Página inicial
 
Mural de recados
18.08 | Patativa
Com certeza essa chapa de Clóvis Lucena irá vencer,a outra só tem liso sem futur ...
18.08 | MARCOS LEITE
NA ELEIÇÃO DO CENTRAL, TEM QUANTOS CANDIDATOS A PRESIDENTE? EIS A QUESTÃO PROCUR ...
17.08 | Ronaldo fonseca
As bate chapas está aí! Qual será a mais benéfica para O glorioso????? De a s ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
01/02/2016
17h17 | esportes - PE 2016
PE 2016 - Náutico vence o Santa Cruz por 2x0, na Arena Pernambuco
Os grandes jogos costumam ser decididos nos erros. Vence aquele time que comete menos equívocos. Chega ao triunfo a equipe mais eficiente. Foi assim no Clássico das Emoções desta segunda-feira à noite. Após um primeiro tempo equilibrado, em que as duas equipes denotavam a falta de padrão de jogo típica de início de temporada, a partida ganhou contornos completamente distintos na etapa final. Um erro do Santa Cruz permitiu ao Náutico se colocar à frente do marcador aos dois minutos. Em vantagem, o Timbu esperou os tricolores para, como uma cobra, dar o bote. E foi em outro equívoco coral que Bérgson encontrou o 2 a 0 que deu ao Náutico a vitória no clássico.

Um lance logo ao primeiro minuto, que poderia parecer fortuito, seria uma antevisão do que se veria ao longo da etapa inicial. A entrada dura de Lelê em Roni, seguido por um desentendimento entre eles, seria a tônica do primeiro tempo. Um confronto que, na falta de condicionamento e ritmo de jogo de ambas as equipes, sobrou a vontade e a raça, que muitas vezes descambava para o excesso. Que se refletiu no número elevado de faltas e, principalmente, de cartões amarelos: seis no total.

Distintas eram as estratégias de Náutico e Santa Cruz. Os alvirrubros priorizavam a posse de bola e tentavam progredir em campo, na base do jogo construído desde a sua defesa - Rodolpho, por exemplo, batia os tiros de meta sempre para um dos zagueiros. Enquanto os tricolores apostavam nos contra-ataques, aproveitando os espaços deixados pela falta de dinâmica na recomposição defensiva timbu, que muitas vezes tinha Elicarlos sozinho no primeiro combate de proteção à defesa.

Foi assim que o Santa Cruz, apesar de ter menos a posse da bola na etapa inicial, conseguiu chutar mais vezes ao gol alvirrubro. Porém, sem profundidade e amplitude, o tricolor apostava em chutes de fora da área, como os de Daniel Costa e Raniel. 

 

 Já o Náutico, contava com Rodrigo Souza como volante construtor para sair pelo meio e municiar os pontas, especialmente Roni, que deixava Tiago Costa em desespero sempre que ia no um para um. A melhor chance alvirrubra, não por acaso, saiu de um cruzamento da direita - de Rodrigo Souza - para Bérgson que, sozinho, cabeceou mal e praticamente recuou para Tiago Cadordo. Ao intervalo, o zero no placar fazia justiça ao que foi o primeiro tempo.


Segundo tempo
O jogo mal foi retomado e o Santa Cruz deu um presente ao Náutico. Falta mal batida no ataque deu um contra-ataque ao incisivo e veloz Roni. O atacante colocou a bola na frente e só foi parado na falta, já dentro da área: pênalti. Ronaldo Alves bateu e abriu o placar. 

O gol madrugador alvirrubro provocou uma inversão de papéis. Se no primeiro tempo o Santa Cruz buscava explorar os contra-ataques, com o tricolor atrás no marcador e se lançando para a frente, era o Náutico que passava a se posicionar atrás para dar o bote e aproveitar a velocidade de Roni e Bérgson. 

E foi na base das transições ofensivas rápidas, com passes verticais em profundidade, que o Náutico consolidou o seu triunfo. Bérgson, depois de desperdiçar duas grandes oportunidades de frente para Thiago Cardoso, não viria a falhar à terceira tentativa. Após erro de João Paulo no meio de campo, Thiago Santana lançou Bérgson, que teve toda a paciência para ampliar o marcador para o Timbu e dar números finais ao clássico.

Náutico
Rodolpho; Rafael Pereira, Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Gastón; Elicarlos (Fernando Pires) e Rodrigo Souza; Roni, Caíque (Eduardinho) e Bérgson; Daniel Morais (Thiago Santana). Técnico: Gilmar Dal Pozzo.

Santa Cruz
Tiago Cardoso; Vitor, Alemão, Danny Morais e Tiago Costa; Wellington Cézar, João Paulo e Daniel Costa (Renatinho); Lelê (Pedrinho Botelho) e Raniel (Bruno Moraes); Grafite. Técnico: Marcelo Martelotte.

Local: Arena Pernambuco (São Lourenço da Mata-PE). 
Árbitro: Emerson Sobral (PE)
Assistentes: Fernanda Colombo (PE) e Albert Júnior (PE).
Gols: Ronaldo Alves (2`do 2T, Náutico)
Cartões amarelos: Rodrigo Souza, Bérgson e Elicarlos (Náutico); Lelê, Tiago Costa, Alemão, Danny Morais, João Paulo e Wellington Cézar (Santa Cruz);
Público: 9.296
 
DO SUPER ESPORTES 
 
 
Bergson Náutico (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press) (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)
.
 
 
 
eXTReMe Tracker