Página inicial
 
Mural de recados
23.02 | Freddy Renner
Concordo com a opinião de Centralino. O ataque não está rendendo o que se espera ...
23.02 | kaio
Era Bom pro central Kiros Ou Junior Juazeiro ...
23.02 | VICTOR HUGO
O CENTRAL VAI PRA FINAIS DO CAMP. PE, COM CERTEZA , VAMOS CONTRATAR SÓ DPOIS DO ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
09/10/2017
14h27 | esportes - FUTEBOL PE
SÉRIE B - Matemática e história jogam contra Santa Cruz e Náutico na luta contra o rebaixamento
Restando dez rodadas para o término da Série B, o fantasma do rebaixamento nunca foi tão real para Santa Cruz e, sobretudo, Náutico. Não bastasse o futebol pouco convincente, a matemática e a história também jogam contra passou um pente fino em todas as edições da competição na era dos pontos corridos (desde 2006) e observou que dos 44 times que frequentavam a zona de queda a essa altura do campeonato, apenas 11 conseguiram evitar o descenso. Média de um por ano. E desses casos, somente dois podem servir de inspiração para os tricolores. Para os alvirrubros, nem isso. 

Após a derrota para o Goiás, os timbus voltaram a ficar a 11 pontos da saída do Z4. Nunca uma equipe conseguiu tirar uma diferença tão grande restando apenas dez rodadas a serem disputadas. Aliás, nem perto disso. 

Desde 2006, as duas maiores diferenças retiradas por um time que estava no Z4, a dez rodadas para o fim da competição, foram de cinco pontos. Menos da metade do que o Náutico precisa. O número também representa o atual déficit tricolor para o Luverdense, 16º colocado.

As façanhas couberam a Bragantino, em 2012, e Ceará, em 2015. Dos dois, o que mais se assemelha ao atual cenário coral é o do primeiro, que também estava na 18ª colocação, assim como o Santa. Os cearenses figuravam em 17º. 

Não por acaso, os paulistas também conseguiram a maior arrancada de um time do Z4 nas dez últimas rodadas, com 66,6% de aproveitamento. O rendimento do Ceará foi de 63,3%. Os dois fecharam a Série B com dois pontos a mais que o 17º colocado. 

O técnico do Santa, Marcelo Martelotte, calcula em 45 pontos a margem de segurança para a manutenção do clube na Série B. Pontuação que segundo a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) dá uma segurança de 16%. Somando atualmente 29 pontos, os tricolores precisarão assim de um rendimento de 53,3% para alcançar essa marca. O atua é de 34,5%. 

Nem na Série A

Voltando ao Náutico, o percentual da salvação timbu beira o impossível. Tanto que nunca aconteceu. Para chegar a 45 pontos, os alvirrubros terão que ter um aproveitamento de 73,3%. Bem superior, por exemplo, ao do líder Internacional, que ao longo da Série B somou 64,3% dos seus pontos. 

Para não deixar os alvirrubros mais teimosos sem ter alguma esperança, a reportagem precisou mudar de divisão. Pela Série A, o Fluminense conseguiu em 2009 a até hoje mais improvável de todas as fugas de rebaixamento, obtendo incríveis 80% de rendimento nas dez rodadas finais (sete vitórias e três empates). Porém, na ocasião, a diferença para o 16º colocado era de oito, e não de 11 pontos. 

Ou seja, a essa altura, uma permanência do Náutico, além de histórica, passaria a ser referência para todos os desesperados. Para conseguir o milagre da permanência, o Timbu terá que quebrar todas as calculadoras.
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker