Página inicial
 
Mural de recados
22.06 | Paulo alvinegro
Pois é patativa também dei a viagem perdida não tinha ingresso nenhum na sede o ...
22.06 | Patativa
O central e seu amadorismo fui até o lacerdao nesta quinta feira comprar meu ing ...
22.06 | José
Boa tarde Warley, Se caso o central empatar essa partida, ele ta classificado ? ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
01/12/2013
18h34 | esportes - SÉRIE A
SÉRIE A > Náutico perde para Vasco e se aproxima de recorde negativo do América-RN
Clique e Confira.
Era uma derrota que já se adivinhava antes mesmo de a partida começar. O Náutico, lanterna e rebaixado, vivia uma crise interna que, de tão séria, quase resultou em greve dos jogadores. O Vasco, por outro lado, era um time de enormes limitações técnicas, mas muito motivado. Pelo medo, mas motivado: precisava vencer o Timbu para seguir vivo na difícil luta contra a queda. Nem o imponderável do futebol foi capaz de salvar o Alvirrubro do revés- mais um nesta Série A. A lógica prevaleceu: Vasco 2 x 0 Timbu, neste domingo, no Maracanã.

Com a derrota, o Náutico ainda corre o risco de igualar a pior campanha da história dos pontos corridos. Se perder na próxima rodada, repete a pontuação do América-RN em 2007. Se tomar mais dois gols, ultrapassa os potiguares como a defesa mais vazada no mesmo período. A sorte é que o adversário é o Corinthians, dono do segundo pior ataque do torneio. Sim: na frente apenas do próprio Timbu. Já os cariocas, mesmo com a vitória, não saíram da zona de rebaixamento. Os resultados do domingo não lhe foram positivos. Decide seu destino no último jogo do torneio, diante do forte Atlético-PR, fora de casa. Nada fácil.

O JOGO - O primeiro tempo começou como lamentavelmente a torcida do Náutico se acostumou durante este ano: com gol do adversário. São recorrentes os casos em que o Timbu saiu perdendo antes dos 10 minutos - ou pouco depois dessa marca. Neste domingo, nenhuma novidade. Aos quatro minutos, Yotún soltou uma bomba de longe, Berna tocou na bola, que bateu na trave e voltou. Edmilson, premiado por acompanhar e acreditar no lance, teve dois trabalhos: o fácil, de empurrar a bola para as redes, e o prazeroso, de correr para o abraço.

Em vários outros jogos, o gol do início era invariavelmente acompanhado por mais um ou dois ainda na primeira etapa. Isso, agora, não aconteceu. O Náutico conseguiu segurar a derrota simples nos 45 minutos iniciais. Mas não que não tenha sofrido pressão. Até os 30 minutos, só deu Vasco.  Aos 11 e aos 20, o time teve duas oportunidades em jogadas aéreas. Uma foi para fora. A outra, defendida por Ricardo Berna.

A partir dos 30, o Náutico começou a melhorar um pouco. Franco-atirador, provavelmente incentivado por uma generosa mala branca do Fluminense, o Timbu passou a se aproveitar do nervosismo carioca. Maikon Leite, melhor alvirrubro em campo, foi lançado na esquerda, deixou o defensor para trás, invadiu a área pelo lado, cortou para o meio e bateu de chapa. A bola passou com perigo por cima do gol de Alessandro. Seis minutos depois, Leite recebeu passe dentro da área e iria ficar de frente para o gol - mas o zagueiro Luan conseguiu boloquear o chute na hora certa.

No segundo tempo, o jogo perdeu em qualidade - que já não era muita- e ganhou em emoção. Sobretudo para os vascaínos, que não podiam se dar ao luxo de perder a partida. É verdade que o Timbu não chegou a pressionar, mas evitou que o Bacalhau fizesse o mesmo e, com isso, ganhou um trunfo. Quanto mais o tempo passava e o time carioca não definia, mais aumentava o desconforto dos mandantes - cujo saldo de gols é mais baixo do que seus concorrentes.

Adilson Batista mudou: colocou Robinho no lugar de Thalles. O Vasco não melhorou em absolutamente nada. Pelo contrário: piorou e parou de criar oportunidades. A equipe chegava unicamente pelos lados, através dos cruzamentos de Yotun. O Timbu tentava chegar, sem lucidez, mas com disposição.

Rogério chegou com perigo aos 27, o Náutico rondou a área adversária em alguns momentos. Parecia que poderia dar para chegar. Não deu: Bernardo, que entrara havia pouco, arrancou da intermediária, passu por dois defensores e definiu, aos 42 do 2º tempo. Dois para o Vasco, zero para o Timbu.

Ficha do Jogo

Vasco: Alessandro; Fagner, Luan, Cris e Yotun; Guiñazu, Abuda,Pedro Ken e Marlone (Bernardo); Thalles (Robinho) e Edmilson. Técnico: Adilson Batista.

Náutico : Berna; Maranhão (Marcos Vinícius), Alison, Leandro Amaro e Bruno Collaço; Gustavo Henrique (Elicarlos), Martinez, Derley (Dadá) e Tiago Real; Rogério e Maikon Leite. Técnico: Marcelo Martelotte.

Série A. Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ). Horário: 16h (horário de Pernambuco). Árbitro: Anderson Daronco (RS). Auxiliares: Altemir Hausmann (RS) e Rafael da Silva Alves (RS). Gols: Edmilson (4 do 1ºT) e Bernardo (aos 42 do 2ºT). Cartões amarelos: Guiñazu, Robinho, Luan (Vasco); Alison, Bruno Collaço, Maranhão, Martinez (Náutico). Público: 55.914; Renda: R$ 1.174.540,00.

...
 
 
 
eXTReMe Tracker