Página inicial
 
Mural de recados
24.09 | VICTOR HUGO
FOI LINDO V AS IMAGENS DO LACERDÃO QUASE LOTADO, O GRAMADO UM VERDADEIRO TAPETE ...
22.09 | Aldery
É nítido ver como é desastroso ao Central há tanto tempo estar fora de uma série ...
22.09 | Israelito Almeida
Maravilhosa Graça! Bela iniciativa da diretoria. Aproveitar a oportunidade par ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
20/07/2017
18h40 | esportes - SANTA CRUZ
SANTA CRUZ - Tricolor demonstra evolução defensiva após mudança no comando técnico
Em quatro jogos com Givanildo Oliveira no comando do Santa Cruz, a equipe vem conseguindo algo que só havia alcançado uma vez nas 11 primeiras rodadas. Não sofrer gols. Em três partidas sob o comando do Rei do Acesso, o Tricolor do Arruda saiu sem Julio Cesar ser vazado. Algo fundamental para manter o objetivo do acesso vivo. 

Nos poucos dias que teve de trabalho até o momento, Givanildo mostrou uma atenção especial com a defesa. No seu primeiro treino, ficou a maioria do tempo ajustando o posicionamento defensivo e orientando os defensores. Quando consegue reunir o elenco nas vésperas de jogos, não é apenas o velho rachão que ele comanda. O treinador dá atenção especial às bolas paradas e o posicionamento defensivo sempre é o mais cobrado.

Questionado sobre o que mudou, Givanildo afirmou que apenas orientou os atletas, até porque não teve chance de comandar nada além de um coletivo. “Não é o que eu fiz diferente. Não posso dizer isso, até porque não tive treinos. Mostrei situações para eles, até jogos. Esse lance é importante. Primeiro não vou tomar gol. Se não tomar gol está meio a zero. Muito gente acha que é retranca, mas você tem que saber se defender. Temos que ter o cuidado. A gente avisa, mostra algumas situações de jogo e mostra o posicionamento que é muito importante.”

Um dos poucos pontos que Givanildo Oliveira conseguiu trabalhar um pouco mais foram as bolas paradas. Ele comentou que é um dos fatores que dá mais atenção pelo poder de decisão que esse tipo de jogada tem nas partidas. “Vocês falam tanto de bola parada e nós também ficamos malucos quando sofremos gols de bola parada. Tem mérito do adversário e tem mérito nosso também quando marcamos."

No desenho tático ainda não houve mudança drástica e a resposta para uma melhora tão positiva, em pouco tempo, talvez esteja justamente na simplicidade. Ao menos é assim que o volante João Ananias, que ainda nem jogou, mas é velho conhecido de Givanildo, acredita que o técnico tenha mudado a defesa e o time do Santa Cruz.

“Ele faz o simples. Tanto no Náutico, como no Santa ele pede para fazer o simples e acho que é difícil hoje fazer o simples. Ele sempre esteve desse lado e sabe o melhor que é a simplicidade”, justifica o volante.

Os números defensivos do Santa Cruz na Série B

Antes de Givanildo
11 jogos
14 gols sofridos
1,27 gol sofrido por jogo

Após Givanildo
4 jogos
2 gols sofridos
0,5 gol sofrido por jogo
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker