Página inicial
 
Mural de recados
22.05 | Aldery
Alguém lembra aqui da Série B de 1997? Da parceria entre Central e Cadimo Barros ...
22.05 | Israelito Almeida
Maravilhosa Graça! E a saga de vergonha continua. Até quando senhores alvinegr ...
22.05 | Patativa
Qual a parceria que fez o Atlético Pernambucano e qual a empresa parceira do Sal ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
16/07/2016
05h51 | esportes - SÉRIE B 2016
SÉRIE B - Goiás 4x2 Náutico
O Náutico entrou em campo para enfrentar o Goiás sabendo que uma derrota poderia colocá-lo no ponto mais descendente da sua queda de rendimento na Série B. Tinha chances de chegar à 11ª posição, a pior desde a largada da competição. Mesmo sem mostrar um primor de futebol, terminou o primeiro tempo vencendo por 2 a 1. Na segunda etapa, porém, mostrou as falhas que vêm virando rotina na equipe, especialmente defensivas. Tomou três gols em 15 minutos e deixou o Serra Dourada com um 4 a 2 que poderia até ter sido mais elástico.

Sem poder contar com cinco jogadores que iniciaram a partida contra o CRB, o técnico Alexandre Gallo foi obrigado a montar um time com alguns improvisos. Apesar de ter três volantes na teoria, o Timbu jogou com Maylson mais adiantado, no setor da criação, ao lado de Hugo, que tinha liberdade para chegar ao ataque. No começo do jogo, os visitantes ensaiaram uma pressão. Logo aos dois minutos, em contra-ataque, Rony lançou Maylson, que bateu de primeira e levou perigo.

Aos cinco, foi a vez de Hugo achar Rony em um belo lançamento. O atacante foi derrubado pelo goleiro Ivan. Pênalti que o camisa 10 do Náutico bateu, abrindo o placar no Serra Dourada. Após o gol, porém, a tônica do time na Série B se repetiu: aos poucos, o Timbu começou a dar espaços para o Goiás jogar no seu campo. Para construir as jogadas ofensivas, se resumia à ligação direta. O Esmeraldino esbarrava nas próprias limitações e errava no último passe.

Se não tinha grandes chances, o Goiás, melhor em campo, foi recompensando por uma falha individual do clube alvirrubro. Júlio César errou a saída de bola e entregou nos pés de Léo Sena, que iniciou uma jogada que terminou em pênalti de Joazi em Carlos Eduardo. O meia Léo Lima, no entanto, cobrou para fora. O empate dos mandantes, porém, já amadurecia. Aos 37, a linha de impedimento do Alvirrubro falhou e Rossi saiu na cara do arqueiro alvirrubro, que travou a finalização. No rebote, Carlos Eduardo igualou o placar.

Após o gol, o Goiás continuou a pressionar o Alvirrubro em busca da virada. Mas acabou se desorganizando atrás. E tomou a virada de forma parecida como marcou o gol de empate. Praticamente sem incomodar o goleiro Ivan no primeiro tempo, o Náutico conseguiu chegar ao segundo gol. Desta vez, aos 44 minutos, Maylson achou Rony sozinho entre a linha defensiva do Alviverde. O atacante finalizou com tranquilidade e marcou seu quarto gol na Série B.

Segundo tempo
A partida recomeçou com a mesma toada dos primeiros 45 minutos. Buscando mais o gol, o Goiás empatou logo aos oito, em bola cruzada por Rossi. Léo Lima subiu nas costas de Gastón e cabeceou no canto de Júlio César. Novamente, o Timbu só saiu para o ataque após sofrer o gol. Nas duas melhores chances, Maylson foi o construtor da jogada. Aos 14, lançou para Jefferson Nem, que tirou o goleiro mas não finalizou, e aos 17 para Hugo, que mandou uma bomba para defesa de Ivan.

Um minuto depois, contudo, nova falha individual e castigo. Léo Pereira perdeu a bola para Patrick, que serviu Rossi. Sem goleiro, ele decretou a virada goiana. O ânimo pelo terceiro gol levou o Goiás para cima de um Náutico aturdido. Teve duas chances antes de marcar o quarto. Daniel Carvalho viu a zaga alvirrubra novamente desarrumada e lançou para Rossi. O atacante driblou Júlio César, que saiu mal, e marcou o quarto gol, que aliviou a partida para os goianos.

Com o 4 a 2 no placar, ficaram nítidos o nervosismo e a desorganização do time alvirrubro. Deixando o Goiás tocar a bola como queria, o Timbu chegou perto de levar uma goleada. Nem as entradas de Renan Oliveira e Tiago Adan deram novo fôlego ao time. Jefferson Nem ainda marcou o que seria o terceiro gol do Náutico, mas o árbitro Rafael Traci anulou o lance legítimo alegando impedimento.

Ficha do jogo
Goiás
Ivan; Anderson Salles, Wesley Matos, Alex Alves (Daniel Carvalho) e Juninho; David, Patrick, Léo Sena e Léo Lima (Willian); Carlos Eduardo e Rossi (Felipe Saturnino). Técnico: Léo Condé.

Náutico
Júlio César; Joazi, Rafael Pereira, Léo Pereira e Mateus Muller; Ygor (Renan Oliveira), Gastón e Maylson; Rony, Jefferson Nem (Walber) e Hugo (Tiago Adan). Técnico: Alexandre Gallo.

Estádio: Serra Dourada, em Goiás. Horário: 16h30. Árbitro: Rafael Traci (PR). Assistentes: Rafael Trombeta e Andre Luiz Severo (ambos do PR). Gols: Hugo e Rony (Náutico), Carlos Eduardo, Léo Lima e Rossi (2) (Goiás). Cartões amarelos:Ivan (Goiás), Léo Pereira Joazi, Rafael Pereira e Júlio César (Náutico).
 
DO SUPER ESPORTES PE 

...
 
 
 
eXTReMe Tracker