Página inicial
 
Mural de recados
21.11 | MARCOS LEITE
AOS POUCOS O CENTRAL TÁ ARRUMANDO A CASA, MONTANDO O TIME, VAMOS APOIAR ESSA FES ...
21.11 | VICTOR HUGO
GALERA VAMOS NO EVENTO DO CENTRAL, FIÉIS CENTRALINOS VÃO LÁ NA FEIJOADA, VAMOS N ...
21.11 | Patativa
Esse Pierre poderia ir morar em salgueiro,só fala desse time do sertão, então ca ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
31/10/2017
10h39 | esportes - SANTA CRUZ
SANTA CRUZ --- Em situação complicada, Tricolor busca inspiração no passado para milagre na Série B
Parece uma contagem regressiva. Cinco vitórias em oito jogos, cinco em sete, cinco em seis. A missão do Santa Cruz, difícil há algumas rodadas, beira o impossível, principalmente diante da atual fase do time coral. Sem argumentos consistentes para encorajar a esperança do torcedor, o elenco vem repetindo o discurso de acreditar enquanto houver chances. Busca inspiração em momentos do passado, mas que destoam completamente da atual situação do clube.

A referência para o milagre atual é de 2015, quando a briga era pelo acesso. Grafite e Marcelo Martelotte integravam o elenco tricolor. Após uma derrota em um Clássico das Emoções como mandante e um empate em 0 a 0 contra o Atlético-GO, fora de casa, as chances do Santa Cruz chegar à Série A eram mínimas. Cinco pontos separavam o clube da entrada no G4. Restavam os mesmos seis jogos que faltam para o fim da competição deste ano. Veio a sequência avassaladora. O Tricolor venceu todas as partidas e garantiu vaga na Série A de 2016.

O contexto, porém, é totalmente diferente do atual. Naquele ano, o Santa Cruz, apesar dos resultados ruins contra Vila Nova e Náutico, vivia uma crescente na competição após a chegada de Marcelo Martelotte e a contratação de Grafite. A qualidade do elenco era reconhecida. A missão, apesar de difícil, era classificada como “possível”. Não havia também tantas turbulências extracampo quanto agora.

Apesar da situação complicada, o atacante Ricardo Bueno repete o discurso de que é preciso acreditar de qualquer modo até o fim. “Na verdade a gente não pode desistir. A gente sabe que é muito difícil, que não conseguimos essa sequência no campeonato ainda, mas não podemos desistir. Temos que vencer esse e depois pensar nos outros”, afirmou.
 
DO SUPER ESPORTES PE 

...
 
 
 
eXTReMe Tracker