Página inicial
 
Mural de recados
27.06 | A verdade nua e crua
Fiquei sabendo que o Sousa entrou em campo irregular e clube será punido com a p ...
27.06 | Patativa
Carlos meu amigo alvinegro não perca seu tempo com esses palhaços que querem ver ...
27.06 | Carlos
O verdade nua e crua diga seu nome vc tem medo a merda que vc falou foi tão gran ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
30/04/2013
19h01 | esportes - Futebol
Real vence por 2 a 0 e Dortmund confirma sua classificação à final

O Real Madrid precisava de três gols, mas só vieram dois. E logo nos últimos dez minutos da partida. Quanto sofrimento nesta terça-feira no Santiago Bernabéu! Se aquela bola de Higuaín aos quatro minutos tivesse entrado... Acabou que a atuação de gala de Lewandowski, no jogo de ida, quando fez quatro gols, classificou o Borussia Dortmund para sua segunda final de Liga dos Campeões (foi campeão em 1997), e adiou outra vez o sonho da décima orelhuda dos merengues. 

José Mourinho tentou levar o Real para o ataque, mas encontrou um rival muito bem armado por Jürgen Klopp. Acabou que o Borussia só foi furado nos momentos finais. Sofreu muita, mas muita pressão, mas é o primeiro alemão nestes confrontos de semifinal a se garantir na decisão da Liga dos Campeões em Wembley. Nesta quarta-feira o segundo capítulo dos duelos contra espanhóis: o Barcelona precisa inverter uma derrota por 4 a 0 contra o Bayern de Munique no Camp Nou.

Nos quatro duelos entre os dois clubes nesta Liga dos Campeões, foi a única vez que o Real Madrid venceu o Borussia. Os alemães venceram duas, além de um empate. Aliás, o duelo desta terça marcou a queda da invencibilidade do time no torneio.

O JOGO

   
Mourinho orienta o Real na beira do campo (Foto: Javier Soriano/AFP)

Sabe quando um time precisa do gol desesperadamente e nos últimos cinco minutos vai para o tudo ou nada? Foi praticamente isso que aconteceu durante a partida. José Mourinho não chegou a ser tão maluco e lançar a equipe sem volantes ou com apenas um zagueiro. Mas o ritmo foi parecido. Quanto à escalação, tirou Khedira e colocou Modric. De resto, normal.

A postura do time dentro de campo é que foi agressiva. Os jogadores iam para cima quase que sem uma disciplina tática. Era Di María para cá, Özil para lá, Cristiano Ronaldo por aqui, Higuaín rodando. Aliás, foi do centroavante que veio a primeira grande chance espanhola.

O argentino, logo aos quatro minutos, saiu na cara do goleiro Weidenfeller. Poderia fazer 1 a 0 no início do jogo e colocar fogo no Santiago Bernabéu. Mas não. O goleiro venceu o lance.

Depois disso, ataques e mais ataques merengues. Na base da bagunça e do abafa, boas infiltrações e até um certo nervosismo na hora de finalizar. Parecia que o Borussia ficaria mais inofensivo com a saída de Götze, machucado. Grosskreutz entrou em seu lugar.

E o quarteto com ele, Reus, Lewandowski e Blazsczkowsky puxava alguns contra-ataques, mas não criava lá tantos perigos.

SEGUNDO TEMPO

Na volta para a etapa final, por pouco que Lewandowski não se torna ainda mais carrasco do Real Madrid logo aos quatro minutos, como se não bastasse o pôquer (quatro gols) no jogo de ida. Bola de Reus foi na medida e o atacante polonês soltou um tiro no travessão.

Depois disso, Mourinho sentiu a necessidade de tentar algo diferente, talvez até mesmo alguma loucura. Ainda com tempo de jogo e com bastante por vir, ele fez sua substituição padrão: Benzema no lugar de Higuaín. Mas em outra ele surpreendeu. Colocou o brasileiro Kaká para tirar Fábio Coentrão.

Kaká entrou no segundo tempo e participou do primeiro gol do Real (Foto: Javier Soriano/AFP)

Aí ele assumiu de vez a condição de "vamos no abafa", na bagunça mesmo, e quem sabe o gol sai. Mas foi o Borussia que passou a dominar. Pelo menos nos minutos seguintes. O tiro foi pela culatra. Quase, na verdade, pois Diego López fez defesa de cinema em finalização de Gundogan após passe de Reus.

Para tentar dar um pouco de firmeza no meio, Mourinho acabou lançando Khedira no lugar de Xabi Alonso, talvez pelo menos para colocar juventude, de repente mandar o alemão ficar preso e liberar os companheiros de setor. Mas acabou que o volante foi o retrato do nervosismo, em chute totalmente sem propósito para muito longe.

Tanto foi, tanto foi, que saiu um golzinho. Jogada boa iniciada por Kaká, que abriu para Özil na direita. O alemão colocou no meio da área para Benzema, que deixou balançou a rede. Já eram 37 minutos e veio uma pressão absurda.

Benzema fez o primeiro gol e deu esperanças para torcida do Real Madrid (Foto: Javier Soriano/AFP)

Depois de bagunça, furada, chute para todos os lados, a bola sobrou para Sergio Ramos na área. Ele chutou forte e fez o gol. A correria no final não resultou no terceiro gol merengue, mas garantiu emoção. E muita! Mas é o Borussia que está na final.

FICHA TÉCNICA
REAL MADRID 2 X 0 BORUSSIA DORTMUND

Local: Santiago Bernabéu, em Madri (ESP)
Data-hora: 30/04/2013, às 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Howard Webb (ING)
Auxiliares: Darren Cann (ING) e Michael Mullarkey (ING)

Gols: Benzema (37'/2ºT), Sergio Ramos (43'/2ºT)

Cartões amarelos: Fábio Coentrão, Higuaín, Sergio Ramos e Khedira (REA), Gundogan, Bender, Weidenfeller (BOR)
Cartões vermelhos: nenhum

REAL MADRID: Diego López, Essien, Varane, Sergio Ramos e Fábio Coentrão (Kaká, 11/2ºT); Xabi Alonso (Khedira, 22'/2ºT), Modric e Özil; Di María, Cristiano Ronaldo e Higuaín (Benzema, 11'/2ºT). Técnico: José Mourinho

BORUSSIA DORTMUND: Weidenfeller, Piszczek, Subotic, Hümmels e Schmelzer; Gundogan, Bender (Felipe Santana, 45'/2ºT) e Götze (Grosskreutz, 14'/1ºT); Blaszczykowski, Reus e Lewandowski (Kehl, 41'/2ºT). Técnico: Jürgen Klopp


.
 
 
 
eXTReMe Tracker