Página inicial
 
Mural de recados
27.05 | Aldery
Ao que parece o gramado melhorou muito, e com a chuva deste sábado 27/5 - vai me ...
27.05 | DANIEL Barros
Central, uma propriedade futebolista histórica de Caruaru. Entre os torcedore ...
27.05 | Patativa
Lugar de centralino é no lacerdao neste domingo vamos mostrar nossa força e espe ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
30/08/2016
23h33 | esportes - SÉRIE B 2016
SÉRIE B - Náutico 0x2 Londrina - Timbu volta a tropeçar em casa e fica mais longe do G4
O Náutico está completamente mudado no 2º turno da Série B. O time que fechou a primeira metade da competição como melhor mandante perdeu logo na estreia do returno em casa. A mesma equipe, que não tinha força fora de casa, venceu longe do Recife na rodada seguinte. Nesta terça-feira, na Arena de Pernambuco, diante do Londrina, a esperança era que a equipe voltasse a vencer em casa e entrasse na briga pelo G4, mas o que se viu foi o Náutico "versão 2.0" desta Série B. Um time sem criatividade e que perdeu o seu ímpeto como mandante. Situação perfeita para que o Londrina utilizasse a bola parada e o contra-ataque para vencer por 2 a 0. 

A derrota colocou o Timbu na oitava posição e o afastou, mais uma vez, do grupo dos quatro mais bem classificados na Série B. Agora, a distância é de seis pontos - seria de apenas três se a equipe tivesse conseguido cumprir o fundamental para quem sonha com o acesso: fazer o dever de casa. O Náutico volta a campo no sábado, ás 21h, contra o Sampaio Corrêa, no Maranhão. Depois, enfrenta o Bahia, na Arena de Pernambuco.

O jogo
O primeiro tempo foi de dar sono. O futebol apresentado em campo refletiu na arquibancada. Ao invés de uma partida de futebol, o público se comportava como se assistisse uma peça de teatro. E das ruins! Inerte, silenciosa. O único momento que mudou isso foi quando Rony arrancou do meio de campo, mas finalizou para fora. Isso ocorreu aos 12 minutos. Foi a única finalização com perigo dos donos da casa. Para não dizer que o Timbu não chegou próximo ao gol de Marcelo outra vez nos 45 minutos iniciais, Renan Oliveira e Rony fizeram uma boa tabela, mas o meia não conseguiu finalizar. 

A situação do Náutico piorou quando aos 36 minutos, através de uma bola alçada na área, o Londrina abriu o placar. O volante Germano, que já teve passagem pelo Sport, completou o cruzamento na segunda trave e complicou a vida do Náutico. A partir desse momento, a impaciência da torcida somada à falta de criatividade do time fez com que o resultado não se alterasse. 

Mudar era preciso. Mudanças que devem ter sido programadas por Alexandre Gallo na véspera - não estava no banco de reservas, suspenso. Logo no intervalo, o atacante Bergson e o meia Vinícius entraram nos postos de João Ananias e Hugo. Enquanto o meia mostrou que mudaria a cara da partida em poucos minutos, Bergson, mais uma vez, comprovou o motivo de não começar uma partida como titular rotineiramente. Nos seus dois primeiros chutes ao gol, parecia mais preocupado em reclamar da arbitragem e pedir algum tipo de irregularidade do adversário. 

Com apenas um volante, três atacantes e um meia, o Náutico naturalmente pressionou o adversário, mas se limitava a abrir a bola nas laterais, principalmente na direita com Joazi, e tentar cruzá-la na área. Foi ineficaz. Em um desses lances, para completar, o camisa 2 perdeu a bola que definiu a partida. Em contra-ataque rápido, Keirrison recebeu livre e não perdoou. Colocou no fundo das redes de Júlio César e instaurou um clima hostil na Arena de Pernambuco. Principalmente para Joazi. A todo momento que o lateral tocava na bola, as vaias ecoavam no estádio. 

O gol do Londrina definiu o jogo. Não por mérito dos visitantes, mas pela inoperância do Náutico que não mudou o seu modo de atacar. Limitou-se a tentar cruzar bolas na área e a chutar de longe quando não conseguia a penetração. Características de um time que carece de alternativas e parece mal treinado. Talvez a ausência de Gallo na beira do campo tenha feito falta, mas não é algo que justifique o pobre futebol apresentado. 


Náutico
Júlio César; Joazi, Rafael Pereira, Adalberto e Gaston; João Ananias (Vinícius, no intervalo), Eurico, Hugo (Bergson, no intervalo) e Renan Oliveira (Yuri Mamute, aos 37’ do 2ºT); Rony e Jefferson Nem. Técnico: Valdir Benedito (interino).

Londrina
Marcelo; Igor Bosel, Everton Sena, Matheus (Luizão, aos 40’ do 2ºT) e Paulinho; Germano, Filippe Souto, Rafael Gava (Zé Rafael, aos 31’ do 1ºT) e Rondinelly; Jô e Keirrison (Itamar, aos 23 do 2ºT)’. Técnico: Claudio Tencate.

Data: 30/8/16.
Estádio: Arena de Pernambuco, em São Lourenço.
Árbitro: Devarly Lira do Rosário (ES)
Assistentes: Leonardo Mendonça e Valberson Braz Zanotti (ambos do ES)
Gols: Germano (aos 37’ do 1ºT) e Keirrison (aos 15’ do 2ºT)
Cartões amarelos: Eurico e Rony (NAU); Germano (LON)
Público: 3.177
Renda: R$ 47.680
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker