Página inicial
 
Mural de recados
23.02 | Freddy Renner
Concordo com a opinião de Centralino. O ataque não está rendendo o que se espera ...
23.02 | kaio
Era Bom pro central Kiros Ou Junior Juazeiro ...
23.02 | VICTOR HUGO
O CENTRAL VAI PRA FINAIS DO CAMP. PE, COM CERTEZA , VAMOS CONTRATAR SÓ DPOIS DO ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
04/10/2017
17h17 | esportes - NÁUTICO
Técnico Roberto Fernandes se apoia em retrospecto nos últimos dez jogos para motivar o time do Náutico
A briga do Náutico contra o rebaixamento fica mais difícil a cada rodada. O fim da Série B se aproxima e cobra cada vez mais o preço pelo péssimo início do time na competição. Restam apenas onze jogos e o Alvirrubro precisa vencer sete deles para atingir a média histórica que livra a queda. Aproveitamento de 63%, que apenas o líder Internacional atingiu. Com isso, as esperanças vão diminuindo e o trabalho de motivação do time acaba se tornando ainda mais complicado.

Porém, deixando as projeções de lado, ainda existem motivos para acreditar na salvação. O maior fator motivacional está no desempenho recente do próprio Náutico. Se tomarmos em consideração apenas os dez últimos jogos, o Timbu estaria hoje na nona colocação. Uma campanha que, entre os clubes que brigam diretamente contra o rebaixamento, só fica atrás do Figueirense.


O técnico Roberto Fernandes entende o seu papel como motivador dos atletas. Por isso, prefere encarar sempre o próximo jogo a disputar como uma decisão. “Jogador não tem que olhar para isso. O que eu trabalho internamente é que nas últimas dez rodadas o Náutico fez 15 pontos. Fizemos o dobro de pontos de quem está na briga com a gente. Se a gente continuar com essa pegada, a permanência é possível”, apontou.

Ainda que positivo, se comparado ao restante da temporada, o atual rendimento do time não é o suficiente para atingir a meta de 45 pontos. Roberto Fernandes tem um aproveitamento de 44%. É preciso render mais para alcançar um rendimento suficiente. Números que o técnico evita projetar.

“O Náutico chegou na reta final com uma missão duríssima, pelo campeonato pífio que fez no primeiro turno. A matemática é não fazer matemática. Se fizer a projeção, ela é muito grande para que o grupo fez até agora. Conseguimos seis vitórias em 27 jogos e precisamos de sete em onze. Só o campeão vai conseguir isso. É muito grande o fardo. Precisamos pensar jogo a jogo. O Goiás como decisão. Não adianta conjecturar tabela. Vencer sete de onze”, disse o treinador, que apesar das dificuldades, não joga a toalha. Enquanto há vida há esperança.”
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker