberdade na área, o habilidoso camisa 10 Cardona finalizou rasteiro, mas viu o camisa 1, com os pés, praticar uma impressionante intervenção.

Todavia, o último lance da partida foi favorável aos argentinos: Rodrigo Mora fez bela jogada e serviu Teo Gutiérrez em liberdade. O colombiano invadiu a área, porém, demorou muito para concluir e se atrapalhou com a marcação que se recuperou, acabando desarmado por Armani.

River Plate usa a cabeça para derrubar jejum e levantar título inédito

AFP PHOTO / STR


Logo aos nove minutos da segunda etapa, o River Plate tratou de incendiar o Monumental de Núñez, inaugurando o marcador. Em cobrança de escanteio efetuada primorosamente por Pisculichi, no setor esquerdo, o defensor Mercado se antecipou à marcação e testou firme, com consciência. Armani voou no canto esquerdo, mas não evitou o balanço da rede.

O tento abateu o Atlético Nacional, que sofreu o segundo aos 14 jogados, em lance análogo. Em novo escanteio cobrado pelo maestro Pisculichi na esquerda, o jovem Pezzella testou firme, no mesmo canto, e venceu o arqueiro argentino, que esbravejou veementemente com a defesa alviverde.

A vantagem mandante poderia ser maior se Darío Ubriaco marcasse pênalti de Valencia em Pisculichi, aos 33 minutos do período final. Porém, as vistas grossas do juiz não diminuíram a festa argentina no Monumental de Núñez após o apito final.

RIVER PLATE 2 x 0 ATLÉTICO NACIONAL

RIVER PLATE: Barovero; Mercado, Pezzella, Funes Mori e Vangioni; Carlos Sánchez, Ponzio (Kranevitter), Ariel Rojas e Pisculichi (Driussi); Rodrigo Mora e Teo Gutiérrez (Cavenaghi)
Técnico: Marcelo Gallardo

ATLÉTICO NACIONAL: Armani; Bocanegra, Nájera (Murillo), Henríquez e Farid Díaz (Guisao); Mejía, Bernal e Valencia; Cardona; Berrío (Cárdenas) e Luís Ruíz.
Técnico: Juan Carlos Osorio

Local: Estádio Monumental de Núñez, em Buenos Aires-ARG
Data: 10 de dezembro de 2014, quarta-feira
Árbitro: Darío Ubríaco-URU
Assistentes: Miguel Nievas-URU e Mauricio Espinosa-URU
Cartões amarelos: Funes Mori (River Plate-ARG); Mejía e Berrío (Atlético Nacional-COL)

GOLS:
 Mercado (aos 9' do 2T) e Pezzella (aos 14' do 2T)
.
 
 
 
eXTReMe Tracker