Página inicial
 
Mural de recados
18.11 | Paulo alvinegro
Era o ano pra um time do interior chegar lá com o rebaixamento dos três da capit ...
18.11 | MARCONDES
´PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTORIA DO FUTEBOL PE. 3 GRANDES CAIRAM, A COMEÇAR PELO M ...
17.11 | CLEO
VERDADE VICTOR HUGO O REINADO DOS TRÊS DA CAPITAL ACABOU,COMO DIZ O DITADO FIZER ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
05/09/2013
22h54 | esportes - SÉRIE A
SÉRIE A > Fazendo história às avessas, Náutico perde para o Vasco: 3 a 0
Oferecimento: Rádio Liberdade AM (910)
O Náutico está fazendo história na Série A. Da pior maneira possível. Derrota sobre derrota. A torcida já nem sabe mais o que esperar. Chega a ser repetitivo escrever. Ler. Imagine, então, torcer, ver um jogo do time. Difícil achar quem acredite que a Série B não é realidade para o Timbu. Em mais uma noite de vexame na competição, o Náutico perdeu pela 13ª vez, dessa vez para o Vasco, por 3 a 0, nesta quinta-feira, novamente na Arena Pernambuco. Já são nove jogos sem saber o que é uma vitória. Quase um mês e meio. O técnico Jorginho, em cinco jogos no Brasileiro perdeu todos. Zero por cento de aproveitamento.

O Náutico continua enterrado na lanterna da competição com oito pontos - sete a menos que a Ponte Preta, equipe à sua frente. Bastaram seis minutos de lucidez para os cariocas. Não foi difícil. Bastou Juninho Pernambucano entrar em campo na volta para o segundo tempo. E a partir daí, a notícia poderia até acabar aqui que o senhor leitor saberia o já tão conhecido enredo desta história. O início do jogo mais pareceu uma continuação da partida contra o São Paulo, que acontecera apenas 48 horas antes no mesmo local. Casa vazia, torcida adversária equivalente a alvirrubra, Timbu melhor em campo e muitos chances claras de gols despediçadas. O filme, claro, parecia mais do que familiar à torcida.
 
Aos 18, o primeiro “quase”. Derley cruzou e Olivera mandou no travessão. Era o início da pressão. Não demorou muito para Collaço perder outra chance incrível. A partida esteve nas mãos do Náutico. O Vasco, por sua vez, não estava morto. Vez ou outra dava suas beliscadas, porém sem muito perigo. E então, veio o segundo tempo.

E o fim da reação alvirrubra que nem chegou a, de fato, começar. Aos 2 minutos, Marlone tocou para Dakson que achou Willie livre para abrir o placar. Quatro minutos depois, Willie achou Marlone livre para ampliar o placar. O próprio Marlone fez o terceiro nos acrésimos. O jogo acabou aí para o Náutico. Desesperado, o time não tinha reação. À torcida restou as vaias e protestos em forma de xingamento ao time, que parmanece inerte. Sem reação. 

Náutico 0
Gideão; Auremir, William Alves, Leandro Amaro e Bruno Collaço; Elicarlos, Derley, Helder (Dadá), Tiago Real (Ángelo Peña) e Morales (Rogério); Olivera. Técnico: Jorginho. 

Vasco
Diogo Silva; Fagner, Jomar, Cris e Henrique; Abuda, Wendel (Juninho Pernambucano), Marlone e Pedro Ken; Willie (Edmilson) e André. Técnico: Dorival Júnior. 

Local: Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata. Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA). Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Fabio Pereira (TO). Gols: Willie e Marlone (2 vezes, V). Cartões amarelos: William Alves (N); André e Abuda (V). Público: 8153. Renda: R$ 224.615

.
 
 
 
eXTReMe Tracker