Página inicial
 
Mural de recados
23.02 | Freddy Renner
Concordo com a opinião de Centralino. O ataque não está rendendo o que se espera ...
23.02 | kaio
Era Bom pro central Kiros Ou Junior Juazeiro ...
23.02 | VICTOR HUGO
O CENTRAL VAI PRA FINAIS DO CAMP. PE, COM CERTEZA , VAMOS CONTRATAR SÓ DPOIS DO ...
 
[Enviar] [Listar]
Esportes
Vídeos
CENTRAL de CARUARU
Clube Atlético do Porto
Sport Club do Recife
Santa Cruz Futebol Clube
Clube Náutico Capibaribe
Salgueiro Atlético Clube
Futebol Pernambucano
Futebol Nacional
Futebol Internacional
Opinião
Giros
Enquete
Não existe enquete no momento!
 
Publicidade
 
 
03/10/2017
17h35 | esportes - NÁUTICO
NÁUTICO - Após lesões de Rafael Oliveira e Vinícius, aumenta a cobrança sobre o atacante William
Contratado no final de julho, o experiente William, de 34 anos, chegou ao Náutico para a ser a referência no ataque alvirrubro. Responsabilidade que aumentou após as lesões dos também atacantes Rafael Oliveira e Vinícius, que não atuam mais pelo clube neste ano. O primeiro com um rompimento dos ligamentos cruzados do joelho direito. O segundo devido a um problema crônico na região lombar.

Com apenas três jogos na Série B (e um gol marcado) o próprio William também sofre com problemas físicos. Deve voltar ao time nesta sexta-feira, contra o Goiás, no Serra Dourada, após se recuperar de um estiramento muscular que o tirou das três últimas rodadas. Apesar disso, garante estar ciente de que a cobrança em cima do seu desempenho irá aumentar a partir de agora, quando passa a ser o único centroavante.

"A responsabilidade em cima do centroavante sempre vai existir. O Lucas Pratto, no São Paulo, é um exemplo disso. Ele tem uma função gigante para o time, abre espaço no meio de campo, marca o volante, mas como a bola dele não está entrando (não marca um gol há nove jogos) ele é cobrado por isso. Sei da minha responsabilidade e estou preparado. Tenho apenas que me concentrar naquilo que eu sei fazer. Sempre soube fazer gols. É ter tranquilidade para quando a bola chegar ter a consciência do que fazer com ela", destacou William.

Para William, a falta de uma pré-temporada neste ano vem tendo reflexos negativos até agora. O jogador disputou a sua primeira partida em 2017 apenas em março, pelo Água Santa, pela Série A2 do Campeonato Paulista. "É difícil quando você pensa que vai ter uma sequência e de repente se machuca. A sequência é muito importante para um atleta. Aqui no Náutico, sempre que estou indo para o segundo jogo, acontece alguma coisinha. A pré-temporada é o período que o jogador mais reclama. Mas ela faz falta e é muito importante. Muitas vezes, quando se perde a pré-temporada, se perde o ano todo", pontou.

Problema coletivo 

Outro aspecto que aumenta a cobrança em cima de William é o fato do Náutico ter o segundo pior ataque da Série B, com 18 gols, dois a mais que o ABC. No entanto, nesse caso, para o jogador, a responsabilidade precisa ser dividida entre toda a equipe. 

"No Brasil, quando se fala de ataque só se pensa no atacante. É lógico que o centroavante está ali para isso, mas todo o time tem que fazer os gols. É um contexto geral. Quando se fala que o ataque não está fazendo os gols, é o time do Náutico que não está fazendo. Às vezes o gol vem em uma falta, em outra bola parada. É a mesma coisa da defesa. Quandos o time sofre um gol, a culpa vai para os zagueiros, mas tudo começou na frente. Joguei na Europa (na França e em Portugal) é lá se tem esse pensamento mais coletivo", analisou.
 
DO SUPER ESPORTES PE 

.
 
 
 
eXTReMe Tracker