Página inicial
 
Mural de recados
24.06 |
Soube que a procura de ingressos foi fraca... Que torcida fraca essa do central ...
24.06 | Gustavo
Lembro de quando anunciaram essa parceria com Granada fiz uma pesquisa e vi que ...
24.06 | Kaio SGD
Olha nos desfalque só o que poder atrapalhar é o desfalque de Agenor o resto pod ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
17/08/2013
21h23 | esportes - SÉRIE A
SÉRIE A > Na estreia de Jorginho, Náutico sofre com velhos erros e perde para o Fluminense - 1x0
Oferecimento: Adauto Freire - Corretor de imóveis

Super Esportes

Roberto Ramos/DP/D.A Press
Timbu priorizou a marcação no 1° tempo. No 2°, tentou sair para o jogo, mas não fez o gol
A cada rodada que passa, a situação do Náutico na Série A fica mais difícil. A última esperança era a troca de comando. Saiu Zé Teodoro, chegou Jorginho. Ficaram, porém, os mesmos jogadores. E não havia como o novo treinador fazer milagre em menos de 24 horas. O Timbu que foi a campo neste sábado teve poucas mudanças com relação às últimas rodadas. Velhos erros, como o mau aproveitamento nas finalizações, levaram a mais uma derrota - a nona no campeonato. Desta vez, 1 a 0 para um Fluminense que esteve longe de ter uma atuação sequer reazoável.

Quem esperava um Náutico ofensivo, mordendo desde o início, estimulado pela chegada do novo treinador Jorginho até se surpreendeu com o primeiro tempo alvirrubro. Quem tomou a iniciativa foi o Fluminense, tocando muito bem a bola e valorizando a posse de bola. Na verdade, o Timbu optou por um outro estilo de jogo, baseado na marcação, esperando para sair nos contra-ataques, mesmo jogando em casa.

Roberto Ramos/DP/D.A Press
Derley tenta marcar atacante Fred
Dentro da sua proposta de jogo, o Náutico não foi mal. Poderia ter ficado mais com a bola, e assim teria a oportunidade de criar mais chances de gol, mas preferia primeiro marcar, para só depois sair. O Timbu até acertou a marcação - tirando a atuação bizarra de João Felipe, que em um lance quase marca contra. Prova disso foi que o Fluminense não chegou com perigo em nenhum momento da primeira etapa.

Mesmo assim, ficou o aviso. Para sair da situação ruim, o Náutico teria que fazer mais. Encaixar uma boa marcação poderia ser suficiente em outros momentos, mas neste não. No final do primeiro tempo, as primeiras chances reais começaram a sair. Mas ainda não era o ideal. No segundo, enfim, os alvirrubros se deram conta disso. Em menos de cinco minutos, duas finalizações, o mesmo número de toda a etapa inicial.

O Fluminense voltou para o segundo tempo com duas alterações. Os experientes Felipe e Wagner nas vagas de Jean e Kennedy. Com as substituições, o time carioca passou a ficar menos com a bola. O Náutico se aproveitou disso para se adiantar. Derley saiu mais o jogo, ajudando a conduzir o Timbu. Com isso, os pernambucanos cresceram na partida. Entre os 15 e 20 minutos, foram duas chances claras de gol, com Eltinho e Maikon Leite, que acertou a trave.

Parecia que o Náutico estava perto do gol. Mas mesmo não fazendo uma boa partida, o Fluminense saiu na frente. Numa jogada individual, Samuel driblou Jean Rolt e João Felipe e bateu com força para o gol. Castigo para o Timbu. Sofreu o gol justamente numa hora em que o cansaço já começava a pesar. E correr atrás do placar, com uma carga psicológico cada vez mais pesada, não é fácil.

Não deu para reverter o placar. A reação do início do primeiro tempo cessou. Ao time carioca restou segurar o resultado até o final. Missão em nada complicada, diante de um Náutico desesperado, desorganizado. Arrasado.

Ficha do jogo

Náutico
Ricardo Berna; Auremir, João Felipe, Jeal Rolt e Eltinho; Derley, Elicarlos (Rodrigo Souto), Martinez e Tiago Real; Maikon Leite (Olivera) e Rogério (Hugo). Técnico: Jorginho

Fluminense
Diego Cavalieri; Igor Julião, Anderson, Leandro Euzébio e Carlinhos; Diguinho, Jean (Wagner), William e Kennedy (Felipe); Fred e Rafael Sóbis (Samuel). Técnico: Vanderlei Luxemburgo

Estádio: Arena Pernambuco. Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (SP). Assistentes: Carlos Augusto Nogueira Junior (SP) e Danilo Ricardo Simon Manis (SP). Gol: Samuel (aos 25 do 2°T). Cartões amarelos: Diguinho, William (F), Martinez, Rogério (N). Público: 16.022 Renda: R$ 391.275.

.
 
 
 
eXTReMe Tracker