Página inicial
 
Mural de recados
27.04 | Givaldo
Esse tal de Patativa devia mudar o nome para Urubu, esse desgraçado só faz corta ...
27.04 | Patativa
Meu Deus isso foi mostrado e um gramado ou um chiqueiro ...
26.04 | MARCOS LEITE
O CENTRAL PERDEU VÁRIOS BONS JOGAGORES Q DISPUTARAM O PERNAMBUCACNO DESSE ANO, A ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
21/10/2016
23h41 | esportes - SÉRIE B 2016
SÉRIE B - Luverdense 2x1 Náutico - Série invicta do Timbu sob o comando de Givanildo Oliveira acabou após nove partidas
Desde que começou a vencer na Série B sob o comando de Givanildo Oliveira, o Náutico não vem crescendo apenas na tabela. O nível de dificuldade apresentado por seus adversários têm crescido de forma proporcional. Nesta sexta-feira, ela chegou ao seu máximo. Em uma partida que os dois times tiveram chances de garantir a vitória, o Timbu perdeu por 2 a 1 para o Luverdense quando Rodolpho não teve o seu melhor momento. O goleiro que foi muito bem durante toda a partida teve papel fundamental nos dois gols dos donos da casa.

O resultado foi ainda mais desastroso não apenas porque deixou o Timbu fora do G4, mas também porque acabou com a sequência invicta de Givanildo Oliveira no comando do Alvirrubro e não deixou que a marca de sete vitórias consecutivas na Série B, alcançada em 2004, fosse repetida. 

A partida começou como todo duelo em reta final de Série B. Sendo muito estudada e tensa. Além disso, o estádio em Lucas do Rio Verde parece ser menor por conta do tamanho das arquibancadas e a bola parecia correr mais rápido. As transições entre as intermediárias passam a sensação de serem mais curtas e o time da casa tinha vantagem. Sabia onde pisava. Porém, em um lance isolado, o jogo mudou de história. De costas para o gol, Bergson sofreu uma falta infantil dentro da área e o árbitro não titubeou. Pênalti que o próprio atacante cobrou e abriu o placar aos 10 minutos de partida. 

Com o resultado, o Timbu cometeu o erro dos times que começam vencendo fora de casa. Recuou. Até demais. O Luverdense foi atraído para o campo de ataque e pressionou. O ponto alto dos ataques adversários foi quando em dois lances consecutivos, Rodolpho foi decisivo. Primeiro desviou cabeçada de Rafael que iria para o fundo do gol e em seguida, após outro desvio de cabeça, mas agora de Alfredo, espalmou e a bola ainda tocou na trave. 

Na segunda etapa, ainda com a vantagem de 1 a 0, o Náutico não aprendeu a lição da primeira etapa. Seguiu bastante recuado e os donos da casa apostavam alto em Raul Prata, que ganhou todas contra Gaston. Porém, foi em uma jogada pelo lado esquerdo que o jogo foi empatado. Rodolpho devolveu o favor do primeiro tempo. Também aos 10 minutos, o goleiro derrubou Alfredo na área e o próprio atacante cobrou sem chances para o camisa 12. 

Como em um passe de mágica, o Timbu deixou de apenas se defender. Os contra-ataques começaram a surgir, mas isso não significava que os donos da casa deixaram de atacar. As melhores chances da segunda etapa foram do Luverdense e se não fosse pelo bom desempenho de Rodolpho, a vitória dos mandantes teria sido definida bem antes do fim da partida.

A melhor resposta do Náutico foi quando Bergson recebeu passe de letra de Renan Oliveira e fez o inacreditável. Aos 21 minutos da etapa complementar, o atacante alvirrubro conseguiu perder uma chance clara, daquelas impossíveis de errar. Chutou por cima do gol de Diogo Silva e fez o mais difícil. 

O empate foi ficando de bom tamanho para o Náutico e Givanildo Oliveira deixou isso claro quando colocou Negretti na vaga de Yuri Mamute antes dos 30 minutos do segundo tempo. O objetivo não era mais buscar a vitória, mas garantir o ponto fora de casa. Foi aí que veio o castigo. Aos 37 minutos, Rodolpho, que vinha sendo talvez o único destaque do Náutico, falhou novamente. Socou a bola de forma errada e Alfredo, de costas, cabeceou para o fundo das redes para virar a partida. 

A partir daí só desespero do Avirrubro. O time de Givanildo Oliveira atacou de forma desordenada e esteve longe do seu melhor. Bem diferente do time que não perdia há oito jogos. Mas assim é a Série B. Ser perfeito é algo quase impossível e tropeços acontecem. Uma lição que o Náutico terá que assimilar rapidamente para continuar na briga pelo acesso. 

Ficha do Jogo


Luverdense
Diogo Silva; Raul Prata, Moacir, Everton e Paulinho; Jean Patrick, Ricardo e Douglas Baggio (Abner, aos 35’ do 2ºT); Diogo Sodré (Rafael Macena, aos 21’ do 2ºT), Alfredo e Rafael (Tozin, aos 25’ do 2ºT). Técnico: Junior Rocha.

Náutico
Rodolpho; Joazi, Rafael Pereira, Igor Rabello e Gaston; João Ananias, Rodrigo Souza (Jefferson Nem, aos 38’ do 2ºT) Marco Antônio (Tiago Adan, aos 33’ do 2ºT) e Renan Oliveira; Bergson e Yuri Mamute (Negretti, aos 28’ do 2ºT). Técnico: Givanildo Oliveira.

Data: 21/10/2016
Estádio: Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde - MT
Árbitro: Alisson Sidnei (TO)
Assistentes: Fabio Pereira e Natal da Silva Ramos Junior (TO)
Gols: Bergson (aos 10’ do 1ºT) (NAU); Alfredo (10’ e 37’ do 2ºT) (LUV)
Cartões amarelos: Gaston (NAU); Raul Prata, Ricardo e Abner (LUV)
Expulsão: Abner (LUV)
Público: 1.072
Renda: R$ 7.020
 
DO SUPER ESPORTES PE 

...
 
 
 
eXTReMe Tracker