Página inicial
 
Mural de recados
16.10 | MARCONDES
É VERDADE CLEO, SE PESQUEIRA É AZUL E AMARELO ELES USA TODO D AZUL , TEM CABENSE ...
16.10 | VICTOR HUGO
OS 2 CAIXÕES DE PANCADA DA SEGUNDONA, FERROVIARIO DO CABO E CHÃ GRANDE JÁ ESTÃO ...
14.10 | CLEO
EU ACHO Q O PESQUEIRA TEM JOGAR TODO DE AMARELO SÓ O NUMERO AZUL, JÁ TEM MUITOS ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
13/06/2012
18h59 | esportes - EUROCOPA 2012
Em dia de Schweinsteiger e Mario Gomez, Alemanha bate a Holanda

O clássico Holanda x Alemanha virou sinônimo de jogo emocionante quando a competição é à vera. Correto? Mais uma vez. Tem sido assim em Copas do Mundo e em Eurocopas. Nesta quarta-feira, pela edição 2012 da Euro, voltou a empolgar os torcedores. A partida válida pelo grupo B, no Estádio Metalist, em Carcóvia, na Ucrânia, certamente vai entrar na lista dos bons jogos. Ainda que longe do que foi a decisão da Copa de 1974 e a semifinal do europeu de 1988, será lembrada pela tentativa de reação holandesa no segundo tempo, após incontestável domínio alemão na primeira etapa.

Mas essa superioridade técnica e tática mostrou por que a seleção alemã treinada por Joachim Low é uma das favoritas ao título. A vitória por 2 a 1 foi cristalina. Mario Gomez, na primeira etapa, marcou os dois gols da vitória, após belos passes de Schweinsteiger. O atacante, além de se igualar na artilharia da competição com o russo Dzagoev, praticamente selou a classificação da equipe para a próxima fase, com duas vitórias.

 Thomas Mueller comemora gol da Alemanha contra a Holanda (Foto: Reuters)Thomas Mueller comemora o primeiro gol de Mario Gomez contra a Holanda (Foto: Reuters)

Na última rodada, no próximo domingo, os alemães enfrentam a Dinamarca e jogam pelo empate para não depender de outro resultado. A Holanda, em situação difícil na competição, enfrentará Portugal - que venceu a Dinamarca nesta quarta por 3 a 2 - precisando vencer com dois gols de diferença e torcendo por triunfo alemão sobre os nórdicos.  As duas partidas serão às 15h45. Com duas derrotas até agora, os laranjas só passarão à próxima fase se fizerem três pontos para se igualarem a Portugal e Dinamarca e levarem vantagem no segundo critério, o saldo de gols - lusos e nórdicos têm saldo zero, contra menos dois dos holandeses. 

 

O curioso na competição é que o primeiro critério de desempate é confronto direto. No caso, ficaria empatado entre as três seleções caso Holanda e Alemanha vençam domingo. O empate em pontos entre Holanda, Portugal e Dinamarca levaria a um minicampeonato: Dinamarca perdendo para Portugal, que perderia para a Holanda, que foi derrotada pela Dinamarca.... Daí a necessidade do desempate pelo saldo de gols.

Alemães melhores

 

O começo foi típico de um clássico como Holanda x Alemanha. Jogadas bonitas, lances com emoção. Os alemães mostraram que jogariam com o regulamento debaixo do braço. Com a vantagem de terem vencido Portugal na primeira rodada, podiam se dar o luxo de esperar os holandeses, necessitados de uma vitória, deixarem espaços.

Ainda abalada com a derrota para a Dinamarca na primeira rodada, a Holanda sabia que mudar muito o repertório não ia resolver. Para chegar ao gol, o melhor caminho era pelo meio, com Sneijder organizando a casa, ou com Robben em velocidade pela direita. E o destino da bola sempre para Van Persie. Em 10 minutos, houve três chances de gol dos dois lados. E a vantagem aí foi laranja.

A surpresa foi que a primeira grande jogada não saiu dos pés de Sneijder. Van Bommel, o incansável camisa 6, caprichou no longo lançamento para a grande esperança de gols. Van Persie, até então decepcionante, resolveu bater de primeira em vez de dominar para colocar. Jogou a chances nas mãos de Neuer.

Os alemães trataram logo de dar a resposta. Aproveitando rebatida errada do mesmo Van Bommel, Ozil bateu com a sua certeira canhota. A bola tocou na trave e depois foi âs mãos de Stekelenburg.

A velocidade do jogo aumentou, principalmente por conta de Robben. Numa daquelas arrancadas da direita para o meio, deixou Lahm para trás e serviu Van Persie. Mais uma vez, o homem-gol holandês falhou e tocou para fora.

Essa era a diferença básica de holandeses para alemães: a aposta no nome para decidir. Van Persie, bem no Arsenal, da Inglaterra, não repetia o brilhantismo na seleção laranja. Enquanto Huntelaar mostrava-se visivelmente contrariado no banco com o técnico Bert Van Marwijk pela falta de oportunidade de começar jogando, do lado alemão Mario Gomez correspondia à confiança de Joachim Low.

