Página inicial
 
Mural de recados
15.12 | Fabio
Sorteio da Copa do Brasil: Santos/AP x Sport Fluminense de Feira/BA x Santa ...
15.12 | Patativa
Foi no lacerdao hoje e fiquei impressionado com o péssima qualidade do gramado,m ...
15.12 | KLEO
CARLOS, TU ALÉM D SER PESSIMISTA, SÓ PENSA NEGATIVO, DIFERENTE DE MIM Q SOU OTIM ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
31/05/2016
21h43 | esportes - SÉRIE B 2016
SÉRIE B - Bahia 0x0 Náutico - Timbu segue sem vencer fora de casa, mas conquista importante empate em Salvador
 

Foto: Divulgação/Bahia

 
Não foi desta vez que o Náutico venceu o Bahia jogando em Salvador. Também não foi desta vez que o Timbu conseguiu vencer fora de casa em sua terceira partida como visitante nesta Série B do Campeonato Brasileiro. Pelo menos, ao contrário dos dois jogos anteriores longe do Recife, o Timbu não volta para casa com a derrota. Após um primeiro tempo em que foi completamente dominado pelo tricolor baiano, a equipe alvirrubra melhorou na etapa complementar e chegou a estar perto do gol da vitória. Rafael Coelho, porém, voltou a ser o vilão, desperdiçando a melhor chance timbu do confronto. E, assim, Bahia e Náutico não passaram do 0 a 0. Os alvirrubros trazem, ao menos, um precioso ponto na bagagem.

O técnico Alexandre Gallo voltou a escalar a formação alvirrubra com quatro atacantes. Mas, pela frente, o Náutico não tinha um adversário tão frágil como o Sampaio Corrêa. Diante de um time tecnicamente diferenciado dentro da Série B, como o Bahia, o Timbu tentou apostar naquilo que seu treinador mais gosta: transições ofensivas rápidas.

Logo nos momentos iniciais ficou evidente que o Bahia tentaria assumir as ações do jogo, enquanto o Náutico buscaria tentar explorar as bolas em profundidade. No primeiro tempo, contudo, a estratégia de Gallo ficou mesmo apenas pela tentativa. Isso porque - salvo um lance isolado aos 12 minutos, no qual Maylson deu um belo passe em profundidade e Rony, que fez bem a ultrapassagem mas pecou na finalização - o Timbu ficou completamente acuado, sem criação, nem transição ofensiva.

Os 70,5% de posse de bola, segundo o Footstats, deixavam evidente. A primeira etapa foi toda do tricolor baiano. Os donos da casa, entretanto, não conseguiram converter o domínio e o volume de jogo em gols. Não por falta de oportunidades, frise-se. Fazendo de Júlio César o melhor jogador alvirrbro na etapa inicial. 

E foram várias as chances que o Bahia teve para abrir o placar. Fosse construindo em apoio, trocando passes nas linhas defensivas timbus - como ao seis minutos, com Edgar Junio surgindo isolado diante do goleiro alvirrubro. Fosse através de bolas paradas (como a de Renato Cajé aos 24). Ou nos chutes de longa distância, como aos 29, 34 e 37 minutos. Sempre com Júlio César assegurando o empate que se manteve inalterado ao intervalo do confronto.

Segundo tempo
Quando o segundo tempo começou, parecia que se veria o mesmo filme da primeira etapa. Logo aos seis minutos, Brocador recebeu com enorme liberdade dentro da área. De frente para o gol, porém, o centroavante chutou para fora, mandando a bola rente à trave. O Bahia se empolgou com a oportunidade e se lançou de vez para cima do Náutico, em busca de sua terceira vitória em casa na Série B.

O susto inicial, entretanto, parece ter acordado a equipe alvirrubra. Finalmente, o Timbu começou a acertar os contra-ataques, que inexistiram no primeiro tempo. Encaixando as transições ofensivas, acelerando o passo e partindo para o ataque em investidas rápidas, o Náutico conseguiu criar uma sequência de chances. A primeira foi com Renan Oliveira, que entrou no lugar de Bergson, esteve perto de fazer um golaço aos 15 minutos. 

A grande oportunidade, porém, viria aos 21. E assim como nas duas outras vezes em que saiu do Recife nesta Série B, o Náutico voltaria a sofrer com a falta de pontaria de Rafael Coelho. Após belo contra-ataque, o atacante recebeu um passe açucarado. Mas, de frente para o gol, isolou a bola por cima do gol. O Bahia ainda assustaria com um lance de bola parada. O placar, contudo, permaneceria sem mudanças.

FICHA DO JOGO

Bahia 0
Marcelo Lomba; Tinga, Jackson, Eder e João Paulo; Feijão (Danilo Pires), Juninho e Renato Cajá (Zé Roberto); Luisinho, Hernane e Edigar Junio (Henrique). Técnico: Doriva.

Náutico 0
Júlio César; Joazi, Rafael Pereira, Eduardo e Mateus Muller; Gastón e Maylson (Hélder); Rony, Bergson (Renan Oliveira) e Jefferson Nem (Taiberson); Rafael Coelho. Técnico: Alexandre Gallo.

Estádio: Fonte Nova (Salvador-BA). Árbitro: João Batista de Arruda (RJ).
Assistentes: Carlos Henrique de Lima Filho (RJ) e Daniel Vidal Pimentel (SE). Cartões amarelos: João Paulo (Bahia); Joazi, Bergson, Rafael Coelho e Júlio César (Náutico). Público: 8.749. Renda: R$ 127.564,50.
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker