Página inicial
 
Mural de recados
25.04 | Jose Helio Pessoa
DODEIRO NÃO ATRAPALHA....O CENTRAL SÓ NÃO É MAIOR DO QUE SUA LOUCURA...TIRAR LI ...
25.04 | Patativa
Que time é esse em ? O vexame vai ser pior do q do ano passado jogadores que nun ...
25.04 | Patativa
Quem tem que sair é esse bodeiro que nunca fez nada pelo central e só faz atrapa ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
18/05/2011
09h47 | esportes - PERNAMBUCANO 2011
Pernambuco celebra um recorde de 1.230.993 pessoas em seus estádios durante o Campeonato Estadual
Clique e confira!
Do Diario de Pernambuco 
 
Definitivamente, o Campeonato Pernambucano de 2011 está na história. Pelas polêmicas como apagão, tapetão, denúncia de suborno e o “boi”, mas, sobretudo, pelo volume massivo de torcedores nas arquibancadas, motivados por uma disputa muito acirrada. Um número já deixa claro o patamar expressivo desta edição: 1.230.993 pessoas, recorde absoluto segundo a FPF, que contabiliza os dados desde 1990. A média foi de 8.548 pessoas, a segunda maior da história (abaixo de 1998, com 10.895), mas a melhor desta temporada no futebol brasileiro. Em segundo lugar, o badalado e rico Campeonato Paulista não chegou sequer a seis mil pessoas por jogo.

Esse fenômeno de audiência chamado “Pernambuco” mostra a presença de três torcidas populares. Os três maiores públicos registrados no país em 2011 foram no Arruda, sendo dois Clássicos das Multidões e o confronto entre Santa Cruz e São Paulo, pela Copa do Brasil. Santa e Sport, aliás, romperam a barreira dos 20 mil torcedores por jogo, o que não ocorria de forma conjunta desde 1998. A dupla das multidões trava uma batalha particular a cada competição. Nos últimos sete anos, 4 x 3 para o Santa. O próprio Náutico, com 13 mil, estabeleceu a sua melhor marca neste período.

Numa rápida leitura, o motivo seria a campanha promocional Todos com a Nota, certo? Não. A pesquisa mostra exatamente o contrário. Ano a ano, o Estadual vai perdendo a dependência do subsídio do estado. Em 1998, quando a campanha foi criada, ainda na gestão do governador Miguel Arraes, a carga promocional correspondia a 90% dos ingressos. Neste ano, o número foi de 48%. Queda gradativa, com 72% em 2009 e 67% em 2010.

O público pagante, consequentemente, pulou em dois anos de cerca de 211 mil para 556 mil. Com o ingresso cobrado pelo clube é mais caro que o valor pago pelo governo aos clubes, a renda bruta do Pernambucano quase dobrou em dois anos, passando de R$ 6,4 milhões em 2009 para R$ 12,5 milhões. Considerando que o torneio também teve transmissão aberta na TV e pelo pay-per-view, além de um patrocínio oficial (através do naming rights), então podemos, finalmente, apontar que o Pernambucano tem, sim, condições de se tornar atrativo e rentável. Um avanço necessário para todos os clubes locais.





.
 
 
 
eXTReMe Tracker