Página inicial
 
Mural de recados
24.06 |
Soube que a procura de ingressos foi fraca... Que torcida fraca essa do central ...
24.06 | Gustavo
Lembro de quando anunciaram essa parceria com Granada fiz uma pesquisa e vi que ...
24.06 | Kaio SGD
Olha nos desfalque só o que poder atrapalhar é o desfalque de Agenor o resto pod ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
27/06/2012
05h43 | esportes - LIBERTADORES
LIBERTADORES: Boca Juniors x Corinthians - Vai começar a batalha final
O primeiro jogo da decisão será disputado na mística La Bombonera

O Corinthians está a dois passos do paraíso. O maior sonho da Fiel nunca esteve tão perto de ser realizado. Faltam "apenas" 180 minutos e o penúltimo degrau para o clube alvinegro poder alcançar o topo da América será vencido nesta quarta-feira, a partir das 21h50 (de Brasília), no mítico estádio de La Bombonera, em Buenos Aires, diante do perigosíssimo Boca Juniors.

Com um time sem craques, formado apenas por operários, o Corinthians, enfim, chegou à final da Copa Libertadores depois de 52 anos de história da competição. E é justamente essa face "cascuda" e "raçuda" da equipe que faz o seu torcedor acreditar que "deste ano não passa".

Na maioria das nove vezes que o Corinthians caiu na Libertadores antes de atingir o Olimpo, a equipe contava com vários jogadores acima da média (para ficar nos exemplos mais recentes, foi assim em 1999, 2000 e 2006), mas falhava na hora H, talvez por se arriscar demais e não saber dosar o tempo de jogo.

Sem ousadia
Com esse time de Tite, não há ousadia. A equipe vai ao ataque na base do conta-gotas. Parece saber exatamente o que quer do jogo e não se deixa levar pelo adversário. Se não marca muitos gols, pelo menos não toma também - foi vazado apenas três vezes em 12 jogos, melhor marca da história daLibertadores. Assim, o Corinthians foi derrubando seus adversários e se fortalecendo ao longo da competição - não custa lembrar que a trajetória da equipe começou com um suado empate por 1 a 1 contra o fraco Deportivo Táchira, na Venezuela, garantido apenas nos minutos finais com um gol de cabeça do volante Ralf.

A maior prova de que dá para confiar nesse time foi dada à Fiel nas semifinais contra o Santos. Sem jogar um futebol vistoso, de encher os olhos, a equipe soube anular as principais peças do atual campeão da Libertadores (leia-se Neymar e Paulo Henrique Ganso) e aproveitar os espaços oferecidos. Simples assim, chegou à decisão com todo merecimento.

Contra o Boca Juniors, a tática não será alterada. Sem se expor, a meta é voltar para casa com pelo menos um empate. Na pior das hipóteses, derrota por apenas um gol de diferença - na final, gols marcados fora de casa não contam mais como critério de desempate. Em uma decisão de 180 minutos, Tite sabe muito bem que é importantíssimo chegar no dia 4 de julho, no Pacaembu, em boas condições. Além de fazer bem para o moral do grupo, isso inflará ainda mais a fanática torcida corintiana.

Torcida empolgada
Tanta confiança é retratada com o comportamento de quem acompanha ou torce pelo time do Parque São Jorge.

No embarque, em São Paulo, na última segunda, clima festivo. No desembarque, a mesma coisa. A torcida, antes receosa, agora arrisca até sua pele para ver o time de perto, na torcida adversária.

Entre os dirigentes, difícil não ver um mostrando a alegria em um farto sorriso e ar de satisfação. Como nunca se viu, o Corinthians está mais do que pronto para deixar de ser o alvo das piadas dos adversários.

Basta provar que a crença de sua torcida é maior do que qualquer mandinga vinda de todos os lados. Manter a invencibilidade de 12 jogos na competição deste ano é dar um passo gigantesco à glória.

Velho conhecido da Fiel é a arma do Boca
O fato de Santiago "El Tanque" Silva já ter defendido o Corinthians não significa que o torcedor alvinegro conheça bem o atacante do Boca Juniors. E a razão é simples: sua passagem pelo Parque São Jorge, em 2002, foi pífia. Em seis meses, o uruguaio disputou apenas cinco partidas e não marcou nenhum gol. Deixou o clube alvinegro rumo ao Nacional, do Uruguai, sem deixar saudades.

Nestes dez anos que separam a saída do atacante do Corinthians e o seu reencontro com o clube na decisão da Copa Libertadores, muita coisa aconteceu na vida de Santiago Silva. Depois de fracassar no Nacional, ele ainda jogou no River Plate, do Uruguai, antes de tentar a sorte na Europa. Passou pelo pequeno Energie Cottbus, da Alemanha, e depois pelo Beira-Mar, de Portugal. Voltou para casa, perambulou por clubes uruguaios e argentinos e só foi se encontrar no Banfield, em 2009. Sob o comando de Julio César Falcioni (não por acaso o seu técnico agora no Boca Juniors), ele foi um dos principais responsáveis pelo título inédito do Banfield no Torneio Apertura - marcou 14 gols e foi artilheiro da competição.

Em alta, foi mais uma vez artilheiro do Apertura no seguinte, desta vez pelo Vélez Sarsfield. Em 2011, o título argentino lhe rendeu uma transferência para a Fiorentina por US$ 2,5 milhões (pouco mais de R$ 5 milhões). Na Itália, porém, praticamente não jogou.

Vendo o homem que lhe ajudou - e muito - a ganhar o título argentino de 2009 encostado na Europa, Falcioni pediu a sua contratação para a diretoria do Boca Juniors. O time precisava de mais peso no ataque e o treinador via no atacante, já com 31 anos, essa referência. Forte, Santiago Silva prende bem a bola, sabe fazer o pivô para os homens de trás e se poderia se encaixa no time.

A negociação foi longa e precisou de uma autorização especial da Fifa, já que a entidade não permite que um atleta defenda mais de dois clubes em uma mesma temporada. No dia 14 de fevereiro, contra o Zamora, da Venezuela, ele enfim fez a sua estreia pelo Boca Juniors na Libertadores. Duas semanas depois, foi inscrito no Campeonato Argentino devido à lesão de Nicolás Colazo - a autorização causou protesto do Vélez Sarsfield.

Santiago Silva, porém, não fez tanta diferença no Campeonato Argentino, tanto é que só foi balançar as redes na oitava rodada Suas atuações de maior destaque foram na Libertadores, sobretudo no mata-mata, quando fez gols em todas as fases. Nas oitavas de final, deixou sua marca contra o Union Española, do Chile. Nas quartas, eliminou o Fluminense e nas semifinais abriu caminho para a vitória por 2 a 0 sobre a Universidad do Chile.

Ficha Técnica
Boca JúniorsxCorinthians

Fase
Final Rodada
Data
27/06/2012 Horário
21h50 Local
Estádio La Bombonera , em Buenos Aires (Argentina) Árbitro
Enrique Osses (Fifa/Chile).

Assistentes

Boca Júniors

Orión;
Roncaglia, Schiavi, Caruzzo e Rodríguez; 
Ledesma, Somoza, Erviti e Riquelme;
Mouche e Santiago Silva.

Técnico: Julio César Falcioni.

Corinthians

Cássio;
Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Fábio Santos;
Ralf, Paulinho, Danilo e Alex; 
Jorge Henrique e Emerson.

Técnico: Tite.


.
 
 
 
eXTReMe Tracker