Página inicial
 
Mural de recados
27.06 | A verdade nua e crua
Fiquei sabendo que o Sousa entrou em campo irregular e clube será punido com a p ...
27.06 | Patativa
Carlos meu amigo alvinegro não perca seu tempo com esses palhaços que querem ver ...
27.06 | Carlos
O verdade nua e crua diga seu nome vc tem medo a merda que vc falou foi tão gran ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
14/11/2015
09h04 | esportes - SÉRIE B
SÉRIE B: Náutico 1x1 CRB - Sonho da Série A cada vez mais distante para o Timbu
Quando entrou em campo, para enfrentar um CRB já sem qualquer pretensão na competição, o Náutico sabia que uma combinação de resultados poderia o recolocar no G4 da Série B, deixá-lo em igualdade de pontos com o quarto colocado, ou, na pior das hipóteses, ainda vivo na briga pelo acesso. Era de se esperar, portanto, que o Timbu entrasse em campo imprimindo um ritmo forte, pressionando o adversário, procurando encurralar o oponente em seu sistema defensivo. Certo? Em teoria, sim. Na prática, não foi o que se viu na Arena Pernambuco, neste sábado (14). E o Náutico pagou caro pela combinação de apatia e ineficiência ofensiva. Pagou com o sonho de voltar à Série A, refletido no placar de 1 a 1. Matematicamente ainda tem chances? Na teoria dos números, sim. Na dureza do mundo real, porém, ficou difícil de acreditar.

Um Náutico apático dominava a posse de bola, porém de forma ineficaz. Trocava passes para o lado, controlando o jogo - é verdade -, porém, que enquanto estava 0 a 0. apenas interessava aos seus concorrentes diretos na luta pelo acesso à Série A. Não por acaso, quando trocou passes e imprimiu maior velocidade, o Timbu envolveu o CRB e chegou com perigo pelo menos duas vezes. Era pouco, contudo, para quem precisava da vitória.
 
O castigo para a morosidade alvirrubra veio aos 24 minutos. A zaga afastou mal e foi ainda pior na proteção de sua área. Peri pegou o rebote e chutou no canto. Júlio César apenas observou a bola entrar em seu gol. Atrás no placar, pedia-se um Náutico mais célere e agressivo com a bola. Ledo engano. As trocas de passes laterais e a falta de verticalidade seguiam imperando. 

O Timbu, entretanto, era melhor. E não tinha como não ser. Tecnicamente é superior a um CRB que veio ao Recife em ritmo de férias. Apesar disso, o gol de empate só saiu de bola parada. Sintomático. Com a bola rolando, o Náutico desperdiçou 45 minutos no ataque ao acesso. Mas, dos males o menor e após um escanteio Ronaldo Alves deixou tudo igual no marcador, dando ao alvirrubro pernambucano mais 45 minutos para, finalmente, buscar a vitória tão necessária.

Mais do mesmo
O Timbu bem que esboçou uma postura mais aguerrida no retorno para o segundo tempo. Adiantou a marcação, procurando pressionar o CRB em sua saída de bola. E até criou dois lances de perigo nos 10 minutos iniciais. Ambos, porém, mal aproveitados por Bergson, péssimo na finalização. À medida que o tempo ia passando, contudo, o Náutico não mantinha o ritmo e seu jogo foi caindo de velocidade até voltar ao mesmo cenário da etapa inicial.

Como se não bastasse a própria incapacidade técnica de superar um oponente desfalcado e sem pretensões na competição dentro de campo, fora dele, a situação alvirrubra apenas piorava. Enquanto o empate persistia no placar da Arena Pernambuco, os resultados de Santa Cruz e Vitória iam colocando o Timbu ainda mais longe do G4. Para desespero da torcida que se inquietava nas arquibancadas. Até culminar com a vaia de quem praticamente se despede, melancolicamente, da competição.
 
 Ficha técnica

Náutico 1
Júlio César; Rafael Pereira (Fillipe Soutto), Ronaldo Alves, Fabiano Eller e Gastón; Jackson Caucaia, William Magrão, Dakson (Renato) e Hiltinho (Douglas); Bergson e Daniel Morais. Técnico: Gilmar Dal Pozzo.

CRB 1
Juliano; Bocão, Diego Jussani, Audálio e Pery; Josa, Olívio, Glaydson Almeida, Leandro Brasília (Clebinho) e Cañete (Saci); Maxwell (Jonata). Técnico: Mazola Júnior.

Local: Arena Pernambuco (São Lourenço da Mata-PE). Árbitro: Francisco de Paula dos Santos (RS). Assistentes: Cleriston Clay Barreto (SE) e Rafael da Silva Alves (RS). Gols: Ronaldo Alves (Náutico); Peri (CRB). Cartões amarelos: Rafael Pereira, Jackson Caucaia (Náutico); Josa, Cañete, Olívio, Maxwell, Jonata (CRB). Público: 8.006. Renda: R$ 144.185,00.
 
Do Super Esportes PE 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker