Página inicial
 
Mural de recados
10.12 | paulo
A SERIE D NAO RENDA NADA MUITO PELO CONTRARIO DA MUITO PREJUIZO MEUS AMIGO FOI I ...
09.12 | Rubro Negro
Campeão com mérito? Como assim,série B de 86 tem um monte de time q se intitula ...
09.12 | CLEO
pra ajudar o central< temos q se associar, tem 3 categoRIas de SÓCIOS PRAS 3 CLA ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
15/11/2013
10h44 | esportes - SÉRIE A
SÉRIE A > Náutico perde para Fluminense (2x0) e ainda corre risco de igualar pior campanha da história dos pontos corridos
Clique e Confira.

 


Foto: Nelson Perez / Fluminense F.C.

Depois de confirmado o rebaixamento, a única missão do Náutico nesta Série A é não repetir o América-RN de 2007 e igualar a pior campanha da história dos pontos corridos. Os potiguares terminaram aquela edição com 17 pontos - mesma quantia que o Timbu tem neste momento. Jogo após jogo, porém, o time pernambucano não dá mostras de que será possível fazê-lo. Nesta quarta-feira, o Timbu perdeu mais uma vez - a nona derrota seguida. O algoz da vez foi o Fluminense, no Maracanã: 2 x 0, gols de Wagner e Samuel. O triunfo carioca, somado à derrota do Bahia, tirou a equipe de Dorival Júnior da zona de rebaixamento a três rodadas do fim do campeonato.

 

O JOGO - A verdade, caro torcedor, é que o jogo foi bem feio. Erros de passe em excesso, lentidão na saídade bola, perdas de posse constantes... O resultado foi favorável para o FLuminense por dois simples motivos: com a possibilidade de escapar do rebaixamento, os donos da casa entraram com mais fome do que o desmotivado time do Náutico. Além disso, apesar de não ser abudante, a qualidade da equipe é maior do que a do Timbu.

Aos 16 minutos, por exemplo, Rhayner puxou uma jogada em velocidade, passou por um defensor e deu para Marcos Júnior na esquerda. O atacante foi inteligente e viu Wagner, sozinho, na entrada da área. O meia recebeu e acertou um chute belíssimo. Ricardo Berna foi na bola, mas nem chegou perto de tocá-la. Um a zero para o Flu.

É sintomático que o primeiro, e único, chute do Náutico no primeiro tempo tenha sido aos 42 minutos. Rogério recebeu dentro da área e bateu sem perigo algum para a defesa de Diego Cavalieri. O Timbu foi, mais uma vez, um time simultaneamente passivo na defesa e inofensivo no ataque. Tanto que ao Fluminense nem se exigiu muita força para vencer o duelo.


Crédito: Fernando Cazaes/Photocamera

Na volta do intervalo, o Náutico até pareceu que seria perigoso. No primeiro minuto, teve uma falta na esquerda cobrada por Tiago Real que João Paulo quase consegue empurrar para o gol. A batida saiu fraca - e a bandeira já estava levantada. O atacante fora flagrado em impedimento. Foi apenas um arremedo de esperança. Logo aos cinco minutos, Wagner invadiu a área pela esquerda e bateu cruzado. Ricardo Berna espalmou, ao contrário do que prega o "manual" do goleiro, para a frente. O atacante Samuel, que entrara havia pouco, confirmou o papel de carrasco do Náutico e, como em 2012 e no primeiro turno deste campeonato, marcou contra o Timbu. 

Com um a zero no placar, era improvável que o Náutico se recuperasse no jogo. Com dois de desvantagem, este Timbu é incapaz de reverter. Marcelo Martelotte mexeu no time, colocou Morales,o atacante Saullo, de apenas 16 anos. Não mudou absolutamente em nada. Aos 32, Alisson foi expulso por entrada dura no meio-campista Rafinha. A partir daí, bastou fazer o relógio correr. O Fluminense vencia e não fazia questão de jogar mais. O Timbu nunca fez em todo este campeonato. Fim de jogo: 2 x 0 para o Flu.

Ficha do Jogo


Fluminense - Diego Cavalieri, Igor Julião, Gum, Leandro Euzébio e Digão; Willian, Jean e Wagner (Felipe); Rhayner (Rafinha), Marcos Junior (Samuel) e Rafael Sobis. Técnico: Dorival Júnior.

Náutico
 - Ricardo Berna; Leandro Amaro, Diego e Alison; Derley, Elicarlos, Gustavo Henrique, Tiago Real (Diego Morales) e Bruno Collaço; João Paulo (Auremir) e Rogério (Saullo). Técnico: Marcelo Martelotte.

Série A. Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ). Árbitro: Marcos Andre Gomes da Penha (ES). Auxiliares: Ramires Santos Candido (ES) e Katiuscia M Berger Mendonça (ES). Cartões amarelos: Derley, Gustavo Henrique (Náutico); Cartão vermelho: Alison (Náutico) Gols: Wagner (aos 16 do 1ºT) e Samuel (aos 5 do 2ºT). Público: 26.498; Renda: 30.844.

Do Blog do Torcedor 


.
 
 
 
eXTReMe Tracker