Página inicial
 
Mural de recados
16.08 | CLEO
O TERRENO ONDE DEVEM CONSTRUIR O CT DO CENTRAL? TÁ JOGADO PRAS COBRAS, COMO SE D ...
15.08 | MARCOS LEITE
RESTA AOS SÓCIOS PROPRIETÁRIOS DO COMÉRCIO, SE UNIR, RESTAURAR E REFORMAR O CLU ...
15.08 | VICTOR HUGO
É VERDADE GUSTAVO, O CENTRALZÃO TEM Q CONSTRUIR SEU CT NINHO DA PATATIVA NO SEU ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
24/10/2014
23h49 | esportes - SÉRIE B
SÉRIE B -> Náutico é dominado na maior parte do tempo e perde para o Atlético-GO: 2x1
CLIQUE E CONFIRA.

Na maior parte do tempo preso na boa marcação do Atlético-GO, o Náutico perdeu em casa por 2×1 e caiu para o 11º lugar na Série B. A segunda rodada seguida sem pontuar fez o time manter os sete pontos de distância para o G4 só que com menos jogos para tirar a defasagem. Na próxima rodada, os timbus enfrentam o Icasa, no Romeirão, sábado (1/11).

O Atlético de Goiás entrou em campo com a disposição de manter o Náutico o mais longe possível de seu gol. Para isso fez uma marcação quase pressão total. Manteve os volantes alvirrubros longe dos homens de frente e deu certo. A medida obrigou os atacantes a recuarem para manter o time mais compacto e deixou Cañete, sem a mobilidade necessária, pouco produtivo. Como o time vermelho e preto errava muito o passe final, o jogo ficou preso na intemediária alvirrubra e com pouquíssimas finalizações.

Nessa caminhada, dificilmente um time conseguiria envolver o outro. Chance de gol viria mais fácil por cima. E veio para o Náutico, aos 25 minutos. Raí bateu escanteio da direita e Renato Chaves cabeceou bem. Melhor ainda foi a defesa de Márcio. Depois disso, o jogo entrou num chove-não-molha que deu calo na vista de tanto passe errado. Até Tiago Primão, de longe o melhor em campo, perceber que Júlio César estava um pouco adiantado, mas o suficiente para não alcançar o efeito que ele pôs na bola e acertar perto do ângulo direito.

Nem o gol fez o Náutico mudar de postura. Para tentar melhorar a saída de bola todo mundo recuou. O Atlético manteve a pressão na saída e segurou o timbu. Aos 40 minutos, Bruno Furlan enroscou-se com Mateus dentro da área e caiu. O árbitro interpretou como falta e marcou o pênalti. Sassá foi para a cobrança e saltitou para o lado, parou, olhou tanto que chutou por cima do travessão. No último minuto, Furlan ainda acertou uma bomba no travessão.

O Náutico voltou para o segundo tempo e em dez minutos fez muito mais do que em toda primeira etapa. Jogou com velocidade, não se deixou marcar e, principalmente, criou. Mas, claro, não sem passar por sustos. Com um minuto, Jorginho recebeu cruzamento na marca do pênalti e mandou por cima. Depois o timbu partiu para o ataque, chegou perto com Furlan e Cañete. Até Furlan, outra vez, sofrer pênalti, agora de Artur. Sassá quis bater novamente e, desta vez partiu para a bola com mais decisão. Chutou forte, no canto direito e deixou tudo igual.

Quando tudo caminhava para uma pressão pela virada, o Dragão mostrou toda sua frieza. Tocou a bola, esperou o Náutico dar o espaço e pulou à frente no placar apenas dez minutos depois. Tiago Primão cruzou do lado direito da área para Jorginho subir livre e cabecear no canto oposto onde estava Júlio César. O desempate do time visitante deu o choque que faltava no jogo. O que era truncado deu lugar à correria. Do Náutico para tentar o novo empate e do Atlético para correr atrás dos alvirrubros.

Nos minutos finais, Dado Cavalcanti partiu para o tudo ou nada com Renato no lugar de João Ananias. Mas àquela altura o time estava praticamente sem cérebro no meio de campo. A bola chegava mais na base do chutão do que trabalhada pelos meias.

 

O onipresente do Náutico
Até nos piores momentos do Náutico na partida ele conseguia se destacar. Entre o meio e a ponta direita, Bruno Furlan incomodou bastante a defesa do Atlético. Trombou, chutou e conseguiu dois pênaltis. Faltou apenas melhorar a pontaria para deixar sua marca.

 

 

O onipresente do Atlético-GO
Tiago Primão parecia ter clones em campo. Pela direita, esquerda e pelo meio era tudo com ele, sem falar nas faltas. Fazendo uma associação ele seria como o titular de um cartório, que precisa carimbar todo documento que sai da firma. De quebra ainda acertou um belo chute de fora da área na hora de abrir o placar e deu o passe para o gol da vitória, de Jorginho.

 

Ficha do jogo:

Náutico: Júlio César; Neílson, Luiz Alberto, Renato Chaves e Raí; João Ananias (Renato), Hélder Ribeiro (Crislan), Paulinho e Cañete (Vítor Michels); Bruno Furlan e Sassá. Técnico: Dado Cavalcanti.

Atlético/GO: Márcio; Mateus, Artur, Lino e Diogo Barbosa; Willian Arão, Tiago Primão, Pedro Bambu e Jorginho (Juninho); Kayke (Josimar) e Diogo Campos (André Luiz). Técnico: Wagner Lopes.

Local: Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata (PE). Árbitro: Raphael Claus (SP). Assistentes: Márcia Bezerra Lopes Caetano (RO) e Ricardo Pavanelli Lanutto (SP). Gols: Tiago Primão, aos 37 do primeiro. Sassá, aos 11; Jorginho, aos 20 do segundo. Cartões amarelos: Bruno Furlan, Paulinho, Cañete, Sassá, Diogo Barbosa e Kayke.

Do Blog do Torcedor 


...
 
 
 
eXTReMe Tracker