Página inicial
 
Mural de recados
22.07 | MARCOS LEITE
NA SÉRIE A2 SÓ SOBE O CAMPEÃO, ESPERO SEJA O PORTO GAVIÃO DO AGRESTE. OU PESQUEI ...
21.07 | jose arruda
Warley, obrigado pela informação atualizada sobre o Sub 20-2017. A FPF divulgou ...
21.07 | Adalgisio
Warley relembra aquela campanha do central na serie D que o time era comandado p ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
01/03/2011
11h25 | esportes - PERNAMBUCANO 2011
(PERNAMBUCANO 2011) -> À espera da majestade
Após 14 rodadas, o posto de ´rei do Pernambucano` continua em aberto

 

Às vésperas do carnaval, não há monarquia no futebol pernambucano. Se em 2010 quatro jogadores pleiteavam a alcunha de rei, o período atual é de vacas magras. Vazio, o trono real implora por um representante digno. Carlinhos Bala, Brasão, Ciro e Eduardo Ramos disputaram as atenções no ano passado. Tanto nos gramados quanto nos microfones. Há dois meses, um novato chegou botando banca. Sem fazer qualquer cerimônia, Landu soltou o verbo no dia de sua apresentação no Santa Cruz: ´Bala e Ciro que se cuidem. Eu vou brigar para ser o rei de Pernambuco`, disparou.

Até o momento, 14 rodadas se passaram no Pernambucano e nada de destaque individual. Artilheiro da competição, com seis gols, Tiago Cunha chegou a esboçar um possível ´domínio`. Antes de avançar suas tropas, porém, uma lesão no joelho direito tratou de frear o ímpeto do primeiro candidato. Já os favoritos apontados por Landu estão longe de encarnar papel de rei. Até agora, Carlinhos Bala e Ciro não passaram de meros coadjuvantes.

Pelo ritmo do campeonato,o trono só deverá ser ocupado nos momentos decisivos. A luta coletiva pelo hexa parece ter ofuscado qualquer concorrência individual, e o novo rei ainda é uma incógnita. Até mesmo o carnaval há de esperar. Kuki, Geraldo e Carlinhos Bala foram alguns dos que já sentaram na nobre cadeira. Quem será o próximo? A resposta só deve sair no dia 15 de maio, data escolhida para a grande final do Campeonato Pernambucano. Até lá, cabe aos postulantes fazer por onde merecer o reconhecimento. Simbólico, é verdade, mas inegavelmente midiático. O maior entre todos os títulos marqueteiros da história recente do nosso futebol.

Aflitos // Eduardo Ramos tenta o bi

Eleito o craque do último Pernambucano, Eduardo Ramos ainda exerce seu reinado, ainda que teoricamente. Na prática, ele perdeu a coroa antes mesmo de o Sport levantar a taça do penta. Principal destaque rubro-negro durante a maior parte da campanha, a queda de rendimento na reta final do Estadual em 2010 inegavelmente comprometeu sua imagem. Ainda mais depois do papelão na final. Expulso no primeiro jogo contra o Náutico, nos Aflitos, acabou fora da última partida, na Ilha, e teve que amargar fortes críticas dos leoninos. Não demoraria até ser dispensado no começo da Série B.

De volta a Pernambuco, contratado como um dos principais reforços do ex-rival, Eduardo Ramos é novamente candidato a ficar com a coroa. Mas apesar de algumas boas atuações, o meia ainda não roubou a cena. Tem comido pelas beiradas, em ritmo mineiro. Quem sabe guardando o ´sprint` para o momento decisivo, ao contrário do ano passado.

Há ainda outros candidatos em Rosa e Silva. Antes do Campeonato, a renovação de Bruno Meneghel se transformou numa longa novela. A bola rolou e o atacante ainda não fez por merecer o posto de rei, mesmo após algumas boas partidas e gols importantes. Quem corre por fora nos Aflitos é Ricardo Xavier. Ele tem se mostrado um candidato discreto e eficiente. Seu poder de definição pode ser um aliado nesta corrida monárquica. A esperança da torcida do Náutico é que o manto do novo rei seja vermelho e branco. Independente de quem fique com a coroa.

Ilha do Retiro // Sobram candidatos na Ilha

A folha do elenco rubro-negro chegou a R$ 1 milhão por mês neste Estadual. Um patamar que o clube alcançou no Campeonato Brasileiro do ano passado. Tamanho investimento foi direcionado para jogadores renomados em busca do hexa no Pernambucano. De fato, candidatos a destaque na competição não faltam na Ilha, ainda que nenhum deles tenha, por enquanto, brilhado de forma efetiva.

O primeiro a se apresentar como o expoente da campanha rumo ao título foi Carlinhos Bala. Outrora o ´Profeta da Ilha` (Copa do Brasil de 2008), Bala ainda não encaixou uma sequência de boas atuações. Marcou apenas dois gols, ambos contra o América, e sequer vem sendo decisivo na assistência, apesar do esforço financeiro da diretoria para trazê-lo em dezembro.

O atacante Ciro, abalado com a morte do seu pai, passou em branco no ataque do Leão durante muito tempo. Foram 19 jogos de jejum, contabilizando as partidas pela última Série B. A torcida do Sport espera que o gol de Ciro no último domingo possa retomar a sua boa fase. Ainda no ataque, o centroavante Alessandro. Apesar do status de ter sido duas vezes artilheiro da Segundona nacional, o jogador não aguentou a pressão no clube por causa das atuações irregulares e pediu para sair. Candidatura já impugnada.

No meio-campo, Romerito era a esperança para ser o ´motor` do time, como há três anos. No entanto, a sequência de problemas físicos do jogador inviabilizou a sua estreia nesta temporada. O último candidato a astro do time no Estadual acaba de chegar. Após boa passagem no passado - quando chegou custando R$ 100 mil por mês -, o meia Marcelinho Paraíba, de 35 anos, está de volta para conduzir o Sport em campo. Já na estreia, a qualidade de um passe diferenciado, dando criatividade a um setor até então acéfalo. Caso mantenha a motivação, Marcelinho poderá conquistar a majestade no Leão.

Arruda // Thiago Cunha larga na frente

No Arruda, a chegada de Landu foi, de fato, a mais ruidosa. Dentro de campo, porém, a maior esperança da torcida tricolor é outro atacante. Recebido com desconfiança por boa parte dos torcedores por conta da maneira como deixou o clube em sua primeira passagem, Thiago Cunha conquistou o respeito da massa coral com gols. Apesar de lesionado desde a 10ª rodada, ele continua vencendo a briga pela artilharia do Estadual. Praticamente recuperado, o atleta promete que vai em busca da coroa.

Não seria exagero afirmar que a contusão de Thiago Cunha contribuiu bastante para que a coroa de rei do Pernambucano continue sem um dono. O atleta vinha apresentando um excelente desempenho no Estadual. Desde que assumiu a titularidade, na segunda rodada, marcou seis gols, dois deles em clássicos contra Náutico e Sport. Virou ídolo. No entanto, uma trombada com o goleiro Sérvulo, do Central, na derrota por 3 a 0, no Arruda, rendeu-lhe um estresse no ligamento do joelho esquerdo.

Praticamente recuperado, o atacante quer de voltasua vaga no time. ´É bom que fique claro que meu primeiro objetivo é ajudar o Santa Cruz a garantir uma vaga na Série D. Só depois vem as minhas metas pessoais`, destacou. ´Mas sei muito bem do sofrimento da torcida do Santa Cruz nos últimos anos e vou fazer de tudo para dar alegria aos tricolores.`

Enquanto Thiago Cunha não retornar, é o meia Weslley quem vem conduzindo o time. Atleta regular e experiente, Weslley tem um papel fundamental no esquema do técnico Zé Teodoro. A expectativa é de que ele cresça ainda mais com a chegada dos novos reforços.

Central // Um ´intruso` entre os favoritos

No interior, o único clube que parece ser capaz de coroar um craque nesta temporada do Pernambucano é o Central, dono de uma campanha sólida, na 2ª colocação após 14 rodadas. O destaque, como não poderia deixar de ser, é o ´Mago da Bola`. Isso mesmo, Rosembrick. O meia, que já brilhou no Santa Cruz e teve uma passagem discreta pelo Sport, começou a circular nos times intermediários. Em 2010, pelo Ypiranga, marcou seis gols. Se neste ano ainda não demonstrou o mesmo faro (balançou as redes no domingo, de pênalti). Mesmo assim, já virou o maestro da Patativa. Basta lembrar da goleada sobre o Santa no Arruda, por 3 a 0, quando deu assistências.

Além disso, o ´carisma` de Rosembrick joga a seu favor, com declarações polêmicas ou, no mínimo, curiosas. Antes da abertura do Pernambucano, ele declarou o seguinte ao Superesportes: ´Eu vou ser o craque do Estadual. Vou ganhar o carro e vendê-lo. Com o dinheiro da venda, vou comprar cestas básicas e sair distribuindo para as crianças em cada esquina`. Deixando a modéstia de lado, Rosembrick já é mesmo o ídolo do Alvinegro, cada vez mais próximo de garantir a sua vaga na semifinal do Estadual. Vale dizer que Rosembrick não está só nesta eleição. Dentro do próprio Central, concorrência.

Com cinco gols, na vice-artilharia, o atacante Danilo Pitbull também quer um lugar ao Sol, com a cora de rei. Ele dá sequência à boa fase, após ter conquistado o título brasileiro da Série D, vestindo a camisa do Guarany/CE, que eliminou o Santa na competição.

 

 

 

Os reis da última década

2001

O imperador do hexa

E também do centenário! Kuki chegou no Recife após uma carreira inexpressiva no Sul do país. De forma surpreendente, o baixinho tornou-se artilheiro. E ídolo! Em sua primeira temporada, impediu o hexacampeonato do Sport e colocou ponto final num jejum de títulos que já durava 11 anos. Justamente no ano do centenário timbu.

2002

Rei Sangaletti V

O título estadual do Náutico era quinto consecutivo de Sangaletti. O volante havia conquistado três pelo Sport. Saiu do Sport em 2001, sendo bicampeão pelo Náutico. ´Uma coisa que ficará marcada na minha vida é ter sido pentacampeão pernambucano no mesmo dia que o Brasil foi penta mundial`, declarou na época.

2003

O príncipe da Ilha

Como é comum com os atletas pratas da casa, Cléber Santana foi alvo de muita desconfiança da torcida do Leão quando ascendeu para o profissional. Muitos julgavam-no lento. Outros, ´rebolador`. Era, na verdade, talentoso. E aos 22 anos, ao lado de Nildo, Cléber reconduziu o Sport ao título. Atualmente está no São Paulo.

2004 

O retorno do rei

Em seu último título, Kuki foi mais uma vez decisivo. Vice-artilheiro do Estadual com 12 gols, o baixinho levou o Náutico ao seu terceiro título da década. Marcou, inclusive, o último gol da vitória sobre o Santa Cruz por 3 a 0, na grande final, no Arruda. Nesta temporada, o Náutico conquistou a sua última vitória sobre o Sport na Ilha do Retiro. E Kuki marcou neste jogo. 

2005

A majestade de 1,62m

Para suceder um baixinho no trono, outro. Carlinhos Bala foi absoluto em 2005 com a camisa do Santa Cruz. O Tricolor conquistou o título de forma antecipada, sem a necessidade de finais, com Bala deixando todos os rivais para trás literalmente. Veloz e objetivo, o jogador conquistou neste ano o seu primeiro título estadual.

2006

O rei do Leão de ouro

Geraldo tinha um colar com um leão de ouro pendurado no pescoço. E voltou para a Ilha do Retiro no início da temporada para reconduzir o Sport aos momentos de glória. Na decisão do campeonato, enfrentou oseu principal rival ao ´trono`. E venceu Carlinhos Bala e o Santa Cruz. Foi o último grande momento de Geraldo com a camisa leonina.

2007

O mais jovem dos reis

Vitor Júnior chegou como desconhecido na Ilha do Retiro e, aos 20 anos, ganhou a admiração dos torcedores do Sport com dribles rápidos e desconcertantes. Foi o maestro rubro-negro e, indiscutivelmente, o craque do Estadual. Deixou o clube do segundo semestre, contratado pelo Santos e não mais obteve destaque no futebol nacional. Está no futebol japonês.

2008

´O leão dos leões`

A definição acima consta no caderno especial publicadodo Diario de Pernambuco em alusão ao título estadual rubro-negro. Fazia referência a Romerito. O meia que, na base da determinação, conseguiu superar a rejeição inicial e transformou-se em ídolo, no símbolo do tricampeonato do Sport. Romerito voltou para o Goiás naquela temporada e está novamente no Sport.

2009

O xerife-rei

O capitão Durval levantou a taça do tetracampeonato na casa alheia. ´Fazer isso não cansa de jeitonenhum. É o meu 5° título no Sport, e esse ficará marcado mesmo por ter sido campeão nos Aflitos`, disse na época. Símbolo da fase áurea do Leão, o ´melhor zagueiro do Brasil` deixou saudades. É, atualmente, o pilar da defesa do Santos.

2010

A diarquia rubro-negra

A disputa pelo trono voltou a ser intensa. O folclórico Brasão reivindicou a coroa. Na semifinal, foi destronado por Carlinhos Bala, que disse ser o único rei de Pernambuco. Na final, Eduardo Ramos e Ciro derrubaram Bala e dividiram a coroa, instalando uma diarquia - governo de dois soberanos -, hoje rachada. Ciro está no Sport. Ramos defende o rival Náutico. 
 
Do Diario de Pernambuco 

 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker