Página inicial
 
Mural de recados
22.11 | MARCONDES
TODOS UNIDOS PELO CENTRAL, IMPRENSA, DIRETORIA E TORCIDA SÓ ASSIM O CENTRAL VAI ...
22.11 | paulo
ESSE BABACA DA PATATIVA DEVE SER TORCEDOR DO SPORTE RECIFE ...
22.11 | CLEO
VERDADE MARCOS LEITE ESSA É A HORA DO VERDADEIRO ALVINEGRO AJUDAR O CENTRALZAO. ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
19/10/2011
13h54 | esportes - MORTE DE MAURÍCIO SIMÕES
LUTO: Relembre as dez maiores polêmicas que marcaram a vida de Maurício Simões
CLIQUE e CONFIRA!!!

Do globoesporte.com da Paraíba 

O treinador Maurício Simões, conhecido como o Rei do Nordeste, morreu na noite desta terça-feira em Aracaju, encerrando de forma precoce uma vitoriosa carreira no futebol. Dono de 12 títulos estaduais (seis em Sergipe, três na Paraíba e três no Piauí), Simões coleciona também muitos momentos polêmicos em 20 anos de carreira.

Como no Brasil existe o ditado de que “todo mundo vira santo quando morre”, mas certamente Maurício Simões nunca tentou ser um enquanto trabalhou de forma vitoriosa no futebol, a reportagem do GLOBOESPORTE.COM/PB listou dez dos momentos mais polêmicos de sua trajetória.

Como no dia em que ele foi expulso de campo após chamar o árbitro Rodrigo Cintra de “viado safado”, quando comandava o Confiança-SE na Série C de 2008, em jogo contra o ASA de Arapiraca. Na ocasião, ele foi suspenso por 120 dias. Ou quando ele deixou o Campinense e levou para o arquirrival Treze toda a base da equipe rubro-negra campeã paraibana de 2004.

Aliás, Maurício Simões nunca foi muito afeito a cumprir seus contratos. Já agora em 2011, por exemplo, mais uma vez no Campinense, ele abandonou o time no meio do Campeonato Brasileiro da Série C para assumir o Salgueiro de Pernambuco, que joga na Série B do Brasileirão.

Mas a maior polêmica envolvendo Maurício Simões teve o Botafogo-PB como alvo. Na final do Campeonato Paraibano de Futebol de 2006, irritado com a torcida botafoguense que chamava os trezeanos de “matutos”, ele chamou João Pessoa de “quintal de Recife” e disse que quando ele queria comer goiaba ou chupar manga saía da capital pernambucana e viajava para a capital paraibana.

Na época, Simões recebeu o título de “persona non grata” pela Câmara Municipal de João Pessoa, mas anos depois também treinou o Belo, numa pífia campanha no Paraibano de 2009.

maurício simões no campinense (Foto: Leonardo Silva / Jornal da Paraíba)Maurício Simões teve várias passagens pelo Campinense e em todas ele se envolveu em polêmica
(Foto: Leonardo Silva / Jornal da Paraíba)

Veja na ordem cronológica os dez momentos mais polêmicos da vida de Maurício Simões no futebol:

1 – Maurício Simões, enquanto técnico do Campinense, se envolveu numa confusão com jogadores do Treze, durante um Clássico dos Maiorais. Na época, ele criticou duramente o Galo e disse que nunca trabalharia na equipe alvinegra.

2 - Maurício Simões foi campeão paraibano pelo Campinense em 2004 e, pouco depois de jurar “amor eterno” à Raposa, se transferiu para o Treze levando junto toda a base rubro-negra. No Galo, se tornou bicampeão paraibano consecutivo. A mudança provocou revolta entre os raposeiros.

3 - Em 2006, Maurício Simões, como treinador do Treze, deu uma cotovelada no atleta raposeiro Marcos Paulo, quando este se aproximava do banco de reservas adversário para pegar uma bola. O técnico depois foi suspenso pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva.

  •  
maurício simões no botafogo-pb (Foto: Felipe Gesteira / Jornal da Paraíba)Simões trabalhou no Belo mesmo depois de
chamar João Pessoa de 'quintal de Recife'
(Foto: Felipe Gesteira / Jornal da Paraíba)

4 – Ainda em 2006, na final do Campeonato Paraibano, Maurício Simões se envolveu em sua maior polêmica. Irritado com a torcida do Botafogo-PB, que chamava os torcedores do Treze de matutos, ele soltou o verbo contra a capital paraibana: “Quando eu quero comer goiaba e chupar manga, eu vou para João Pessoa, que é o quintal de Recife”. A frase lhe rendeu o título de 'persona non grata' pela Câmara Municipal de João Pessoa.

5 - Em 2007, voltou ao Campinense. Praticamente eliminada da competição, a Raposa poderia “melar” a classificação do Treze para as semifinais do Campeonato Paraibano. Se o Campinense perdesse da Desportiva Guarabira eliminaria o Treze. Dirigentes e torcedores raposeiros pediram para “abrir”, mas Simões levou o time a vitória. Com o Galo classificado e a Raposa eliminada, ele se apresentou no dia seguinte como novo técnico do rival, levantando a suspeita de que já estaria fechado com o alvinegro antes mesmo do fim de sua campanha na equipe rubro-negra.

6 – Em 2008, como treinador do Confiança-SE, chamou o árbitro Rodrigo Cintra de “viado safado”. Foi expulso de campo e depois levou um gancho de 120 dias de suspensão.

7 – Em 2009, ele foi contratado pelo Botafogo-PB para comandar o time no Campeonato Paraibano de Futebol. A contratação revoltou a torcida pessoense, que ainda lembrava das declarações dele feitas em 2006 contra a capital paraibana. Simões não teve sucesso no Belo e acabou demitido poucas rodadas depois.

  •  
Tem uns boatos de que muito jornalista é viado e nem por isto eu repercuto isto"
Maurício Simões

8 – Como treinador do Central, irritado com boatos sobre sua saída do time, Maurício Simões disparou: “Tem uns boatos de que muito jornalista é viado e nem por isto eu repercuto isto”.

9 – Tempos depois, Simões de fato deixou o Central, que na época era vice-líder do Campeonato Pernambucano de Futebol, para assumir o comando do Campinense. Ele saiu do time de Caruaru metendo o pau na diretoria do clube, chamada por ele de incompetente, e dizendo que ganharia um apartamento novo em seu retorno a Campina Grande.

10 – Maurício Simões não demorou em Campina Grande. Ele deixou o Campinense no meio da Série C deste ano para assumir o Salgueiro, que jogava a Série B do Brasileirão. Demitido após quatro rodadas, ele não titubeou: “Não me arrependo de ter deixado o Campinense”.


.
 
 
 
eXTReMe Tracker