Página inicial
 
Mural de recados
20.08 | Jose Helio Pessoa
Bom dia centralinos, surge uma esperança na história do nosso querido Central de ...
19.08 | Gustavo
O Atletico do Acre conseguio o acesso pra serie C com uma folha salarial de 60 m ...
19.08 | Antonio do Salgado
Com certeza ja deram um ninha em Airton Junior, e sobre a outra chapa kd o Alexa ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
03/06/2013
21h33 | esportes - FUTEBOL PERNAMBUCANO
FUTEBOL PE: FPF não comparece a audiência e justiça libera Jovem, Inferno e Fanáutico
CLIQUE e CONFIRA!

Do JC Online

 

As torcidas organizadas pernambucanas conseguiram nesta segunda-feira (3) à tarde a liberação do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) para frequentar novamente os estádios de futebol em Pernambuco durante as partidas.

A Federação Pernambucana de Futebol (FPF), autora de uma ação que solicitava proibição das facções, não enviou representante a uma audiência de conciliação no TJPE. Resultado, tudo que havia sido feito até ali na Justiça foi revogado.

Durante do Campeonato Pernambucano, o próprio TJPE havia concedido liminar vetando a entrada das organizadas nos estádios até que o mérito da ação da FPF fosse julgado.

Torcida Jovem, Inferno Coral e Fanáutico haviam sido barradas após sucessivos problemas de violência na cidade em dias de jogos.

O caso Lucas Lyra foi o ápice da violência das organizadas, em março, quando o torcedor do Náutico foi baleado na cabeça durante uma confusão entre torcedores com a camisa da organizada alvirrubra e seguranças de uma empresa de ônibus, na frente dos Aflitos.

Antes da proibição, as organizadas também protagonizaram vários episódios de depredação dos clubes e agressão a equipes da imprensa e a outros torcedores.

Em nota oficial, a FPF argumenta que a frustração por não ter conseguido da própria Justiça a autorização para o cadastramento dos integrantes da trocidas organizadas enecrrou a participação da entidade no caso.

"(...) A FPF e a Secretaria de Esportes tentaram obter recurso federal para realizar os cadastramentos das TO's, porém, sem sucesso. Assim, considerando que ditos cadastramentos dependem única e exclusivamente da vontade das próprias torcidas; considerando ainda o encerramento do campeonato Estadual, de responsabilidade da FPF, e, especialmente, a perda do objeto da referida ação, não mais cabia a FPF atuar no feito (...)"

 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker