Página inicial
 
Mural de recados
24.09 | VICTOR HUGO
FOI LINDO V AS IMAGENS DO LACERDÃO QUASE LOTADO, O GRAMADO UM VERDADEIRO TAPETE ...
22.09 | Aldery
É nítido ver como é desastroso ao Central há tanto tempo estar fora de uma série ...
22.09 | Israelito Almeida
Maravilhosa Graça! Bela iniciativa da diretoria. Aproveitar a oportunidade par ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
13/09/2017
14h15 | esportes - NÁUTICO
NÁUTICO - Meia Rafinha é apresentado oficialmente
Em menos de 24 horas, o meia Rafinha chegou, assinou contrato, treinou como titular e já foi apresentado no Náutico. O fato deixa evidente a necessidade que o time tinha de se reforçar para a reta final da Série B e o atleta tem um fator diferencial em relação aos demais do grupo. Oriundo do futsal, Rafinha passou quatro anos atuando como profissional nas quadras, onde conquistou a Liga Paulista pelo Sorocaba e também chegou a jogar por Corinthians e São José no salão.

Conhecidos por possuir boa técnica e facilidade nos dribles e finalizações, os atletas de futsal sempre passam por um período de adaptação aos campos. Alguns são bem sucedidos, outros não. Rafinha aponta as principais diferenças que sente entre a quadra e o gramado e ressalta como o futsal contribui para o seu trabalho no futebol. 

“A gente trata a diferença com o tamanho e o campo para o futsal. A agilidade favorece por saber trabalhar com espaço curto. Eu não fiz base, fui do futsal direto para o profissional, mas isso também me ajudou bastante. Em questão de finalização com as duas pernas, que isso a gente treina muito no futsal. Ele me dá bastante apoio e me faz lembrar em algumas situações”, avaliou o atleta.
 
 Ala no futsal, Rafinha atua como meia em campo. O atleta destrinchou o seu posicionamento característico e as funções que acumulará no Náutico. “Sempre joguei como meia na extrema (mais aberto) e meia centralizado. No treino (desta quarta-feira) já trabalhei pela esquerda, na extrema. Sem a bola, acabo marcando mais e com a bola eu viro um meia. Nos clubes que eu passei sempre foi assim.”

Desde 2012, Rafinha fez a transição para o futebol. Pelo São José-RS, nesta temporada, disputou a quarta divisão do Brasileiro. No Náutico, jogará a sua segunda Série B. Competição que julga ser mais fácil que a Série D. “Até brinco com meus companheiros que difícil mesmo é jogar a série D. São campos ruins e lá o bicho pega. A Série B não é difícil não. Ainda mais quando tem um time de qualidade e é assim que a gente vai conseguir reverter essa situação.”
 
DO SUPER ESPORTES PE 

...
 
 
 
eXTReMe Tracker