Página inicial
 
Mural de recados
13.12 | Carlos
Verdade Paulo,até porque se esses jogadores fossem bom ficaria no sul do país ja ...
13.12 | Paulo alvinegro
Deus permita que eu esteja enganado, mais pelo que estou vendo esse time do cent ...
13.12 | Patativa
Esse giro dos esportes é muito fraco vejamos, ontem foi a apresentação do elenco ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
26/09/2017
08h46 | esportes - Série B
SÉRIE B - Paraná 3x0 Náutico - Timbu foi bem no 1° tempo, mas não segurou melhor mandante da Série B

 No jogo entre o melhor mandante da Série B (80% de aproveitamento) e time mais eficiente do returno (19 pontos) contra o vice-lanterna e equipe que está na zona de rebaixamento desde a segunda rodada, o Náutico não conseguiu contrariar a lógica. Apesar de fazer um bom primeiro tempo, os alvirrubros não foram páreos para o melhor futebol do Paraná, que atropelou na etapa final, conseguindo, com facilidade, a vitória por 3 a 0, no estádio Durival Brito, em Curitiba. A sua quinta seguida na competição.

Já o Náutico, após ensaiar uma reação após a chegada do técnico Roberto Fernandes, acumulaa a terceira derrota seguida e vê a distância para deixar a zona de rebaixamento, que chegou a cair para cinco pontos, volta a ser de nove. Um abismo para qualquer time. Maior ainda para um que tem enormes deficiências técnicas

No próximo sábado, os alvirrubros voltam a Caruaru para enfrentar o Boa Esporte. Talvez a última cartada para quem ainda quer seguir acreditando na cada vez mais improvável permanência na Série B em 2018. Um novo tropeço pode significar a última pá de cal nas esperanças dos torcedores mais otimistas. 

O jogo

Para tentar segurar o Paraná em casa, o técnico Roberto Fernandes fez o que se esperava. Armou um time fechado, à espera de um contra-ataque. Para isso apostou em um ataque mais veloz, composto pelos velocistas Dico e Iago, com o centroavante Rafael Oliveira indo para o banco de reservas. Além disso, no meio de campo, Diego Miranda e Ávila tinha a função de reforçar a marcação e iniciar a transição ofensiva pelos lados. Esquema que funcionou bem no primeiro tempo.

Com um entrega muito grande da equipe, o Náutico praticamente não permitiu ao Paraná (3º melhor ataque da Série B) entrar na sua área defensiva. Tanto que, os donos da casa, apesar do maior volume de jogo e posse de bola, tiveram a sua melhor oportunidade quando usou a arma alvirrubra dos contra-ataques, com Gabriel Dias chutando cruzado na entrada da área, após escanteio para  o time pernambucano. Fora isso, o goleiro Jefferson precisou ficar ligado apenas em chutes de fora da área.

E se a estratégia defensiva armada por Roberto Fernandes foi eficiente, o Náutico só não fez um primeiro tempo melhor por errar no segundo terço de campo, justamente na hora de armar o bote nos contragolpes. 

Muito porque Dico e Iago não conseguiram desempenhar o papel de serem os homens de conclusões das jogadas, apesar das boas atuações de Diego Miranda e Ávila no meio de campo. Ainda assim, chances foram criadas. A melhor delas, logo no segundo minuto de jogo, com o zagueiro prata da casa Rafael Miranda, estreando na Série B, cabeceando mal, após cobrança de escanteio.  

Goleada no segundo tempo
Mas se o sistema defensivo do Náutico foi bem primeira etapa, os elogios ficaram no vestiário, com o time colocando tudo a perder no segundo tempo. Tanto que com 23 minutos, a equipe já perdia por 3 a 0, com o primeiro gol sendo sofrido logo no primeiro. Em uma descida pela direita, João Pedro cruzou para Alemão, sem marcação, chutar sem chance para Jefferson, abrindo o placar no Durival Brito. Acabava ali o jogo do Náutico.

Com a desvantagem relâmpago na etapa final, Roberto Fernandes foi obrigado a ser mais ousado. Para isso, sacou Manoel para a entrada de Rafael Oliveira, com Ávila assumindo a lateral esquerda e o Náutico passando a atuar com três atacantes. Mas deu nem para se animar em busca do empate. Com o Náutico mais exposto, ficou fácil para o Paraná

Logo aos 11 minutos, após escanteio, o zagueiro Maidana foi mais esperto que o garoto Rafael Ribeiro na pequena área e tocou para as redes de Jefferson, ampliando a vantagem dos donos da casa. A essa altura, a missão do Náutico era evitar uma goleada. Mas nem isso conseguiu. Completamente perdido em campo, os alvirrubros sofreram o terceiro gol, marcado por Róbson, com direito a enfileirar três marcadores. Tinha vaga para mais.

Ficha do jogo

Paraná
Richard; Cristovam, Maidana, Brock e Igor; Leandro Vilela, Gabriel Dias, João Pedro (Giovanny) e Renatinho (Jhonny Lucas); Vitor Feijão (Robson) e Alemão. Técnico: Matheus Costa

Náutico
Jefferson; Suelinton, Felipe Gabriel, Rafael Ribeiro e Manoel (Rafael Oliveira); Amaral, Diego Miranda, Giovanni (Jobson) e Ávila; Dico (Rafinha) e Iago. Técnico: Roberto Fernandes.

Local: Estádio Durival de Brito, em Curitiba
Árbitro: Savio Pereira Sampaio (DF)
Assistentes: Luciano Benevides de Sousa e Ciro Chaban Junqueira (ambos do DF)
Gols: Alemão (1 min do 2º tempo), Maidana (11 min do 2º tempo) e Robson (23 min do 2º tempo). 
Cartões amarelos: Diego Miranda (Náutico) e Robson (Paraná)
DO SUPER ESPORTES PE 
 
Guilherme Artigas

.
 
 
 
eXTReMe Tracker