Mario Gomez comemora gol da Alemanha contra Holanda (Foto: Reuters)Frio e certeiro, Mario Gomez, com os dois gols, empata na artilharia da Euro-2012 (Foto: Reuters)

O atacante do Bayern de Munique mostrou por que é o titular hoje da posição e deixou Klose no banco da seleção alemã. Tudo bem que ter um Schweinsteiger no time é uma vantagem e tanto. O camisa 7 alemão, por pouco sacado dessa partida por questões físicas, serviu com açúcar e com afeto o camisa 23. Mas Gomez fez com competência a sua parte. Girou bonito como se jogasse futsal e bateu sem defesa para Stekelenburg, aos 23 minutos.

Ponto para mais uma correta aposta do técnico Joachim Low. Com Schweinsteiger bem posicionado, Ozil e Thomas Müller tocando rápido e a Holanda mais desarvorada com a desvantagem, a Alemanha ficou cirúrgica. A marcação a Robben melhorou. Lahm e Khedira se acertaram por ali.  Do lado direito, a equipe se aproveitava da pouca experiência do novato Willems. Em falta por ali, Ozil cobrou na cabeça de Badstuber. Stekelenburg salvou a pátria laranja.

Mas não dava para fazer milagre. No minuto seguinte, ali mesmo, pela direita, em nova troca de passes, Schweinsteiger repetiu a dose e serviu Mario Gomez. O tiro certeiro, cruzado, decretou a boa vantagem na primeira etapa: 2 a 0, aos 37 minutos. O camisa 23 conseguia também empatar na artilharia da competição com o russo Dzagoev, com três gols. Àquela altura, os holandeses torciam para o primeiro tempo acabar. Aos 46, Schweinsteiger quase ampliou. O apito do árbitro aliviou um pouco. Era torcer para tudo mudar no segundo tempo.

Robin van Persie, Holanda x Alemanha (Foto: Agência AFP)Robin van Persie, finalmente, desencanta na Euro. Mas Holanda perde mais uma (Foto: Agência AFP)

Reação holandesa

A Laranja entrou mudada. Bert Van Marwijk sacou Van Bommel e Afelay - esse uma nulidade na primeira etapa - para pôr Van der Vaart e Huntelaar. A superioridade em posse de bola, no entanto, não significava susperioridade. Até porque o sistema defensivo alemão estava impecável, principalmente porque Hummels seguia soberano no desarme e até quando ia à frente. Aos 6 minutos, arrancou até a área holandesa e obrigou Stekelenburg a duas grandes defesas - a primeira e a do rebote.

Com Ozil no comando das ações e Robben e Sneijder apagados, parecia que a Alemanha repetiria o domínio técnico e tático até Van Persie obrigar Neuer a grande defesa, aos 12 minutos. A Holanda acordou. Sneijder também. O camisa 10 surpreendeu de longe. Coube a Neuer apenas torcer para a bola sair. A torcida do goleiro deu certo.

Mas a partida mudou. A Holanda ganhou confiança e diminuiu os buracos na defesa. O passe no meio-campo melhorou com Van der Vaart. Sneijder e Robben apareciam mais na criação. E Van Persie, finalmente, desencantou na Euro. Ao receber de Robben, arrancou pela meia esquerda e bateu sem defesa para Neuer, aos 27 minutos.

A torcida holandesa começou a empurrar o time. Low trocou Mario Gomez por Klose e Ozil por Kroos. Depois, no lado holandês, o treinador pôs Kuyt no lugar de Robben, que saiu insatisfeito. No fim, o goleiro Stekelenburg ainda se complicou, quase dando um gol para Klose. Já no desespero, a Holanda não conseguiu o empate. O time alemão, após o triunfo, foi agradecer ao apoio da torcida. Agora, é conseguir mais um ponto para seguir na próxima fase.

HOLANDA 1 X 2 ALEMANHA
Stekelenburg, Van der Wiel, Heitinga, Mathijsen e Willems; Van Bommel (Van der Vaart), De Jong, Sneijder; Robben (Kuyt), Afellay (Huntelaar) e Van PersieNeuer, Boateng, Hummels, Badstuber e Lahm; Khedira, Schweinsteiger), Müller (Bender) e Özil (Kroos); Podolski e Mario Gómez (Klose).
Técnico: Bert Van MarwijkTécnico: Joachim Löw
Gols: no primeiro tempo, Mario Gomez, aos 23 e 37 minutos. No segundo tempo, Van Persie, aos 27 minutos.
Cartões amarelos: De Jong e Willems (HOL) e Boateng (ALE).
Local: Estádio Metalist, em Carcóvia (Ucrânia). Data: 13 de junho de 2012. Competição: Eurocopa 2012. Arbitragem: Jonas Eriksson (Suécia), auxiliado pelos compatriotas Stefan Wittberg e Mathias Klasenius.

,
 
 
 
eXTReMe Tracker