Página inicial
 
Mural de recados
25.04 | Jose Helio Pessoa
DODEIRO NÃO ATRAPALHA....O CENTRAL SÓ NÃO É MAIOR DO QUE SUA LOUCURA...TIRAR LI ...
25.04 | Patativa
Que time é esse em ? O vexame vai ser pior do q do ano passado jogadores que nun ...
25.04 | Patativa
Quem tem que sair é esse bodeiro que nunca fez nada pelo central e só faz atrapa ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
20/06/2013
04h49 | esportes - Copa das Confederações
COPA DAS CONFEDERAÇÕES: Itália venceu Japão em jogo histórico na Arena Pernambuco - 4x3
Clique e Confira >>>
 
Nando Chiappetta/DP/D.A press
Simplesmente, o melhor jogo da Copa das Confederações até o momento. Se no domingo o domínio espanhol foi gritante, tendo futebol basicamente de um lado, nesta quarta italianos e japoneses deram um verdadeiro espetáculo. Foram sete gols, inúmeras chances criadas dos dois lados, bolas na trave, polêmica e uma vitória do jeito que a Azzurra gosta, com drama. Um 4 x 3 que classificou o time de Cesare Prandelli à semifinal do torneio. Um jogo em que o time chegou a estar perdendo por dois gols, virou, cedeu o empate e foi buscar o tento derradeiro nos instantes finais. Outro ponto positivo foi o comportamento do público com 40.489, oito mil pessoas a mais que a expectativa da partida no dia anterior. Acolheu o Japão, mas aplaudiu bastante os italianos no fim do jogo, daqueles para guardar na memória.

Disposto a apagar o vexame na estreia, nas palavras dos próprios nipônicos, o Japão começou controlando a bola, buscando investidas em velocidade pelas laterais, com a bola passando sempre passando pelos pés do camisa 10, Kagawa, do Manchester United. Organizada taticamente, a Itália não teve pressa para buscar o ataque. A Azzurra parecia disposta a quebrar o sistema asiático, tanto que Balotelli se manteve isolado, bem à frente.

A primeir boa chance, de fato, surgiu apenas aos 16 minutos, num chute forte de Kagawa, da intermediária. Buffon espalmou para escanteio, mostrando a força da acústica do estádio, com um "uhhhh" deixando claro que àquela altura a torcida pernambucana era pelo Japão.

No domingo a Espanha passara pelo mesmo. Tocando a bola e dando aula, ganhou a torcida durante o jogo. Portanto, caberia ao time de Cesare Prandelli mostrar futebol para reverter o quadro. Não seria fácil, ainda mais com a penalidade aos 20, com Buffon derrubando Okazaki. O goleiro da Juventus reclamou bastante do lance e anda levou o amarelo. Na cobrança, Honda bateu firme no meio do gol e abriu o placar.

Em desvantagem, a Itália apertou a marcação, adiantando o meio-campo. Passou a ter mais posse de bola, mas sem contundência. O Japão seguia na correria, levantando bolas na área. Em uma delas, aos 33 minutos, Kagawa se aproveitou e mandou no cantinho. A partir daí, a torcida passou a entoar o grito de "olé" a cada passe, deixando o time europeu nervoso. De Rossi foi o primeiro a abusar da violência e logo recebeu o amarelo.

Aos 40 minutos, numa arma conhecida, a bola para de Pirlo, surgiu o primeiro gol italiano. O meia cobrou escanteio pelo lado esquerdo e De Rossi subiu muito, cabeceando com força. Com a pesada camisa que vestiam, os italianos acordaram. Nos descontos, Giaccherini ainda acertou a trave.

Aquele último lance foi o aviso de que a Itália deve ser sempre respeitada. Um aviso que muitos insistem em ignrar. O recomeço de jogo foi a 200 km/, a bordo de uma Ferrari, com o time azul virando o placar em sete minutos. No empate, Uchida marcou contra, após bola rasteira de Giaccherini. Em seguida, em mais um pênalti, Mario Balotelli, marrento, virou o placar. E parte da torcida virou a casaca. Mas o gol fez o Japão acordar. Depois de voltar a dominar as ações do jogo, a seleção asiática conseguiu o empate numa bela cabeça da de Okazaki.

As duas carimbadas no travessão de Buffon (no mesmo lance) surgiram como um prenúncio do castigo que estava por vir. Num contra-ataque mortal, De Rossi lançou Marchisio, que avançou até a linha de fundo e cruzou rasteiro para Giovinco escorar para o gol vazio. Uma ingrata despedida para uma seleção que presenteou o público com um belo futebol. Um jogo para guardar na memória.

Local: Arena Pernambuco.

Árbitro: Diego Abal (ARG).

Assistentes: Hernan Maidana (ARG) e Juan Pablo Belatti (ARG).

Gols: De Rossi (I), Honda (J), Kagawa (J), Yoshida (J), Giovinco (I), Balotelli (I), Okazaki (J)

Carões amarelos: Buffon, De Rossi (I), Hasebe e Konno (J).

Público: 40.489.

Itália

Buffon; Maggio (Abate), Barzagli, Chiellini e De Sciglio; Pirlo, De Rossi, Montolivo, Giaccherini (Marchisio) e Aquilani (Giovinco); Balotelli. Técnico: Cesare Prandelli.

Japão
Kawashima; Uchida (Sakai), Yoshida, Konno e Nagatomo; Endo, Hasebe (Nakamura), Kagawa, Okazaki e Honda; Maeda (Havenaar). Técnico: Alberto Zaccheroni.
 
Matéria do Super Esportes 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker