Página inicial
 
Mural de recados
25.09 | Freddy Renner
Eu só tô vendo números positivos para o Náutico, com essa parceria. Algum torced ...
25.09 | Severino
Prefeita de Caruaru? Quem tiver notícias dela, ganha um prêmio!!! ...
25.09 | MARCONDES
VAMOS APOIAR E ACREDITAR COM NOVA DIRETORIA, O CENTRAL VAI SE ORGANIZAR, NÁUTICO ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
24/02/2015
15h36 | esportes - Futebol PE
Governo de PE cria grupo para avaliar custos da Arena Pernambuco e tornar estádio viável
Em seu orçamento inicial, a construção da Arena Pernambuco tinha custo previsto de R$ 532 milhões. Valor que foi elevado. A aceleração nas obras para que o estádio ficasse pronto a tempo da Copa das Confederações, em 2013, foi uma das razões que fez com que, em 2014, o governo do estado estimasse o custo na casa dos R$ 630,5 milhões. Esta, contudo, não é a única conta que ainda não está fechada. Questões como o custo variável da manutenção do equipamento e sua viabilidade financeira ainda precisam ser elucidadas. Para dirimir essas dúvidas, o vice-governador Raul Henry constituiu um grupo de trabalho, cujos estudos se propõem a encontrar soluções para que a conta não fique tão cara para os cofres públicos.

Ressaltando que a decisão de construir a Arena para ser sede da Copa do Mundo foi correta, diante da “visibilidade internacional para o estado”, Raul Henry esclareceu que o intuito do grupo de trabalho é fornecer ao próprio governo elementos para que a Arena gere menos custos ao estado.

“Precisamos saber qual é o custo da Arena. Qual é o custo fixo dela. Qual é o custo variável. Quais são as perspectivas reais de receitas que ela tem. E encontrar o melhor modelo para a sua gestão”, disse Raul Henry. “Ver como é que o estado pode se posicionar melhor dentro desse contrato para que essa arena tenha o menor custo possível para o erário público”, completou.

Dentre os pontos, o vice-governador citou o problema crônico da mobilidade urbana. “O estudo tem que ser amplo. Por exemplo, aspectos como o acesso. Eu gosto de futebol. Vou para a Arena e sei que é difícil. A gente tem engarrafamentos já a partir da Abdias de Carvalho, que se estendem até a BR-232 e a 408. Então, é preciso saber o que é necessário fazer para facilitar o acesso.”

Com relação à Cidade da Copa, cuja primeira fase - com centro de convenções, hotel, ginásio, dentre outros equipamentos - já deveria estar pronta, Henry disse que faz parte do objetivo do grupo de trabalho analisar a viabilidade de tal empreendimento imobiliário ante o cenário econômico atual.
 
Do Super Esportes 
Foto: Ricardo Fernandes 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker