Página inicial
 
Mural de recados
28.04 | Antonio
Esse Danilo Costa parece ser um monstro na zaga ...
28.04 | Anderson
Esse zagueiro Danilo parece ser um bom jogador para a nossa PATATIVA!!!! ...
28.04 | Gabriel
O Central precisa de um bom plano de marketing, filmar bastidores, como é a roti ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
18/06/2016
11h16 | esportes - SÉRIE A 2016
SÉRIE A - Palmeiras 3x1 Santa Cruz - Derrota já era esperada para o Tricolor do Arruda
FOTO: CESAR GRECO 
 
Marcar. Marcar. Depois sair para o jogo. Esse deve ser o mantra de Milton Mendes. Ou ao menos é o modo que o Santa Cruz vem atuando desde que assumiu o comando coral. Na Copa do Nordeste, no Pernambucano e até no começo da Série A, o esquema deu certo. Agora, é previsível. Basta enfrentar algum time com nível técnico maior que isto fica comprovado. Neste sábado, diante do Palmeiras no Allianz Parque, não foi diferente. A derrota por 3 a 1 mostrou que várias lacunas precisam ser preenchidas e qualificação do elenco é algo urgente. Ou melhora, ou a permanência na Série A será algo difícil de se conseguir.

Atuando do mesmo modo de sempre, recuado e esperando espaços no contra-ataque, o Santa Cruz convidou o Palmeiras a atacá-lo. Ao menos três chances claras foram criadas pelos donos da casa nos 20 minutos iniciais e o Tricolor do Arruda sofria quando conseguia a posse de bola. Esbarrava na marcação adiantada do Porco e Fernando Prass só teve que defender uma bola coral em todo o primeiro tempo. 

Tiago Cardoso logicamente vinha sendo o destaque da equipe com tanta pressão dos donos da casa, mas falhou quando não podia. Aos 28 mintuos, em um lance em que Moisés jogou a bola dentro da área através de um lateral, o camisa 1 do Santa Cruz teve tudo para fazer uma defesa fácil, mas estranhamente soltou a bola nos pés de Cleiton Xavier, que tocou para trás e Dudu, livre de marcação, abriu o placar para o Porco. 

Naturalmente, a postura mudou. O Santa Cruz adiantou a marcação e tentou o empate. Teve poucas chances e uma finalização de Arthur para fora foi a melhor chance criada no primeiro tempo. A derrota parcial por 1 a 0 era um castigo pequeno para a falta de ousadia coral e no último lance da primeira etapa, ele foi compensado pelos palmeirenses. Em uma jogada ensaiada, Jean ampliou o placar em uma cobrança de falta no canto esquerdo de Tiago Cardoso.

Reação e frustração
Com a desvantagem no placar, o Santa Cruz surpreendeu. Voltou de forma totalmente diferente. Foi para frente. Com seis minutos fez a diferença. Grafite, em posição de impedimento, completou de cabeça falta cobrada por João Paulo e descontou. Logo no ataque seguinte, Keno entrou livre na área, mas não conseguiu acertar o gol de Fernando Prass e desperdiçou a oportunidade de empatar a partida. 

A reação durou até os 19 minutos, quando Gabriel Jesus decidiu aparecer no jogo. Em um lance que o Danny Morais afastou mal a bola, o atacante palmeirense cruzou rasteiro, Tiago Cardoso não cortou a bola e Dudu, nas costas de Mario Sérgio, empurrou de carrinho para o fundo das redes.

O gol sofrido desconcertou o Santa Cruz. Por pouco o Porco não ampliou. Aos menos cinco minutos foram necessários para que o Tricolor voltasse a se concentrar novamente. Reorganizado, o time voltou a criar perigo. Em dois lances, os gols poderiam ter saído. O problema é que Fernando Prass não deixou. 

Em uma cabeça de João Paulo e em um chute de Arthur, que depois da defesa a bola ainda tocou na trave, o goleiro do Palmeiras segurou uma maior reação coral. O poder de criação demonstrado no segundo tempo foi o único ponto positivo do Santa Cruz na partida. Algo que poderia ser repetido mais vezes, principalmente na próxima quarta-feira, quando enfrenta o Flamengo, no Arruda.

FICHA DO JOGO

Palmeiras
Fernando Prass, Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Egídio; Moisés (Thiago Santos, aos 31’ do 2ºT), Tchê Tchê, Cleiton Xavier (Cristaldo, aods 31’ do 2ºT), Roger Guedes e Dudu (Fabrício, aos 38’ do 2ºT); Gabriel Jesus. Técnico: Cuca

Santa Cruz
Tiago Cardoso, Vitor (Mario Sérgio, aos 13’ do 2ºT), Neris, Danny Morais e Tiago Costa; Uillian Correia, João Paulo (Wallyson, aos 35’ do 2ºT) e Lelê (Daniel Morais, aos 19’ do 2ºT); Arthur, Keno e Grafite. Técnico: Milton Mendes.

Estádio: Allianz Park
Árbitro: Eduardo Tomaz de Aquino Valadão (GO). 
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (Fifa-GO) e Cristhian Passos Sorence (GO).
Gols: Dudu (aos , 28’ do 1ºT e 19’ do 2ºT) e Jean (aos 47’ do 1ºT) (PAL); Grafite (aos, 6’ do 2ºT)
Cartões amarelos: Uillian Correia, João Paulo e Neris (STC); Roger Guedes (PAL)
Expulsão: Uillian Correia (STC) 
Público: 34.162 
Renda: R$ 2.167.071,76
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker