Página inicial
 
Mural de recados
23.08 | Fabio
Times que o central mais enfrentou (10 primeiros): 1º) Santa Cruz - 22 2º) C ...
23.08 | Fabio
E aí galera centralina. Fiz um dossiê dos confrontos do Central em competições n ...
21.08 | Israelito Almeida
Maravilhosa Graça! De longe fica difícil avaliar, somente com as informações ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
10/08/2011
17h43 | esportes - AMISTOSO
Brasil passa sufoco e é derrotado pela Alemanha
Mano Menezes segue sem vencer seleções tradicionais no comando da equipe brasileira
Há um ano à frente da Seleção Brasileira, Mano Menezes segue sem vencer equipes tradicionais. Depois de perder para Argentina e França e empatar sem gols contra a Holanda, o Brasil foi derrotado, nesta quarta-feira, pela Alemanha, por 3 a 2, em amistoso realizado em Stuttgart.

A equipe comandada por Mano entrou em campo com uma nova formação. Sem poder contar com Lucas, que cumpria suspensão após ser expulso na partida contra o Paraguai, ainda pela Copa América, Mano optou pelo corintiano Ralf ao lado de Ramires no meio de campo. Outra mudança foi a escalação de Fernandinho, do ucraniano Shakhtar Donestsk, no lugar de Ganso, que ficou no banco e só entrou na segunda etapa.

As mudanças, no entanto, não surtiram muito efeito. A Seleção foi praticamente dominada pela Alemanha no primeiro tempo e, apesar de não ter passado sufoco, chegou a ter menos de 35% de posse de bola em determinado momento do jogo.

O trio de ataque formado por Robinho, Pato e Neymar mostrou mais entrosamento, mas ainda falta à equipe de Mano o tradicional camisa 10, rsponsável pela criação das jogadas perigosas.

Pato teve uma boa oportunidade ainda nos primeiros minutos, e Neymar fez uma boa jogada que quase resultou em uma cabeçada de Robinho. Em jogada de bola parada, Daniel Alves obrigou Neuer a fazer uma difícil defesa. E foi só.

Do lado alemão, as principais jogadas saíram dos pés de Kroos e Podolski. Os jovens Müller e Götze, principais promessas da equipe germânica, começaram o jogo discretamente.

No segundo tempo, o jogo foi outro

Os gols da partida só saíram na segunda etapa. Logo no início, Ramires iniciou um contra ataque em velocidade, passou para Fernandinho, que viu Pato livre à direita da área. O atacante milanista tentou encobrir Neuer, mas a bola saiu pela linha de fundo, na melhor chance de gol do jogo.

A Alemanha respondeu com um chute de fora da área de Lahm, que Julio Cesar quase deixou entrar, mas acabou defendo com o ombro depois que a bola pegou efeito.

O time alemão mostrou em campo o talento que faltou à Seleção Brasileira na jogada que resultou no gol germânico. Klose recebeu um lançamento primoroso na linha de fundo, tocou de calcanhar para Schürrle, que lançou Kroos na área. O meia entrou driblando e foi derrubado por Lúcio, em pênalti que Schweinsteiger cobrou certeiro, sem chance para Julio César.

Seis minutos depois de abrir o placar, a seleção alemã fez uma pintura em Stuttgart. Müller deu início à jogada pela direita, que ainda teve direito a uma bela tabela entre Kroos e Klose, antes de Götze invadir à área livre, driblar Julio César e tocar para o gol vazio.

Em um segundo tempo muito mais emocionante que os 45 minutos iniciais, o Brasil empatou também de pênalti. Lahm derrubou Daniel Alves na área, e Robinho cobrou bem a penalidade.

Mas a partida era mesmo dos alemães. Em sua pior atuação com a Amarelinha, André Santos conseguiu perder a bola dentro da área para Schweinsteiger duas vezes no mesmo lance. O meia alemão mostrou a garra que passou longe do time brasileiro e, depois de vencer o duelo com o fraco lateral brasileiro, tocou para Schürrle chutar forte e fazer o terceiro.

Desestruturado, o Brasil por pouco não sofreu mais um gol no fim do jogo, o que resultaria na primeira goleada sofrida por Mano à frente da Seleção. Para não deixar o placar final tão dilatado, Neymar mandou uma bomba de fora de área já nos acréscimos, e fez o segundo gol brasileiro. De qualquer maneira, o Mano agora precisa de uma vitória convincente, de preferência sobre uma seleção de ponta, para pôr fim aos quastionamentos sobre o seu trabalho.


FICHA TÉCNICA:

ALEMANHA 3 X 2 BRASIL

Estádio: Mercedes-Benz Arena, Stuttgart (ALE)
Data/hora: 10/8/2011 - 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Viktor Kassai (HUN)

Cartões amarelos: Ganso (BRA)
Cartões vermelhos: Não houve
GOLS: Schweinsteiger, 15'/2ºT (1-0); Götze, 21'/2°T (2-0); Robinho, 26'/2°T (2-1); Schürrle, 31'/2°T (3-1); Neymar, 46'/2°T (3-2)

ALEMANHA: Neuer, Träsch, Hummels (Boateng, 41'/2°), Badstuber e Lahm; Schweinsteiger (Rolfes, 40'/2°T), Kroos, Götze (Cacau, 41'/2°T) e Müller; Podolski (Klose, no intervalo) e Mario Gómez (Schürrle, no intervalo). Técnico: Joachim Löw.

BRASIL: Julio César, Daniel Alves, Lúcio, Thiago Silva e André Santos (Luiz Gustavo, 40'/2°T); Ralf, Ramires e Fernandinho (Ganso, 23'/2°T); Robinho (Renato Augusto, 40'/2°T), Alexandre Pato (Fred, 31'/2°T) e Neymar. Técnico: Mano Menezes.



.
 
 
 
eXTReMe Tracker