Página inicial
 
Mural de recados
21.11 | MARCOS LEITE
AOS POUCOS O CENTRAL TÁ ARRUMANDO A CASA, MONTANDO O TIME, VAMOS APOIAR ESSA FES ...
21.11 | VICTOR HUGO
GALERA VAMOS NO EVENTO DO CENTRAL, FIÉIS CENTRALINOS VÃO LÁ NA FEIJOADA, VAMOS N ...
21.11 | Patativa
Esse Pierre poderia ir morar em salgueiro,só fala desse time do sertão, então ca ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
07/11/2017
23h07 | esportes - Série B
SÉRIE B - Náutico 1x3 Paysandu
Afundado na vice-lanterna da Segundona, apenas questões matemáticas separam a oficialização da queda alvirrubra após a derrota para o Papão nesta terça-feira
Agora, resta esperar a confirmação matemática. No seu retorno à Arena de Pernambuco, após quatro jogos como mandante em Caruaru, o Náutico foi derrotado pelo Paysandu por 3 a 1, nesta terça-feira, e freou as últimas esperanças de permanência na Série B. Enterrado na vice-lanterna, com 31 pontos, os alvirrubros agora só podem chegar aos 43 pontos, caso vençam as quatro partidas restantes na competição. Pontuação que, de acordo com a Universidade Federal de Minas Gerais, significa um alto risco de queda de 65%. 

A partida também representou a primeira derrota do Náutico na Arena sob o comando do técnico Roberto Fernandes, que havia vencido as três anteriores no estádio. Mais uma dado que reforça a teoria de que o momento é de começar a planejar a temporada de 2018. Uma temporada de reestruturação.
O jogo

Pela primeira vez em 34 rodadas, o Náutico conseguiu repetir a mesma formação da partida anterior. Assim, o time escalado por Roberto Fernandes foi o mesmo da vitória do clássico sobre o Santa Cruz, no último sábado. E o entrosamento parece ter feito bem ao time, que fez uma boa apresentação no primeiro tempo, com boa movimentação ofensiva. Principalmente por parte de Rafinha e Dico. Assim, o atacante William teve pelo menos duas boas chances de marcar. Uma delas, logo após o apito inicial, ao receber dentro da área e chutar em cima do goleiro Emerson.

No entanto, alguns erros cruciais impediram que os alvirrubros tivessem um primeiro tempo tranquilo. Um deles foi a fragilidade do lado esquerdo. Com Ávila em mais uma atuação fraca, errando inclusive tempo de bola, o Paysandu encontrou por ali um bom corredor para também ameaçar a meta de Jefferson. E após um saída de bola errada do meia Diego Miranda, a bola caiu nos pés do ex-alvirrubro Bérgson, que não se intimidou com os muitos xingamentos da torcida e chutou rasteiro, sem chance de defesa, aos 13 minutos.

A sorte do Náutico é que o Paysandu também comete seus erros. E no minuto seguinte, o Timbu “ganhou” o empate após um gol contra bizarro cometido pelo zagueiro Perema, que tentou recuar de cabeça e mandou para as próprias redes. O empate imediato foi fundamental para que os alvirrubros não sofressem um baque psicológico. 

Assim, a partida seguiu bem movimentada, de lado a lado. Pelo lado dos donos da casa, faltou um pouco mais de participação do meia Bruno Mota, para tornar a equipe mais perigosa. Lento e muitas vezes procurando a marcação, o camisa 10 em muitos momentos se escondeu da partida. Seu único bom passe veio já aos 36 minutos, mas Ávila, o pior em campo, se atrapalhou ao cruzar. Por sinal, após mais uma falha do lateral alvirrubro, foi do Paysandu a última boa chance da etapa inicial, com Guilherme Santos acertando a trave.
 
 Derrota no segundo tempo

O Náutico voltou sem substituições para o segundo tempo. Prova de que Roberto Fernandes gostou do que viu. E assim como na primeira metade da partida, o Timbu não demorou a buscar o gol. Dessa vez, em cobrança de falta perigosa do zagueiro Aislan. Porém, como o empate não resolvia e o time começava a dar sinais de diminuição de intensidade, Roberto Fernandes fez a sua primeira mudança aos 10 minutos, com a saída de Diego Miranda, que abusou dos erros de passe, para a entrada de Iago.

E por pouco a mudança não surte efeito imediato, com Iago cruzando da direita para William, que ganhou do marcador, mas na entrada da pequena área,chutou para fora. Para desespero dele e dos 2.310 torcedores presentes à Arena. 

Mas o cenário ficaria ainda pior. Com a alteração, o Náutico também abriu espaço pelo meio. E após novo vacilo defensivo do Náutico, Caion recebeu por trás de Breno Calixto e só teve trabalho de tirar do alcance de Jefferson. Mais uma vez atrás do marcador, os alvirrubros não tiveram mais forças para reagir. Nos acréscimos, Caion ainda fez mais um, sacramentando a vitória paranse. A essa altura, os gritos de apoio das cadeiras da Arena se transformaram em críticas. Time e torcida alvirrubra cientes de que, de fato, só resta esperar a queda matemática. A ficha, caiu 
Ficha do jogo

Náutico 1
Jefferson; David, Breno Calixto, Aislan e Ávila; Amaral (Leilson), Diego Miranda (Iago) e Bruno Mota; Rafinha (William Schuster), William e Dico. Técnico: Roberto Fernandes.

Paysandu 3
Emerson; Ayrton, Perema, Diego Ivo e Guilherme Santos; Augusto Recife (Johnnatan), Renato Augusto, Fábio Matos (Rafael Dumas) e Juninho (Diogo Oliveira); Caion e Bergson. Técnico: Marquinhos Santos

Local: Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata.
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (PR).
Assistentes: Ivan Carlos Bohn e Luciano Roggenbuam (ambos do PR).
Gols: Bergson (13 min do 1º), Perema, contra (14 min do 1º) e Caion (19 e aos 48 min do 2º).
Cartões amarelos: Breno Calixto, Aislan (N) e Fábio Matos, Diogo Oliveira (P).
Público: 2.310.
Renda: R$ 21.920.00
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker