Página inicial
 
Mural de recados
25.06 | jonathas silva Beringuel
Lamentavel mais um ano perdido pro central. mais um ano de sofrimento pra torcid ...
25.06 | Davi
A ultima vez q fui ao Lacerdão foi na eliminação da serie D de 2009 naquele dia ...
25.06 | Ze ligado
Se espantar com o que??? Foi o central sendo o central simplesmente isso. Já per ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
21/06/2016
11h38 | esportes - SÉRIE B 2016
SÉRIE B - Brasil de Pelotas 0x0 Náutico - Timbu chega ao terceiro jogo sem vitória, seu maior jejum nesta Série B
Sob um frio de oito graus, Brasil de Pelotas e Náutico fizeram um jogo gélido em emoções nesta terça-feira, no estádio Centenário, em Caxias do Sul. Congelado até no placar, que não saiu do 0 a 0. Com o resultado, os alvirrubros chegaram ao terceiro jogo seguido sem vitória, o seu maior jejum nesta Série B, e saiu da zona de acesso à Série A, caindo para a 6ª colocação, com 18 pontos. No próximo sábado, na quente Fortaleza, o Timbu tem um confronto direito pelo G4, contra o Ceará, no Castelão. A expectativa é que com um futebol mais animado.

Para a partida, o técnico timbu Alexandre Gallo resolveu fazer cinco modificações com relação ao time que entrou em campo no empate com o Bragantino, na rodada passada. Uma prova de que, mesmo reclamando do gramado do Arruda, o futebol apresentado pelo Náutico na ocasião não agradou. Dessas, apenas duas foram obrigatórias, com o volante Rodrigo Souza herdando a vaga de Maylson, lesionado, e Tiago Adan entrando no ataque na vaga de Bergson, suspenso. 

As demais alterações foram técnicas, com Joazi voltando à lateral direita, deslocando assim Rafael Pereira para a zaga e Henrique ganhando mais uma chance na lateral esquerda, no posto de Mateus Muller. Nesse caso, para reforçar o poder de marcação. Porém, a alteração mais significativa e surpreendente foi a opção por Caíque Valdívia no meio de campo, mandando Renan Oliveira para o banco. Mudança que não deu resultado,

Isso porque a velocidade esperada para puxar os contra-ataques não ocorreu, Simplesmente porque Valdívia foi peça nula em campo. Com isso, o Náutico também perdeu qualidade no passe e na criação, muitas vezes abusando de ligações direta entre defesa e ataque. Como do outro lado, o Brasil também apresentava problemas ofensivos o que se viu foi um primeiro tempo fraco modorrento e fraco em oportunidades. Vale destacar que os gaúchos praticamente não tiveram apoio da torcida. Isso porque a partida teve que ser transferida para Caxias do Sul, a 370 quilômetros de Pelotas, devido a reformas no estádio Bento Freitas. 

A melhor entre as raras chances de gol foi a favor dos alvirrubros. Aos 24 minutos, após o lateral Wender “furar” após chutão de Júlio César, a bola sobrou limpa para Rony, que de frente para o goleiro Eduardo Martini, não teve competência para tirar o zero do placar. 

Apesar do fraco primeiro tempo, as duas equipes voltaram a campo sem alterações para a etapa final. Sendo assim, com futebol não é mágica, o cenário continuou o mesmo. Com o Brasil, apesar da maior posse de bola, tendo dificuldade para romper a defesa do Náutico, enquanto os timbus, se limitavam a marcar e dar chutões. Em resumo, o jogo seguia feio.

 Aos 16 minutos, enfim Gallo parece também ter se incomodado com isso e fez o óbvio, ao sacar o sumido Caíque Valdívia para a entrada de Renan Oliveira. A alteração deu maior posse de bola aos alvirrubros, que passaram a trocar mais passes e chegar de forma mais organizada a frente. Porém, não o suficiente para aumentar o volume de chances de gol. A exceção de uma cabeçada de Tiago Adan e um chute do próprio Renan Oliveira, nenhum outro lance foi digno de registro. Do lado do Brasil, Júlio César seria exigido apenas uma vez.

Ficha do jogo

Brasil-RS 0
Eduardo Martini; Wender (Weldinho), Leandro Camilo, Teco e Marlon; Leandro Leite, Washington e Diogo Oliveira (Clébson); Felipe Garcia, Ramon e Marcos Paraná (Nathan Cachorrão). Técnico: Rogério Zimmermann

Náutico 0
Júlio César, Joazi, Rafael Pereira, Eduardo, Henrique; Gaston, Rodrigo Souza (Gustavo Henrique) e Caique Valdívia (Renan Oliveira), Jefferson Nem, Rony (Léo Pereira) e Tiago Adan. Técnico: Alexandre Gallo

Local: Estádio Centenário, em Caxias do Sul. Árbitro: Alinor Silva da Paixão (MT). Assistentes: Marcelo Granado e Jackson Timóteo Lopes (MT). Cartões amarelos: Marcos Paraná (B),  Tiago Adan, Eduardo, Gustavo Henrique, Gaston (N).
 
DO SUPER ESPORTES 
 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker