Página inicial
 
Mural de recados
25.05 | Ze ligado
É muito desespero mesmo, Gildo de volta?? 6 opções de ataque que era melhor pega ...
25.05 | Centralino Histórico
Warley, cadê os nossos valores revelados no PE 2017: Tomás e Paulinho Curuá???? ...
24.05 | Antonio
Araújo pedindo 400,000 R$ pro Central !!! Isso é um absurdo, o cara jurou amor a ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
08/09/2012
17h23 | esportes - SELEÇÃO BRASILEIRA NO RECIFE
SELEÇÃO NO RECIFE: Em Recife, Hulk carrega orgulho com condição de nordestino legítimo
Grande contratação do Zenit, Hulk é natural de Campina Grande, na Paraíba
Depois de brilhar com o gol da vitória diante da África do Sul, o atacante Hulk conta com uma motivação extra pela presença da Seleção Brasileira em território nordestino para o jogo de segunda-feira à noite contra a China, no estádio do Arruda, em Recife. Nascido em Campina Grande, na Paraíba, a atual estrela do Zenit, da Rússia, recorda, com orgulho, que carrega firme muitas das características de suas raízes.

“Sou nordestino, sempre nordestino. Morei três anos e meio no Japão e quatro anos em Portugal, mas sempre carrego o Nordeste com músicas, com comida típica. Nosso feijão, baião de dois. É a comida típica da Paraíba, que me deixa forte. Aonde vou, carrego a comida da Paraíba comigo”, avisou o atleta, em entrevista coletiva neste sábado no Hotel Transamérica de Recife.

Rodado pelo mundo em função do futebol, Hulk reconhece que, ao deixar o país de origem, sentiu falta principalmente da comida. Antes de seguir para a Europa – atuou inicialmente no Porto, de Portugal –, ele esteve em três clubes do Japão.

“Tem bastante diferença (entre o arroz carreteiro e o arroz japonês). Quando cheguei ao Japão, senti um pouco de dificuldade, depois aprendi a gostar. Mas nada melhor do que nossa comida caseira. Dizem que os nordestinos são muito fortes porque nossa comida é forte”, brincou o jogador, conhecido por sua força física.

De Recife a Campina Grande, Hulk cita que há uma distância de 130 quilômetros e, ainda assim, pretende contar com o apoio de amigos e familiares no jogo de segunda-feira. “Vai ser mais do que especial atual aqui”, confirmou.

Além das pessoas próximas, Hulk também carrega a certeza de um clima positivo junto aos torcedores pernambucanos, diferentemente do que ocorreu em São Paulo na magra vitória contra a África do Sul. O estádio do Morumbi foi palco de reações hostis nesta sexta-feira por causa do futebol ruim.

“Sem dúvida, não tem alegria maior (do que jogar aqui). O nordestino nos apoia até porque é difícil a Seleção jogar no Nordeste. Quando a Seleção vem, é essa alegria, essa festa. Tem que agradecê-los, porque eles vêm para nos apoiar”, encerrou Hulk, que deve ser novamente reserva de Lucas no ataque.
 
Do Super Esportes 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker