Página inicial
 
Mural de recados
25.04 | Preto e branco
Esses cara são repletos pilantras dizem q gostam do central só pode tá de sacana ...
25.04 | kaio
Licius saiu ? ...
25.04 | Israelito Almeida
Maravilhosa Graça! CONCORDO PLENAMENTE DO Alcino PM. Venho falando isso a ano ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
06/03/2016
12h21 | esportes - PE 2016
PE 2016 --- Náutico 1x1 Sport - Ronaldo Alves abriu o placar, de pênalti, e Niel marcou contra, empatando o jogo
 desinteresse manifestado pelas torcidas de Náutico e Sport - com apenas sete mil comparecendo à Arena Pernambuco - parece ter refletido na atuação das equipes nos 45 minutos inciais do Clássico dos Clássicos. Uma partida jogada sem a intensidade e vibração que urgem nos grandes confrontos em que a gana de vencer o rival muitas vezes se sobressai a todas às limitações que impedem a apresentação de um bom espetáculo. Cenário que se alterou graças ao gol alvirrubro logo aos 10 minutos da etapa final. A mudança no placar mexeu com a partida. Que se não primava pela qualidade técnica, ao menos ganhou em emoção. No fim o empate por 1 a 1, que acabou com a sequência de vitórias do Leão sobre o alvirrubro, mas manteve o jejum do Timbu, terminou por ser justo.

Como havia prometido o técnico Gilmar Dal Pozzo, o Náutico entrou em campo disposto a corrigir os equívocos demonstrados na semana passada, na derrota por 2 a 0 para este mesmo Sport. Para isso, o treinador alvirrubro colocou Caíque - que dá mais consistência na recomposição defensiva - no lugar de Esquerdinha e centralizou Renan Oliveira, que não vinha rendendo aberto pelo lado esquerdo. E o Timbu conseguiu, em diversos momentos da primeira etapa, adiantar suas linhas, atrapalhando a saída de bola rubro-negra. 

Entretanto, sem profundidade ofensiva, a melhor oportunidade timbu foi mesmo em um lance de bola parada, com o estreante Walber - que entrou no lugar de Rafael Pereira, não porque o defensor havia sido engolido por Lenis na semana anterior, mas por lesão - tirando tinta da trave em cobrança de falta.

Outro erro corrigido pela equipe alvirrubra foi a cobertura na lateral defensiva. Assim, conseguiu anular a peça mais perigosa dos Leões, Lenis. O colombiano começou a jogar pela esquerda, mas logo viu que não ia ter facilidade diante de Walber e foi para a direita, tentar explorar as costas de Gastón. A cobertura de Eller, porém, impedia que o atacante conseguisse desequilibrar como fizera no confronto anterior.

Sem Lenis para dar profundidade e velocidade pela lateral, o Sport ressentia a falta de um meia articulador, que fizesse com que o time progredisse de forma vertical. Os três volantes rubro-negros, bem marcados na saída de bola, não conseguiam achar os espaços para meter as bolas visando à ultrapassagem dos três atacantes. E, assim, o melhor lance do Leão foi aos quatro minutos, com o apagado Gabriel Xavier mandando por cima. Ao intervalo, o 0 a 0 fazia justiça ao (pobre) futebol apresentado no primeiro tempo.
 
 O bem que um gol faz
O Náutico voltou para o jogo marcando o Sport em seu campo defensivo. E a pressão alvirrubra resultou. Aos oito minutos, Rony deu encontrou Caíque na entrada da área. O meia progrediu e caiu após contato de Matheus Ferraz. O árbitro marcou pênalti. Que foi convertido por Ronaldo Alves, o zagueiro artilheiro timbu que chegou ao seu terceiro gol no Estadual.

O gol alvirrubro fez bem ao clássico, que ganhou em velocidade e emoção. O Sport foi para cima do Náutico, deixando o confronto mais aberto. E o Leão não demorou muito para encontrar o empate. Também em lance de bola parada, mas através de uma falta alçada na área, o prata da casa timbu Niel desviou e fez balançar as redes defendidas por Júlio César.

Após chegar à igualdade, o Leão passou a dominar as ações do jogo, controlando a posse de bola e passando mais tempo na intermediária alvirrubra. O Náutico tentava sair nos contra-ataques, mas a transição lenta de Renan Oliveira, Caíque e Thiago Santana não contribuíam para a eficácia da estratégia timbu. E, assim, o clássico terminou empatado. Bom para o Salgueiro, que bateu o América e assumiu a liderança do hexagonal do título.

Ficha do jogo

Náutico 1
Júlio César; Walber, Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Gastón; Niel e Rodrigo Souza; Rony, Caíque (Eduardinho) e Renan Oliveira (Esquerdinha); Daniel Morais (Thiago Santana). Técnico: Gilmar Dal Pozzo.

Sport 1
Danilo Fernandes; Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval e Renê; Serginho, Rithely e Luiz Antônio (Túlio de Melo); Lenis (Everton Felipe), Gabriel Xavier (Neto Moura) e Vinícius Araújo. Técnico: Paulo Roberto Falcão.

Local: Arena Pernambuco (São Lourenço da Mata-PE). Árbitro: José Woshington da Silva. Assistentes: Clovis Amaral e Cleberson Leite. Gols: Ronaldo Alves (11 min do 2º) e Niel (contra, aos 15 min do 2º). Cartões amarelos: Rony e Gaston (N), Danilo Fernandes, Matheus Ferraz, Serginho, Vinícius Araújo, Gabriel Xavier e Lenis (S). Cartão vermelho: Gastón (N). Público: 7.041. Renda: R$ 177.460,00.
 
DO SUPER ESPORTES PE 

...
 
 
 
eXTReMe Tracker