Página inicial
 
Mural de recados
22.11 | MARCONDES
TODOS UNIDOS PELO CENTRAL, IMPRENSA, DIRETORIA E TORCIDA SÓ ASSIM O CENTRAL VAI ...
22.11 | paulo
ESSE BABACA DA PATATIVA DEVE SER TORCEDOR DO SPORTE RECIFE ...
22.11 | CLEO
VERDADE MARCOS LEITE ESSA É A HORA DO VERDADEIRO ALVINEGRO AJUDAR O CENTRALZAO. ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
26/03/2016
00h19 | esportes - SELEÇÃO BRASILEIRA
ELIMINATÓRIAS > Arena PE: Brasil 2x2 Uruguai
Seleção abriu dois gols com 25 minutos de jogo, com Douglas Costa e Renato Augusto; Celeste reagiu com os craques Cavani e Suárez, chegando perto da virada
Na primeira partida da Seleção Brasileira na Arena Pernambuco, um Brasil e Uruguai como manda a tradição das duas seleções e como pede um duelo com dois dos maiores astros do futebol mundial. De um lado, Neymar, do outro Luis Suárez, que não jogava pela Celeste desde a Copa do Mundo, após longa suspensão imposta pela Fifa. O empate por 2 a 2 acabou sendo justo pelo maior domínio brasileiro no primeiro tempo e a melhora uruguaia no segundo. Inclusive com chance clara da virada desperdiçada pelo seu astro. 

O resultado não alterou a posição das duas seleções nas eliminatórias. O Uruguai, na vice-liderança, com 10 pontos. O Brasil em terceiro, com nove. O empate manteve a invencibilidade da seleção em solo pernambucano, mas encerra uma sequência de oito vitória seguidas do Brasil no Estado. Iniciada justamente sobre o Uruguai, em um amistoso em 1985, no Arruda. 

Antes da partida, o técnico Dunga havia reclamado do tempo sem jogar da seleção, cujo a última partida havia sido há 128 dias. No entanto, nos primeiros minutos do primeiro tempo, parecia que a equipe havia jogado junta pela última vez na semana passada, tamanho o entrosamento mostrado nos primeiros 45 minutos.

Muitos torcedores nem haviam chegado a Arena Pernambuco, graças aos engarrafamentos nas vias que dão acesso ao estádio, e o Brasil já abria o placar. O cronometro não havia nem completado o primeiro minuto, quando William fez boa jogada pela direita e serviu Douglas Costa aos 40 segundos. Por sinal, os homens de frente de amarelo, com movimentação e deslocamento constantes, infernizaram quem estivesse de azul a sua frente. Principalmente a dupla de zaga reserva, formada pelos fracos Victorino e Coates. Os titulares Godín e Gimenez estão lesionados. Neymar, atuando mais recuado, partido de frente para a defesa, e Renato Augusto, preciso nos passes, completavam o cenário favorável.

E foi com uma jogada dos dois que o Brasil ampliou. Neymar achou Renato Augusto com um passe que cortou a defesa uruguaia. O camisa oito completou o serviço, driblando Muslera e estufando as redes. Tudo isso com apenas 25 minutos. Os melhores da seleção desde a final da Copa das Confederações de 2013, contra a Espanha. O cenário indicava um resultado histórico frente um rival tradicional. Mas o Uruguai nunca foi de se render fácil.

E se havia um ponto em falso na atuação brasileira era a postura da defesa, marcando com distância. Em uma dessas falhas, Sanchez (o melhor uruguaio em campo), ajeitou para Cavani (até então o pior em campo) estufar as redes de Alisson. O gol recolocou a Celeste no jogo. E a partida, que então era uma ópera solo, passou a ser uma sinfonia completa. Tanto os uruguaios poderiam ter empatado, quanto os brasileiros ampliados em um jogão.

O ritmo alucinante continuou no segundo tempo. Só que dessa vez, a rapidez vestia celeste. Logo aos dois minutos, Suárez aproveitando espaço cedido por David Luiz, chutou para empatar e manter sua média na Arena Pernambuco. Em três jogos no estádio, esse foi o quarto gol (antes havia marcado contra Espanha e Taiti, na Copa das Confederações).

,Além do gol relâmpago, o que dificultou a vida do Brasil na etapa final foi a marcação do Uruguai, mais avançada, com linhas de quatro e cinco jogadores. Aos 20 minutos, sentindo que a sua equipe perdia força ofensiva, Dunga sacou Fernandinho para por em campo Phillippe Coutinho, um volante com mais chegada à frente. Se por um lado a partida perdeu em chances criadas, ganhou em nervosismo. O concerto virou jogo de xadrez. 

E foi o Uruguai que teve a chance do xeque-mate. Após nova falha de David Luiz, Suárez entrou livre, frente a frente com Alisson. Mas o goleiro do Internacional virou uma parede e fez a defesa da partida, evitando o pior.

Ficha do jogo

Brasil 2
Alisson; Daniel Alves, Miranda, David Luiz e Filipe Luís; Luiz Gustavo, Fernandinho (Phillippe Coutinho) e Renato Augusto; Willian (Lucas Lima), Douglas Costa (Ricardo Oliveira) e Neymar. Técnico: Dunga

Uruguai 2
Muslera; Fucile, Victorino, Coates e Álvaro Pereira; Arévalo Rios, Vecino, Carlos Sanchez (Stuani) e Cristian Rodriguez (Álvaro González); Cavani e Suárez; Técnico: Oscar Tabárez.

Local: Arena Pernambuco. Árbitro: Nelson Pitana (ARG). Assistentes: Juan Bellati e Ezequiel Brailovsky. Gols: (Douglas Costa, 40 s do 1º), Renato Augusto (25 min do 1º) e Cavani (31 min do 1º), Suárez (2 min do 2º). Público: 45.010. Renda: R$ 4. 961,890. Cartão amarelo: Suárez (U) e Neymar, David Luiz, Daniel Alves (B).
 
DO SUPER ESPORTES PE 

..
 
 
 
eXTReMe Tracker